• Unijuí FM
  • EFA
    • Notícias EFA
    • Se liga, tá na hora do Vestibular
    • Blog do GECOM
    • Sobre a Efa
      Histórico Proposta Pedagógica Representações Diferenciais

      1968- IPPI- Instituto Psicopedagógico Infantil- na época conciliava as ricas idéias do Mestre Mario Osório Marques

      1973- muda denominação para Escolinha de Arte da FIDENE

      1976- Escola de 1º Grau Francisco de Assis

      1993- Escola de 1º e 2º Graus Francisco de Assis

      2007- Centro de Educação Básica Francisco de Assis

      De 1968 a 2017, para além das mudanças de denominações a EFA se solidificou em Ijuí e na Região tornando-se referência educacional no enfoque da Educação Básica e da Educação Profissional. Como uma das mantidas da FIDENE, a EFA tem e faz história e em 2017 comemora seus 49 anos de atuação educativa.

      Idealizada por Mario Osório Marques e carregada dos ideiais Franciscanos a EFA, desde seu início, se destacou pela ampla relação que sempre estabeleceu com a comunidade escolar, na perspectiva da construção de relações dialógicas, com vez e voz a todos os segmentos.

      Missão

      Promover a formação básica e profissional de sujeitos capazes de interação no mundo em suas diferentes dimensões, buscando a melhoria da qualidade de vida, através de um projeto pedagógico arrojado integrado plenamente com a FIDENE e suas mantidas.

      Visão

      Ser um Centro de Educação Básica e Profissional de referência regional, comprometido com as demandas do contexto sócio-histórico-cultural, local/global e com a formação de sujeitos participativos.

      Filosofia

      O Centro de Educação Básica Francisco de Assis tem uma história de mais de quatro décadas de trabalho com ensino-aprendizagem centrado no desenvolvimento do ser humano, tendo como princípio o respeito e a valorização de cada sujeito no seu processo de aprendizagem com ênfase no “ser” para dar conta do “saber”, “saber fazer” e “conviver”.

      Assume, em sua proposta político-pedagógica, o seu trabalho como demanda da vida pessoal, cultural e social, fundamentado em valores éticos, estéticos e políticos, na dimensão da formação humanista e científico-tecnológica que perpassa o fazer pedagógico na Educação Básica em todas as etapas assumidas pela Escola.

      Desenvolve sua proposta pedagógica pelo viés da criticidade, acredita na construção do conhecimento como tarefa essencial na missão de educar crianças, jovens e adultos. A atuação do Centro destaca o respeito ao sujeito, sua curiosidade, sua forma singular de aprender, bem como, a formação técnica- científica, histórica e política em olhares inter e transdisciplinares e por meio de situações de estudo, aspectos estes que geram envolvimento e ênfase à capacidade produtiva do pensar, estudar, criar e ser.

       

      {gallery}/images/stories/setembro-2017/galeria91505131187/{/gallery}

      Equipe Diretiva Gestão 2017 - 2019

       

      Diretora

      Maria do Carmo Pilissão

      Vice Diretora

      Janete Maria Strieder

      Coordenação Pedagógica dos Anos Finais e Ensino Médio

      Rosana da Silva Barros

      Coordenadora Pedagógica da Educação Infantil e Anos Iniciais

       Maristela Cristine Heck

       

      GECOM - Grêmio Estudantil Chico Mendes

      Segmento composto por representações de estudantes do 5º ano do Ensino Fundamental de 9 anos ao Ensino Médio, eleito para gestão anual. Representam os interesses dos estudantes e promovem eventos como gincana, palestras, ciclo de debates e fazem o canal de aproximação de seus pares com a Direção.

       

      Conselho de Pais

      Este segmento é composto por Pais da Educação Básica, sendo dois representantes de Pais de cada turma que atuam em gestão anual. O Conselho de Pais atua em consonância com a Direção em prol de interesses que qualifiquem o ambiente educativo e reforça um canal importante de comunicação entre Escola e Família.

