Destaques do Comunic@

                                            “A ponte entre universidade e escola foi importantíssima, tanto para meu crescimento pessoal quanto profissional, abrindo meus olhos para a realidade da escola pública, algo que a teoria não poderia mensurar por completo”. A afirmação de Vanessa Vieira Mombach, que, enquanto estudante do curso de Letras da Unijuí integrou o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid), mostra a importância dele para a formação dos novos professores, além de possibilitar uma aproximação maior entre Universidade e rede pública de ensino.  O Pibid é uma iniciativa para o aperfeiçoamento e a valorização da formação de professores para a educação básica. O programa concede bolsas a alunos de licenciatura participantes de projetos de iniciação à docência, desenvolvidos por Instituições de Educação Superior (IES) em parceria com escolas de educação básica da rede pública de ensino. O Pibid abre um espaço de atuação no campo profissional para além do estágio, garantindo o compartilhamento da docência.  Os projetos promovem a inserção dos estudantes no contexto das escolas públicas desde o início da sua formação acadêmica para que desenvolvam atividades didático-pedagógicas sob orientação de um docente da licenciatura e de um professor da escola, o qual se coloca como co-formador ao compartilhar a docência. “O Programa, nesse contexto, abre portas para uma percepção mais apurada dos fatos, fazendo com que se possa pensar e repensar a educação, seja em sala de aula, seja na universidade, pois permite ampliar a conexão entre ambas, fornecendo aos estudantes de graduação uma oportunidade única de contribuir desde cedo para um fazer docente mais colaborativo, visando uma educação melhor”, complementa Vanessa.  Com a experiência adquirida em sala de aula, os estudantes também têm a oportunidade de produzir conhecimento, com pesquisas e produções acadêmicas. É o caso de Tatiele Freitas, acadêmica do curso de Pedagogia, que pode participar de eventos relatando as experiências e extraiu disso o tema do Trabalho de Conclusão de Curso. “Uma vivência significativa, tema do meu TCC, está ligada ao Pibid, trata-se da Docência Compartilhada”, observa.  Na Unijuí já passaram mais de 150 bolsistas pelo Pibid, sendo que, atualmente, 83 estão envolvidos com atividades do projeto, sendo 9 deles professoras da educação básica com bolsa. São quatro escolas parceiras desde 2014, quando o projeto iniciou na Unijui, com cerca de 879 alunos da educação básica participando das atividades formativas, além


                                            “A ponte entre universidade e escola foi importantíssima, tanto para meu crescimento pessoal quanto profissional, abrindo meus olhos para a realidade da escola pública, algo que a teoria não poderia mensurar por completo”. A afirmação de Vanessa Vieira Mombach, que, enquanto estudante do curso de Letras da Unijuí integrou o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid), mostra a importância dele para a formação dos novos professores, além de possibilitar uma aproximação maior entre Universidade e rede pública de ensino.  O Pibid é uma iniciativa para o aperfeiçoamento e a valorização da formação de professores para a educação básica. O programa concede bolsas a alunos de licenciatura participantes de projetos de iniciação à docência, desenvolvidos por Instituições de Educação Superior (IES) em parceria com escolas de educação básica da rede pública de ensino. O Pibid abre um espaço de atuação no campo profissional para além do estágio, garantindo o compartilhamento da docência.  Os projetos promovem a inserção dos estudantes no contexto das escolas públicas desde o início da sua formação acadêmica para que desenvolvam atividades didático-pedagógicas sob orientação de um docente da licenciatura e de um professor da escola, o qual se coloca como co-formador ao compartilhar a docência. “O Programa, nesse contexto, abre portas para uma percepção mais apurada dos fatos, fazendo com que se possa pensar e repensar a educação, seja em sala de aula, seja na universidade, pois permite ampliar a conexão entre ambas, fornecendo aos estudantes de graduação uma oportunidade única de contribuir desde cedo para um fazer docente mais colaborativo, visando uma educação melhor”, complementa Vanessa.  Com a experiência adquirida em sala de aula, os estudantes também têm a oportunidade de produzir conhecimento, com pesquisas e produções acadêmicas. É o caso de Tatiele Freitas, acadêmica do curso de Pedagogia, que pode participar de eventos relatando as experiências e extraiu disso o tema do Trabalho de Conclusão de Curso. “Uma vivência significativa, tema do meu TCC, está ligada ao Pibid, trata-se da Docência Compartilhada”, observa.  Na Unijuí já passaram mais de 150 bolsistas pelo Pibid, sendo que, atualmente, 83 estão envolvidos com atividades do projeto, sendo 9 deles professoras da educação básica com bolsa. São quatro escolas parceiras desde 2014, quando o projeto iniciou na Unijui, com cerca de 879 alunos da educação básica participando das atividades formativas, além


