Especial 50 Anos EFA

TRANSBORDANDO ARTE! Baú da leitura

A leitura é uma fonte inesgotável de prazer, mas

por incrível que pareça, a quase totalidade, não

sente esta sede.

 Carlos Drumnond de Andrade

                O projeto Baú da Leitura da EFA é um projeto sócio-cultural-artístico que surgiu em 2012. O projeto busca valorizar e despertar o gosto pela leitura através de contação de histórias, principalmente para as crianças abordando diferentes gêneros textuais, literatura infantil, poesias, dramatizações, quadrinhos, contos e outros. É um trabalho em parceria com a Biblioteca Mario Quintana e a Escola, acontece uma vez por semana, de oferta gratuita e envolve alunos dos anos finais do ensino Fundamental. Segundo a professora Vivian C. Belter Lunardi, coordenadora do projeto, o intuito deste trabalho é fomentar a imaginação, a fantasia, a criação, contribuindo no desenvolvimento pleno das crianças e demais participantes, integrantes. Através destes encontros, busca-se desenvolver habilidades e capacidades importantes na atuação de contador de histórias, incentiva-se a fala e a atuação em público, ao criar, improvisar, desinibir, incentivando a prática de uma leitura fluente, crítica e participativa. São pequenas ações que criam o hábito da leitura, aumenta a criatividade, melhora a linguagem, vocabulário e escrita.


POR ONDE TUDO COMEÇA: A educação de crianças pequenas

Por Sônia Falcão, professora da educação infantil, turma A11, crianças de dois anos

Meu coelho é o bobinho

Mora na casa da minha vovó

Ele pega comida da minha mão

Seu pelo é preto e branquinho

Gabrieli Zuckert Santana

(5 anos , Educação Infantil, Poesia XI alunos mostram o que fazem)

 

             Sim, Eles entendem tudo, interagem e aprendem! Eles vivem nos surpreendendo, as vezes parece que não estão prestando atenção em nada do que acontece ao redor deles e, de repente, fazem algo que demostram que estão conectados a tudo. É uma palavra, um gesto, um olhar, uma pergunta, uma gargalhada. Segundo a professora Sônia, para estar bem e desenvolver-se as crianças precisam de cuidados e cuidar não envolve somente estar atento aos cuidados biológicos e relacionais, é pautado em como ajudar o outro a se desenvolver como ser humano, desenvolvendo capacidades e habilidades. O cuidar exige conhecimento e cooperação de profissionais e família. Educar e cuidar acontecem em condições de aprendizagens intencionais afetivas e pedagógicas orientadas pelo adulto mediador do processo educativo. A criança tem um desenvolvimento integrado, o desenvolvimento físico está intimamente ligado ao desenvolvimento psicológico e cultural, ou seja, a criança se constitui como sujeito com personalidade e como membro de um grupo a partir das experiências concretas que tem com o seu meio. Usar do imaginário, da sensibilidade, do olhar, do prazer de estar com a criança, possibilita novas descobertas, no cotidiano da sala de aula percebemos que muitas vezes as crianças estão brincando e nos surpreendem com perguntas e colocações a cerca do que esta acontecendo ao seu redor, esta “conectada” esta é uma característica da criança pequena, a percepção, e os educadores necessitam estar atentos, porque a criança aprende e se desenvolve basicamente pelo viés da brincadeira. Nem sempre a criança consegue verbalizar o que sente ou deseja, é possível compreende-la através da expressão, sobretudo corporal e mediados pela palavra construirão vínculos afetivos, formas de convivência social e aprendizagens.

Nas turmas da Educação Infantil o Educar e Cuidar tem um significado amplo e ao mesmo tempo singular a cada criança. O trabalho é realizado na perspectiva de oportunizar a criança a aprender, questionar, expressar-se, construir conhecimento e a desenvolver autonomia tanto individual quanto coletiva na realização de pequenas tarefas, ampliando principalmente a as interações, a linguagem oral, motricidade e sociabilidade. As atividades acontecem em diferentes espaços, de forma espontânea, em que as crianças fazem suas próprias escolhas, fundamentais ao tempo do desenvolvimento infantil como o desenvolvimento da autonomia e interação e resolução de conflitos, como também, as atividades são proporcionadas pela professora que, de forma intencional, faz intervenções e mediações importantes ao que se espera e se propõem para a criança e ao grupo.  Educar para o olhar, para o ouvir, para o falar, para o aprender a relacionar-se, e a desenvolver aspectos que são determinantes nas aprendizagens como a concentração, a atenção, a motricidade, a construção/internalização de regras, o saber buscar informações, pesquisar, para ampliar o conhecimento já adquirido e construir novos. Oportunizar vivências no sentido de promover a ampliação do universo das diferentes linguagens infantis: oralidade, representação gráfica: desenho, pintura, colagem, representação simbólica, brincadeiras de imitação, faz de conta, sociabilidade, movimento, ritmo, musicalidade e o desenvolvimento da motricidade fina, relativa a destreza das mãos e dedos e motricidade ampla, movimento corporal como um todo proporcionando a integridade entre os aspectos cognitivos, emocionais e sociais, desenvolvidas pela mediação da ludicidade, pesquisa e linguagem.