       

      APEFA

      Associação dos Professores, Funcionários e Colaboradores da EFA. Segmento responsável por fortalecer e enriquecer a convivência no ambiente escolar. Composto por representatividade eleita para gestão anual.

       

      Estrutura

       

      A EFA conta como uma estrutura de Universidade. Os ambientes qualificados e diversos promovem aos estudantes e professores o acesso a laboratórios equipados e modernos, a um acervo rico de material bibliográfico distribuído em três grandes Bibliotecas, acesso a Ginásio Multifuncional e a Ginásio Desportivo, salas equipadas para aulas de dança, ginástica e lutas, pátio rico em equipamentos e espaço adequado a diferentes faixas etárias, acesso permanente ao Museu Antropológico Diretor Pestana, auditórios equipados para palestras e eventos.

      E mais...
      Possui ônibus próprio, vigilância permanente, corpo docente qualificado e com experiência de longa data na Escola, auxiliares pedagógicas para acompanhar crianças da Educação Infantil e Anos Iniciais, assessoria pedagógica específica para a Educação Especial.


      {gallery}/images/stories/julho-2017/galeria71499086853/{/gallery}

    • EFAmília
    • Educação Básica
      Educação Infantil Ensino Fundamental Ensino Médio Projetos Especiais

      LISTA DE MATERIAIS 2019: Lista de Materiais Educação Infantil 2019 .pdf


      Vem ser EFA.

      • Idade mínima: 1 ano e 8 meses até 5 anos.
      • Turno: Tarde
      • Horário: 13h30 às 17h40
      • Turma acompanhada por: Professora + Auxiliar
      • Complementos: Inglês, Educação Física e Música.

      • Trabalho Pedagógico evidenciando o mundo da pesquisa, investigação e reflexão.
      • Acontecem muitas saídas a campo, e pequenas viagens de estudo.
      • Salas especiais: ginástica, dança auditório, informática, multimeios.
      • Princípios da ludicidade, interatividade, socialização e cuidado.
      • Construção de valores, com ênfase nos vínculos de família, dos laços da solidariedade humana e respeito às diferenças.
      • Desfruta-se da infraestrutura da Universidade: laboratórios, bibliotecas, salas especiais, auditórios, salão de atos, ginásio poliesportivo.
      • Vigilância permanente e monitoramento por Câmeras.

      {gallery}/images/stories/outubro-2017/galeria101509449502/{/gallery}

      ANOS INICIAIS

      LISTA DE MATERIAIS 2019: Lista de Materiais ANOS INICIAIS 2019.pdf


      • Turmas de 1º, 2º, 3º, 4º e 5º ano.
      • Turno: Tarde.
      • Horário: 13h30 às 17h40.
      • Turma acompanhada por: Professora e Auxiliar Pedagógica.
      • Complementos: Inglês, Educação Física e artes.
      • Marcam-se pela ampliação das descobertas do mundo, pela construção de conhecimentos nas diferentes áreas.
      • Trabalho conciliando a alfabetização com o letramento e assegurando às crianças a apropriação plena do uso da língua nas práticas sociais de leitura e escrita.
      • Trabalho Pedagógico evidenciando o mundo da pesquisa, investigação e reflexão.
      • Interação com Museu e a Rádio UNIJUÍ.
      • Viagens de estudo em todas as turmas.
      • Salas especiais: ginástica, dança auditório, informática, multimeios.
      • Desfruta-se da infraestrutura da Universidade: laboratórios, bibliotecas, salas especiais, auditórios, salão de atos, ginásio poliesportivo.
      • Projeto Bilíngue: qual é o seu idioma? Ênfase no Inglês e Espanhol.
      • Vigilância permanente e monitoramento por Câmeras.