Na última semana, as professoras Mara Tissot Squalli e Juliana Fachinetto, junto aos estudantes do Curso de Ciências Biológicas Maicon Schreiber, Agatha Shubeita e Anik Fauerhalmer, bolsistas do Programa de Educação Tutorial PET Biologia (MEC/SESU), estiveram em expedição de coleta de material biológicos na região da Serra Gaúcha. As pesquisas ligadas ao Grupo de Pesquisa Biodiversidade e Ambiente (AMBIO) envolvem a família botânica Eriocaulaceae, que pertence espécies também conhecidas como sempre-vivas, capim-dourado ou capipoatinga. Muitas das espécies de interesse para essas pesquisas ocorrem em banhados, turfeiras e campos úmidos de altitude, ecossistemas abundantes no Rio Grande do Sul. Durante quatro dias, o grupo de professores e estudantes da UNIJUÍ refez trilhas de antigos coletores e explorou os ambientes propícios para a ocorrência de espécies dessa família em Cambará do Sul, São Francisco de Paula, São José dos Ausentes, Bom Jesus e Vacaria. O material coletado servirá para pesquisas nas áreas de taxonomia e quimiotaxonomia, genética de populações, fitoquímica, citogenética e histologia, biogeografia, ecologia de populações, entre outras. Os estudos serão realizados pelas professoras e pelos estudantes de Ciências Biológicas em seus trabalhos de conclusão de curso, estágios, etc. A expedição foi um sucesso e várias espécies foram encontradas, já que parte dos ambientes naquela região são pouco impactados pela criação de gado. Nos locais utilizados para plantio, as espécies, muito sensíveis aos produtos químicos utilizados na agricultura, tendem a desaparecer. Por esta razão, a família Eriocaulaceae, que até cerca de 50 anos atrás era bem representativa nas áreas úmidas na região Noroeste do Rio Grande do Sul, não é mais encontrada nas proximidades. A ocupação do solo com monoculturas, a drenagem ou outro tipo de intervenção nos banhados e o uso de grandes quantidades de agroquímicos contribuiu para o desaparecimento dessa família em Ijuí e arredores. Também por essa razão, muitas espécies da Família Eriocaulaceae estão na Lista da Flora Gaúcha Ameaçada de Extinção (Decreto 51.109 de 19 de dezembro de 2012), segundo o levantamento coordenado pela Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul (http://www.fzb.rs.gov.br/conteudo/4809/?Homologada_a_nova_Lista_da_Flora_Ga%C3%BAcha_Amea%C3%A7ada_de_Extin%C3%A7%C3%A3o).


                       Já é possível conferir os trabalhos que se destacaram na edição 2017 do Salão do Conhecimento. Eles foram indicados a partir da avaliação dos resumos expandidos/trabalhos completos e da apresentação do Pôster/Comunicação Oral durante o evento. Como regra, foi escolhido até um trabalho por área do conhecimento por evento, exceto nos casos em que a avaliação foi idêntica. A Sessão Solene de entrega dos certificados aos autores dos trabalhos destaque está sendo programada para o mês de março de 2018, juntamente com a abertura do Ciclo de Formação para a Pesquisa e Extensão 2018, quando também será dado início à exposição itinerante dos pôsteres dos trabalhos-destaque nos Campi da UNIJUÍ.  Confira a lista completa: De acordo com o regulamento do evento, os autores de trabalhos-destaque comprometem-se a comparecer na solenidade e concordam com a veiculação de nome e imagem na divulgação dos resultados, bem como com o empréstimo do pôster para compor a exposição itinerante. Os trabalhos destaque da Jornada de Pesquisa não precisam entregar pôster à Vice-Reitoria, pois realizaram apresentação oral. Edição 2017 O Salão do Conhecimento 2017 reuniu, nos quatros campi da UNIJUÍ, mais de 2 mil pessoas em cinco dias de evento. O objetivo da semana foi a socialização da pesquisa científica e diálogo entre as diferentes áreas do conhecimento, com a temática norteadora ‘A Matemática está em tudo’. Ao todo foram 829 trabalhos inscritos, desses, 164 trabalhos na Jornada de Pesquisa e 665 Resumos Expandidos apresentados na modalidade pôster. Participaram do Salão do Conhecimento 2017, ainda, 111 participantes de outras Instituições e 13 estrangeiros.  Além das apresentações de trabalhos, o evento teve uma programação recheada de palestras, seminários e oficinas. Também fizeram parte da programação, a Mostra ANATOmática “Desvendando a Anatomia e a Fisiologia com ajuda da Matemática”, promovido pelo Grupo de Pesquisa em Fisiologia da Unijuí e Grupo de Estudos em Anatomia Veterinária, a Mostra “A Matemática está em tudo”, promovida pelo Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Modelagem Matemática, Curso de Licenciatura em Matemática, Projeto de Extensão DISEAM e Projeto de Extensão Física para Todos, e a Mostra “Trabalhos da I Feira Regional de Matemática: A Matemática está onde você nem imagina” promovido pela Comissão Central Organizadora da I Feira Regional de Matemática.  De acordo com o Vice-Reitor de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão, Fernando Jaime González, a semana foi intensa, com muitas oportunidades para falar sobre ciência, pesquisa e extensão, para apreciar tudo que se