O Trabalho com Projetos

Há 15 anos, tenho o privilégio de trabalhar na EFA. Escola esta que possui um Projeto Político Pedagógico que desafia educadores, crianças da Educação Infantil aos jovens do Ensino Médio a estudar, a pesquisar, a investigar, a exercer a crítica, a duvidar, a argumentar, a opinar, a pensar. O fazer pedagógico é centrado no diálogo, na tolerância, no respeito às diversidades e nas interações. Para dar conta dos inúmeros interesses e demandas do currículo, historicamente a escola vem optando por uma pedagogia pautada em Projetos. Experimentamos todo tipo de projeto e que hoje focamos nos Projetos de Trabalho, uma concepção atual que desafia professores e estudantes a serem protagonistas, a ambos serem pesquisadores, que pressupõe verdades provisórias, muitas versões e visões de um fato, acontecimento.

Tudo isso gera necessariamente o trabalho em conjunto, a interdisciplinaridade, o diálogo entre as diferentes áreas do conhecimento, numa intercomplementariedade dos saberes como dizia o professor Mario Osorio Marques. Os projetos, também, favorecem a flexibilidade do planejamento. Exige uma atitude crítica do professor diante de seu trabalho docente e requer critérios de escolha, considerando necessidades do contexto, privilegiando aspectos sociais e culturais em consonância com os conteúdos escolares universais. A nós educadores, cabe assumirmos uma postura de orientadores e criar ações para que ocorra aprendizagens significativas, a construção e apropriação de conhecimentos.

Maristela Cristiane Heck – Especialista em Educação- Coordenadora Pedagógica da Educação Infantil e dos Anos Iniciais do Ensino


POR ONDE TUDO COMEÇA: A dimensão lúdica da aprendizagem complexa

Por Sônia Kinalski, professora do 4º ano do ensino fundamental

                     Uma sociedade é produto das interações entre as pessoas que a compõe. A cultura escolar imprime marcas nas crianças e jovens que se fazem no percurso diário das falas, dos exemplos, dos gestos, dos olhares, dos afetos. A EFA tem uma história muito rica de ensino e de aprendizagem. A professora dos anos iniciais, Sonia kinalski, acredita que a ludicidade é uma necessidade do ser humano em qualquer idade, têm importância fundamental para o desenvolvimento social, emocional e intelectual. É uma forma de aprender a problematizar e a religar saberes com outros olhos, permitindo transpor limites, aventurar-se e descobrir o próprio eu. Para ela:

 "A aprendizagem pelo lúdico faz crescer através da procura de soluções e de alternativas, contribuindo para a eficiência e o equilíbrio do indivíduo. Favorece a concentração, a atenção, o engajamento, a imaginação, o raciocínio lógico, a aceitação de regras e a socialização. Aprende-se a pensar. Uma aula inspirada no lúdico, não é necessariamente aquela que ensina conteúdos com jogos, mas aquela em que as características do brincar estão presentes com atividade livre, criativa, imprevisível, capaz de absorver a pessoa que brinca, influenciando no modo de ensinar e aprender, pois conforme o estudioso Vygotsky ¨As maiores aquisições de uma criança são conseguidas no brinquedo, aquisições que no futuro tornar-se-ão seu nível básico de ação real e moralidade".

            Ao se pensar na ludicidade logo vem a mente a aprendizagem da amorosidade, dos afetos, das emoções. Piegas? Não! Temos consciência, geramos cultura e se tem vontades de conhecer. Não há caminhos de certezas, afinal vivemos um tempo de incertezes e de conhecimentos provisórios, da necessária razão e sentido do bem viver, dos bons relacionamentos, das boas experiências.


POR ONDE TUDO COMEÇA: O processo da leitura e da escrita – a língua materna

Por Maria Estela Della Flora, professora alfabetizadora do 1º ano do ensino fundamental

                Na EFA tudo começa pela compreensão de que o processo de aquisição da leitura e da escrita não deva estar desvinculado do contexto e vivências das crianças. É nesta perspectiva, de apresentar o mundo maravilhoso da leitura e escrita que o objetivo da alfabetização cumpre um papel importante, o de dar aceso aos bens culturais da humanidade, ao direito da cidadania e consequentemente da autonomia as crianças. Para a professora Maria Estela:

a pesquisa exerce um papel fundamental na proposta de trabalho da Escola atendendo o educando de forma integral, enriquecendo o seu universo de conhecimentos e aprendizagens, ao mesmo tempo em que resgata o lúdico. Neste ano de 2017, o projeto da escola foi a Jornada de Pesquisa nas Ciências e a turma de alfabetização do 1º ano do ensino fundamental através do projeto “Sombra e Água Fresca” desafiou se a descobrir suas relações com o ambiente que a cerca. Assim, dentro deste projeto, objetivamos ajudar as crianças em situações de coletividade que marcam o início do trabalho do ensino fundamental, a organização dos espaços, das rotinas, dos trabalhos individuais e em grupo, as tarefas da sala de aula e de casa, os materiais escolares, os conhecimentos da vida, a descoberta cientifica, a se posicionar, a transformar suas concepções e formular novas representações do mundo, propondo situações de aprendizagem que oportunizam a curiosidade, a descoberta do novo, a busca e formulação de explicações para os fenômenos e acontecimentos a cerca do elemento água.