      {gallery}/images/stories/outubro-2017/galeria101509450378/{/gallery}

       

      ANOS FINAIS

      LISTA DE MATERIAIS: Lista de materiais ANOS FINAIS 2019.pdf

      • Turmas de 6º, 7º, 8º e 9º ano.
      • Turno: Manhã
      • Horário: 7h30 às 12h
      • Viagens de estudos em todos os anos.
      • Currículo inovador com acréscimo das disciplinas de Literatura, Filosofia e Pesquisa.
      • Estudos interdisciplinares reforçando se a aprendizagem de conceitos comuns.
      • Jornadas de Pesquisa, momento que ocorre a socialização de Pesquisas.
      • Desfruta-se da infraestrutura da Universidade: laboratórios, bibliotecas, auditórios, salão de atos, ginásio poliesportivo.
      • Salas especiais: ginástica, dança auditório, informática, convivência, multimeios.
      • Interação com Museu e a Rádio UNIJUÍ.
      • Vigilância permanente e monitoramento por Câmeras.
      • Projeto Bilíngue: qual é o seu idioma? Ênfase no Inglês e Espanhol.
      • Projeto Mão na Massa, dispondo dos laboratórios de Física, Zoologia, Microscopia, Solos, Engenharias, Veterinária, Farmácia, Matemática e Química da UNIJUÍ.
      • Construção de valores, com ênfase nos vínculos de família, dos laços da solidariedade humana e respeito às diferenças.

      {gallery}/images/stories/outubro-2017/galeria101509450437/{/gallery}

      LISTA DE MATERIAIS: Lista de materiais Ensino Médio 2019.pdf

      Vem ser EFA

      • Turmas de 1º, 2º e 3º ano.
      • Turno: Manhãs e na segunda feira à tarde.
      • Horário: 7h30 às 12h e segunda feira 13h30 às 17h45.
      • Carga horária de 1200 horas.
      • Viagens de estudos em todos os anos.
      • Parceria EFA/UNIJUÍ, oportunizado ao estudante contato direto com a universidade: laboratórios, bibliotecas, salas especiais, auditórios, salão de atos, ginásio poliesportivo.
      • Pesquisa como proposta de desenvolver pensamento investigativo em todas as áreas do conhecimento.
      • Projeto Mão na Massa, dispondo dos laboratórios de Física, Zoologia, Microscopia, Solos, Engenharias, Veterinária, Farmácia, Matemática e Química da UNIJUÍ.
      • Aula no Câmpus: nos espaços institucionais da Universidade, Bibliotecas, Museu, Rádio, Laboratório de Fotografia, Fazenda Universitária, Hospital Veterinário.
      • Projeto Bilíngue: qual é o seu idioma? No Lelu -Laboratório de Línguas da Universidade.
      • Construção de valores, com ênfase nos vínculos de família, dos laços da solidariedade humana e respeito às diferenças.
      • Estudos de Aprofundamento, Seminários, Rosas de Conversa, Circuito das Profissões.
      • Orientação Educacional em parceria com curso de Psicologia da Unijuí.
      • Ótimos resultados obtidos nos vestibulares e ENEM comprovam a excelência do ensino médio da EFA.

      {gallery}/images/stories/outubro-2017/galeria101509450624/{/gallery}

      Dança Escolar

      Valoriza a dança como linguagem expressiva e comunicativa. Oportuniza vivências que destacam a dança enquanto sentimento, afeto e descoberta de si. Trabalhada no viés da improvisação, criação, construção de significados e repertórios.

      QUINTA-FEIRA: Educação Infantil - Profª Eduarda Burckardt - 17h45 às 18h45 - Sala dos Espelhos da EFA

      SEGUNDA-FEIRA: Anos Iniciais - Profª Silvana Marchioro - 17h45 às 18h45 - Sala dos Espelhos da EFA

      {gallery}/images/stories/outubro-2017/galeria101509451446/{/gallery}

       

      Judô

      Apresenta-se como uma modalidade que intensifica os estudos das lutas, destacando a autodisciplina e o auto controle, aprendizagem de nomenclaturas específicas, convivência grupal, proporcionando a participação em eventos competitivos e não competitivos.