Projeto Trilha dos Festivais da Unijuí FM finalizou o ano de 2017 com a transmissão da Califórnia da Canção Nativa, de Uruguaiana.                  Não poderia ser melhor a etapa final do Projeto Trilha dos Festivais da Unijuí FM. Grandes composições, ótimos shows e momentos históricos e emocionantes. Tudo isso estando na casa da “Mãe dos Festivais”. Assim foi escrita a história da última transmissão da Unijuí FM em 2017, na Califórnia da Canção Nativa de Uruguaiana (foto). Em sua 40ª edição, o Festival que consagrou inúmeros intérpretes e compositores, imortalizando músicas que hoje são consideradas clássicos do nativismo, viveu mais uma vez dias marcantes no Teatro Rosalina Pandolfo Lisboa. Embora sem a estrutura e o aparato midiático de outrora, a Califórnia manteve o glamour e o status de Festival diferenciado. Entre os concorrentes, renomados artistas, como Luiz Carlos Borges, Joca Martins entre outros. Isso tudo, aliado a shows resgatando músicas da própria Califórnia, como os de João de Almeida Neto e Mauro Moraes, criaram uma atmosfera singular e envolvente no público que prestigiava o evento e também naqueles que o acompanhavam pelo rádio ou na internet por meio da Unijuí FM. Além disso, durante as transmissões, entrevistas históricas aconteceram.  Caso, por exemplo de Luiz Coronel, letrista vencedor de inúmeras Califórnias e que falou na Unijuí FM. Diretor de uma grande empresa de publicidade em Porto Alegre, onde reside, ele exultou a volta do comprometimento com a poesia e da arte criativa não só nos festivais, mas no cotidiano do país. Também passou pelo microfone da Unijuí FM, Cassiano Mendes, ganhador juntamente com Pedro Guerra e Martim César Gonçalves, da 38ª Califórnia de 2014, com o “Homem Dentro do Espelho”. O cantor trouxe a própria Calhandra de Ouro para entrevista, registrando o momento de forma marcante, com o troféu histórico concebido pelo artista plástico e compositor Paulo Ruschel. No final a Califórnia consagrou, nesta edição, a música “Um homem, um cavalo e um cachorro”, com letra e música de Silvio Genro, defendida por Luiz Fernando Baldez e Ricardo Tubino,  como grande vencedora. A música levou ainda o prêmio de vencedora da Linha de Manifestação Riograndense. "Aprendendo a morrer" foi a vencedora da Linha Livre. A música também ganhou o troféu de melhor letra. "Sobra de baile" ficou com o melhor lugar na Linha Campeira. As paradas da Trilha Ao todo,  em 2017, a Unijuí FM transmitiu sete festivais, num total de mais de


                   A Unijuí, promove, no dia 19 de dezembro, o Minicurso ‘Tecnologias no desenvolvimento de alimentos à base de peixe e utilização dos descartes’, que vai abordar sobre a qualidade nutricional, desenvolvimento de empanado e biscoito, e utilização dos descartes, das 14h às 17h30, no Laboratório de Nutrição da Unijuí. O evento tem o objetivo de apresentar os resultados finais do projeto e consultoria na meta de desenvolvimento de produtos alimentícios à base de peixes para a produção em escala comercial. Serão apresentadas informações sobre qualidade nutricional, microbiológica e da utilização dos descartes da filetagem do peixe. A atividade é destinada aos produtores de peixe, agroindústria de peixe e público em geral. As vagas são limitadas e podem ser feitas no local. O minicurso tem a organização dos professores do Cursos de Nutrição e Engenharia Química da Universidade: Eilamaria Libardoni, Raul Vicenzi, Alessandro Herman e Fernanda da Cunha Pereira. A atividade tem a organização e apoio da Agência de Inovação e Tecnologia (AGIT) e Grupo de Pesquisa Nutrição e Alimentos da Unijuí, além do Governo do Estado.


1

Baixe o aplicativo Unijuí FM

Fale conosco

Ícone Whatsapp 55 99131 5487
Ícone Skype radio@unijui.edu.br