Uma história de 36 anos vivendo a EFA!

 

               Escrever é preciso já dizia Mario Osorio Marques. Por isso, me encorajo a deixar aqui meu testemunho. Ingressei na EFA, em 1981, a convite da diretora Jane Bardini. Havia me formado há um mês e há um mês havia chegado a Ijuí. Tudo novo: cidade, estado civil, emprego, aliás, meu primeiro emprego, expectativas de tudo. Iniciei minha atividade como professora na educação infantil, época do jardim de infância.  Logo percebi o tamanho do coração da FIDENE. Me apaixonei! Havia algo desde o início e que até hoje mexe com minhas emoções. É um emprego/lugar/ambiente de fomento as singularidades, as expressões mais singelas, a partilha, aos poderes democratizados, o tempo de aprender a falar e a escuta sensível, a ousadia da palavra, do gesto, da ação e do olhar.

           Na EFA sempre procurei significar cada dia da rotina, pelo acolhimento, amor, responsabilidade, referência e respeito a minha profissão e as minhas escolhas. Significar pelo exercício da dignidade, do bem viver, do zelo a função da escola, ao tempo de cada uma das pessoas que fazem a escola: os colegas, os estudantes, os pais, os funcionários, os colaboradores, a Presidência da mantenedora e da Direção Executiva. O Anexo I, prédio que representou a Escolinha de Artes, a Escolinha da FIDENE e o início da Escola Francisco de Assis. Como professora, incentivada pela diretora da época, Eronita Barcelos, organizei livro de música e de teatro. Época de efervescência na escola: seminários, cursos de formação, viagens de estudos, produções individuais e coletivas, informativos, mostras, feiras!!!! Foi no Anexo que tive a oportunidade, pelo voto direto, de ser diretora. Aprendizagens múltiplas construídas pelo diálogo, pelos conflitos, pelas argumentações, pelas conquistas e frustações.  EFA na Sede Acadêmica foi outro grande movimento. Novo ambiente, novos desafios. Esta organização foi determinante para o fortalecimento e consolidação do projeto EFA. Ao mesmo tempo em que me fortalecia do lugar de professora, assumia outros lugares como o da coordenação pedagógica e de viver novamente a experiência de direção.

         A responsabilidade em estar à frente de um processo educativo, ao mesmo tempo, que desafia também encanta. Por ser uma escola com experiência singular e irreprodutível, não se podem prever inteiramente os desdobramentos desses processos, mesmo que se esteja atenta a cada gesto, sinal, comunicação, momento e situação. Em muitos aspectos, entra a intuição, a experiência e a sensibilidade na tomada de decisão. Tenho aprendido que numa gestão é fundamental conhecer os aspectos que a movem, como também, é necessária a mobilização de talentos e de energia humana. Experiências positivas e promissoras se fazem com sinergia de grupo como elemento cultural que, por seus processos, educa e forma os sujeitos que dela participam.

           Sou a professora mais antiga. Destes 50 anos de EFA, 36 anos transbordo a filosofia Fideniana. A FIDENE é parte da minha história de vida, o sentimento de pertencimento a um projeto humano, que aposta no diálogo, no entendimento, no cuidado de si e do outro. Sinto-me privilegiada por ter construído minha carreira na EFA e na UNIJUI e ter podido contribuir na formação de tantas crianças, jovens e adultos. Entendo que neste percurso muitas mãos, olhares, falas, abraços, risos e choros se constituíram a base do que sou. E reconhecer que parte de mim, são as pessoas que me fazem sentir viva e dar sentido ao meu fazer cotidiano. Com isso, encerro meu tempo na instituição reconhecendo que a FIDENE – EFA e UNIJUI- me permitiram crescer e a ter a convicção que é possível educar com amorosidade, empenho, seriedade e comprometimento. Obrigada e Gratidão!  Levarei para sempre nosso lema: “Cor ad cor loquit”: o coração fala ao coração.

Rosane Nunes Becker Mestre em Educação- Ex Diretora da EFA