      TERÇA-FEIRA: Anos Iniciais e Finais - Sansei Jean Veiga- 17h45 às 19h - Ginásio da EFA

      QUINTA-FEIRA: Iniciantes - Sansei Jean Veiga- 17h45 às 19h - Ginásio da EFA

      {gallery}/images/stories/outubro-2017/galeria101509451465/{/gallery}

       

      Pró-Volei

      Modalidade que destaca a aprendizagem do voleibol. Alunos da EFA fazem aulas, após inscrição e sem custos, junto com a comunidade da ala oeste do município de Ijuí. Promovido pela Prefeitura Municipal de Ijuí e UNIJUI

      {gallery}/images/stories/outubro-2017/galeria101509451499/{/gallery}

       

      Futsal

      Modalidade que destaca a aprendizagem do Futebol de Salão. O projeto visa a preparação do aluno para vivências através do esporte, seja em treinamentos como em disputas de campeonatos.

      SEXTA-FEIRA: Anos Iniciais - Profº Affonso Lang- 10h às 11h - Ginásio da EFA

      SEXTA-FEIRA: Anos Finais - Profº Affonso Lang- 15h30 às 17h - Ginásio da EFA

      {gallery}/images/stories/outubro-2017/galeria101509451517/{/gallery}

       

      Música

      Presente como componente curricular e também em turno inverso destaca a aprendizagem de instrumentais diversos, a criação de banda marcial e orquestra estudantil. (Violão, violino, guitarra, gaita de boca, cavaquinho, saxofone).

      - 2º ano do Ensino Fundamental ao Ensino Médio: Durante a semana em horários a combinar com o professor.

      Baú da Leitura

      Promove encontro semanal que destaca o jogo dramático, a entonação, a criação e recriação de textos que subsidiam temáticas a serem socializadas na EFA e fora dela.

      QUINTA-FEIRA: C61 a C81 - 15h30 às 16h30h - EFA/Biblioteca Mário Quintana

      {gallery}/images/stories/outubro-2017/galeria101509451596/{/gallery}

       

    • Educação Profissional
    • Galeria de Fotos EFA
    • Depoimentos EFA
    • Especial 50 Anos EFA
  • Museu
    • Sobre o Museu

      Visão e Missão Histórico Estrutura e Funcionamento Vídeo

      Visão e Missão

      Missão

      Oportunizar conhecimento e reflexão por meio da pesquisa, comunicação, difusão e preservação do acervo, contribuindo no processo educacional, identitário e cultural, visando o desenvolvimento do Noroeste do RS.

      Visão

      Ser referência museológica e arquivística para os museus no Estado do RS.



      Histórico

      O Museu Antropológico Diretor Pestana, mantido pela Fundação de Integração, Desenvolvimento e Educação do Noroeste do Estado – Fidene, foi criado em 25 de maio de 1961, junto ao Centro de Estudos e Pesquisas Sociais da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ijuí – FAFI com o objetivo de resgatar e preservar a memória regional, promover a cultura, a educação e o lazer.

      Constituir-se em “síntese da evolução da região pela mão do nosso homem...” era segundo seus fundadores, o objetivo a ser perseguido. Buscando concretizar este objetivo o Museu preserva tanto documentos textuais/bibliográficos e iconográficos como museais, permitindo assim, o resgate e preservação da memória de forma globalizada e a disponibilização do acervo aos pesquisadores.

      Instalado, inicialmente, em prédio alugado, possui hoje sede própria, com área de 1.618 m², climatizada, oferecendo as condições ideais para conservação do acervo constituído por mais de 29 mil peças museais. Este acervo é disponibilizado através das exposições permanente e temporárias e outras atividades educativo-culturais.

      O acervo documental é disponibilizado para pesquisa in loco.



      Estrutura e Funcionamento

      O Museu tem seu acervo constituído por documentos museais, textuais, bibliográficos e iconográficos ordenados nas Divisões de Museologia; Documentação e Imagem e Som.



      Vídeo

    • Visite

      Horários de atendimento:

      • Segunda-feira somente no turno da tarde: 13h30min às 17h.

      • Terça à quinta-feira, nos turnos manhã e tarde: das 8h às 11h30min e das 13h30min às 17h.

      • Sexta-feira somente no turno da manhã, das 8h às 11h30min.

      Horários diferenciados mediante agendamento.

      O custo da visita é de R$ 8,00 para comunidade em geral e R$ 4,00 para estudantes e clientes da CAIXA. Atendimento à grupos, com mais de 10 pessoas, mediante agendamento e com taxas diferenciadas:

      • De segunda à sexta-feira: R$ 3,00 por pessoa.

      • Sábado: R$ 5,00 por pessoa.

      • Domingo e feriado: R$ 10,00 por pessoa.

      Acima de 60 anos e Membros Contribuintes são isentos, nas visitas individuais. Para obter mais informações entre em contato com a secretaria do Museu.

      Exposição temporária Exposição de longa duração

      Exposição temporária

      O Museu disponibiliza aos seus visitantes uma área com 135 m² para exposições de curta duração, a fim de possibilitar a apresentação de outras manifestações culturais e, ao mesmo tempo, atrair públicos com interesses diferenciados. Contíguo a esse espaço, há ainda um auditório para 60 pessoas todo equipado.




      Exposição de longa duração

      A exposição permanente do Museu Antropológico Diretor Pestana ocupa uma área de 500m2.

      O objetivo da mesma é retratar aspectos da caminhada do homem que viveu e vive nesta região do Estado, sobretudo, no município de Ijuí. A exposição permanente inicia com o índio pré-missioneiro, primeiro habitante desta região, com seus instrumentos em pedra e cerâmica, seguida do índio missioneiro, principalmente através de sua arte e dos bens culturais produzidos por seus descendentes, hoje, no Rio Grande do Sul.

      O negro e o caboclo que aqui habitaram antes da chegada dos imigrantes são retratados a seguir. A exposição destaca, ainda, aspectos da fundação e colonização do município, a imigração, facetas da agricultura e trabalho rural, os processos produtivos artesanais, comunicação e transporte, indústria e comércio, energia, serviços, esporte e lazer, ensino, religião, usos e costumes e a moradia.

      O espaço final da exposição foi reservado às manifestações culturais de Ijuí hoje.























    • Contribua

      Veja nas abas abaixo as diversas formas com as quais você pode contribuir com o Museu. Para obter mais informações sobre como contribuir entre em contato com a equipe do museu.


      Amigos do Museu Doações de Acervos Mecenato Membros Contribuintes

      Amigos do Museu

      A Associação de Amigos do Museu Antropológico Diretor Pestana é uma instituição civil, de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de agosto de 1983. Constituída por pessoas e entidades que tenham interesse na preservação da memória regional, no desenvolvimento de ações de natureza cultural e educativas que permitam melhor conhecer e reconhecer o patrimônio histórico e cultural de Ijuí e região. Tem por objetivo principal apoiar a integração do Museu Antropológico ao processo de dinamização cultural de Ijuí e Região Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, através da participação ativa de pessoas, empresas e grupos interessados, conforme o artigo 1º do seu estatuto.

      O principal foco de sua atuação centra-se precisamente no apoio ao trabalho do Museu Antropológico Diretor Pestana que se constitui no maior e mais bem aparelhado repositório museológico e arquivístico da história do noroeste colonial.

      A Associação está aberta a todos. Os interessados são convidados a somarem-se aos nossos esforços. Você, leitor, também está convidado. Sua participação é muito importante. Solicite agora sua ficha de inscrição.


      Membros Contribuíntes

      O Museu busca diferentes formas de aprimorar e expandir suas atividades culturais e tornar-se independente economicamente dando sustentabilidade a sua manutenção. Dentre elas está a campanha de Membros Contribuintes que acontece desde 1990.

      Além de primar pela cultura, os membros contribuintes podem contribuir com idéias, sugestões e ações que venham dinamizar e garantir apoio às atividades de caráter científico e cultural do Museu. Para tornar-se Membro Contribuinte basta pegar sua ficha e fazer sua adesão junto ao Museu e terá os seguintes benefícios:

        • isenção das taxas de manutenção nas exposições;

       

        • acesso aos eventos promovidos pelo museu, sem nenhum ônus adicional;

       

        • desconto nos produtos da lojinha;



      As doações são efetuadas mensalmente com valores definidos pelo próprio contribuinte. Veja abaixo as formas de contribuir:

        • Débito em Conta Corrente: Os correntistas do Banco do Brasil ou do Banrisul poderão autorizar o pagamento de suas contribuições através de débito em conta corrente. Venha até o Museu e autorize o débito.

       

        • Pagamento direto no Museu: Você pode realizar o pagamento diretamente na Secretaria do Museu. Desconto na Folha de Pagamento: Para os funcionários da Fidene o desconto poderá ser efetuado na Folha de Pagamento mediante autorização na Secretaria do Museu.

      Mecenato

      Mecenato é um termo que indica o incentivo e patrocínio de artistas e literatos, e mais amplamente, de atividades artísticas e culturais.

      Como Contribuir: Você pode colaborar com os projetos culturais do Museu destinando uma parcela do seu Imposto de Renda para a Instituição.

      Pessoa Física: A Pessoa Física que optar pela declaração de renda, pelo formulário completo, pode contribuir com até 6% do imposto devido.

      Pessoa Jurídica: A Pessoa Jurídica que faz a declaração com base no lucro real, pode contribuir com até 4% do imposto devido.

      Tanto para Pessoa Física como para Pessoa Jurídica poderá deduzir de 100% do valor doado, uma vez que o projeto aprovado pelo Museu enquadra-se no Art. 18 da Lei de Incentivo que autoriza esta dedução.

      Doações de Acervos

      Desde sua fundação, em 1961, o MADP tem sua política de aquisição de acervo exclusivamente baseada na doação.

      O Museu está sempre de portas abertas para agregar novos apoiadores e receber doações que ajudem a qualificar ainda mais o seu acervo. Assim, estará sempre se renovando e procurando acompanhar a evolução tecnológica da humanidade. A cada dia estamos procurando aperfeiçoar nossa política de aquisição de acervos, adquirindo objetos e documentos dentro de programas de pesquisa, educação, preservação e valorização da herança local e regional.

      Recolher objetos e documentos é um incentivo para o MADP, uma vez que museus se fazem com estes acervos. Recolher significa não só fazer as peças entrarem nos museus, mas documentá-las adequadamente, mantê-las em segurança, e divulgar, tanto os documentos, quanto as informações levantadas.

      Vamos preservar o que é nosso, pois quem não tem memória, não tem passado. Venha, visite e traga sua memória para que ela continue viva no museu e possa ser continuada e valorizada para as futuras gerações.

    • Pesquise

      O Museu preserva e disponibiliza diferentes arquivos e coleções, incluindo-se a hemeroteca e a biblioteca especializada. Os documentos podem ser consultados no local, sem agendamento prévio ou por e-mail: madppesquisa@unijui.edu.br. Quanto ao acervo bibliográfico, algumas publicações são restritas apenas à consulta local, outras podem ser emprestadas mediante cadastro na Biblioteca Universitária Mario Osorio Marques da UNIJUÍ. Além do atendimento à pesquisa, O Museu oferece o serviço de reprodução digital de documentos com custos diferenciados (para ver a tabela de preços clique aqui). Os jornais Correio Serrano e Die Serra Post, que se encontram microfilmados e digitalizados, também possuem reprodução em meio digital. 

      De forma gradativa, a documentação histórica preservada é reproduzida e descrita, considerando-se os objetivos de reduzir o manuseio dos originais e estabelecer o acesso as suas informações para pesquisa. Adotou-se como aplicativo baseado na Web, o sistema informatizado de código aberto Access to Memory (AtoM), um banco de dados com a função de repositório de informações, que comporta instrumentos de pesquisa e exibição de documentos e reproduções, considerando-se padrões arquivísticos recomendados pelo International Council on Archives (ICA). Para acessar a página dos acervos disponíveis no AtoM MADP/FIDENE, clique em Acervo do Museu Antropológico Diretor Pestana/FIDENE.

      Acesse as instruções de como pesquisar no AtoM MADP/FIDENE

      Para obter mais informações sobre pesquisas entre em contato com a equipe do Museu.


      Genealogia Arquivo documental Imagem e som Museologia Taxas

      Genealogia

      Genealogia é o registro da história de nossos ancestrais sob forma de texto ou árvore genealógica da família, com nomes, datas e lugares por onde eles passaram para conhecimento de seus descendentes. Ao estruturar a árvore genealógica de sua família faça uma pesquisa nos documentos de identidade, certidões dos seus pais, tios, avós e bisavós para se descobrir os nomes dos antepassados, quando e onde nasceram, casaram e faleceram, e de onde vieram. A partir daí pode-se programar visitas a cartórios, cemitérios, paróquias e ao museu para levantamento de dados mais antigos.

      O Arquivo do Museu Antropológico Diretor Pestana foi constituído a partir de doações, neste sentido você também pode ajudar a complementar ou criar pastas dentro deste arquivo a partir da doação de acervo. Aqui no site do museu você tem acesso às “folhas de rosto”, ou seja, aos índices de cada pasta, podendo solicitar uma pesquisa mais detalhada ou uma imagem digital dos documentos neste link. Acesse a guia "taxas" para contato de solicitações e valores.


      Mais sobre genealogia

      A consciência de família e de tradição é a raiz da cidadania e da autoestima. O conhecimento da origem da família, sua ligação a uma tradição, a uma cultura, a uma religião é o campo da Genealogia. Esse conhecimento é parte fundamental da estrutura de identidade do Eu e requisito fundamental também para a autenticidade e maturidade da personalidade de cada um.

      A pesquisa genealógica é antes de tudo uma busca paciente de documentação. Um dos mais importantes documentos para a genealogia é o registro de casamento. Este registro foi responsabilidade exclusiva da Igreja, enquanto a religião foi oficial, do Estado. No Brasil, esta foi a situação até o século XIX. Após a proclamação da República (1889) passou a existir também o registro civil. Porém, mesmo o registro feito pela Igreja não é assim tão antigo, pois somente após a realização do Concílio Tridentino, que terminou por volta de 1563, os vigários ficaram obrigados a ter livros de registro em suas paróquias. Os arquivos da Igreja Católica, os mais ricos do Brasil, em geral estão nas Cúrias Diocesanas e Arquidiocesanas, ou nas próprias Ordens Religiosas.

      Em todas as repartições e cartórios existe a seção de Arquivo. No entanto, com o passar dos anos, os documentos são enviados, obedecidos alguns critérios, para os Arquivos Municipais e Estaduais e para o Arquivo Nacional. Existem também arquivos na Marinha, no Exército e em outras repartições que retêm por muito tempo os seus acervos, antes de encaminhá-los ao Arquivo Nacional. A leitura da documentação antiga é uma tarefa um tanto difícil para o iniciante, mas que vai, após algum esforço, tornando-se cada vez mais fácil. Existem umas poucas regras que facilitam muito a leitura dos documentos mais difíceis. É imprescindível também conhecer de antemão as formas de abreviatura comuns em cada época. Sofrem abreviatura não somente palavras comuns muito repetidas nos textos oficiais, como também os nomes mais comuns das pessoas. Existem livros inteiramente dedicados a este problema. Alguns nomes e sobrenomes passaram a existir a partir de abreviaturas como, por exemplo, "Roiz", abreviatura de Rodrigues; Brites, abreviatura de Beatriz; Alves, provável abreviatura de Alvarez, etc.


      Confira a lista completa

      Arquivo documental

      O Museu Antropológico Diretor Pestana tem seu objetivo centrado na preservação da história/memória do município de Ijuí. Para cumprir tal objetivo preserva tanto documentos museais como textuais, bibliográficos e iconográficos, os quais resgatam aspectos significativos da história do município.

      O acervo da Divisão de Documentação do Museu Antropológico Diretor Pestana vem sendo constituído ao longo das últimas quatro décadas e abriga documentação de natureza pública e privada relacionada ao município de Ijuí e subsidiariamente da região noroeste do Rio Grande do Sul. Em seu conjunto documental encontra-se registrada e preservada parcela significativa da memória regional, o que o torna referência para estudantes, pesquisadores e estudiosos da cultura e da história de Ijuí e região. Complementa esta documentação a hemeroteca, constituída por 40 títulos, relacionados à cidade de Ijuí, Estado do Rio Grande do Sul e Brasil, considerados de cunho histórico e de grande relevância para a história da cidade, em sua maior parte, proveniente de Ijuí e região.

      Esta documentação está classificada nos seguintes arquivos: Ijuí, Regional, Sindicalismo, Cooperativismo, Kaingang, Guarani e Xetá e FIDENE, totalizando 975,41 metros lineares de documentos. É organizada em arquivos e coleções de importância fundamental para a história ijuiense.

      Arquivo Ijuí

      Destina-se à guarda, registro e conservação da documentação referente às atividades dos diversos setores do município de Ijuí. Sua sistemática de organização tem por base a classificação da documentação por assunto e o arranjo da mesma pelo órgão responsável pela produção.

      Deste arquivo faz parte a documentação relativa à administração pública, com destaque ao município de Ijuí; documentação de 489 famílias; 107 casas comerciais e 79 indústrias; empresas ligadas à agropecuária; prestação de serviços; meios de comunicação e transporte; educação e cultura; organizações civis como: entidades benemerentes, classistas, culturais, esportivas, recreativas, estudantis, comunitárias; política e partidos políticos; religião e saúde.

      Destaques do Arquivo Ijuí

      Históricos familiares, árvores genealógicas, documentos como certidões de batismo, casamento, nascimento e óbito, passaportes e outros documentos de famílias ijuienses, desde que originais, podem ser doadas por qualquer cidadão para inclusão neste item. Organizado em pastas por sobrenome paterno. Fundo Documental Comissão de Terras e Colonização do Arquivo Ijuí – 378 documentos, datados de 1877 a 1912, anteriores à emancipação do município de Ijuí, documentos usados para pesquisas de cunho histórico e socioculturais da Colônia Ijuhy e fonte única de comprovação de registro de lotes urbanos e rurais. Microfilmados e digitalizados.

      Fundo Documental Cartório Eleitoral de Ijuí – 26.780 processos eleitorais das décadas de 1950, 1960 e 1970, documentos usados para complementação de processos de aposentadoria de cidadãos ijuienses e pesquisas genealógicas. O Índice alfabético por sobrenome está disponível – datilografado - na Sala de Pesquisa. Fundo Documental Prefeitura Municipal de Ijuí – 96.626 documentos da Administração Pública Municipal custodiados pelo MADP, sendo 1.054 relatórios de atividades da Intendência Municipal e de Secretarias (de 1912 a 1981), 15.593 telegramas expedidos e recebidos (de 1912 a 1982) e 63.839 correspondências expedidas e recebidas (de 1911 a 1973). O índice dos documentos está disponível – datilografado - na Sala de Pesquisa.

      Arquivo Cooperativismo

      O Arquivo Cooperativismo é constituído de documentos sobre o movimento cooperativista e a coleta inicial de documentos foi iniciada em 1985. Estão preservados documentos de 82 cooperativas localizadas no Estado do Rio Grande do Sul. Veja o índice alfabético por cooperativa.


      Arquivo Regional

      O Arquivo Regional foi iniciado na década de 80. Estão preservados documentos de 280 municípios gaúchos. A classificação dos documentos e fotografias é de acordo com o código numérico estipulado pelo IBGE para cada município na data de sua emancipação. Veja o índice alfabético por município.


      Arquivo Kaingang/Guarani e Xetá

      A documentação desse arquivo relaciona-se aos três grupos indígenas mencionados no título, com destaque para o Guarani e o Kaingang. A proposição de organização do arquivo é da antropóloga Ligia Teresinha Lopes Simonian, quando professora da instituição e desenvolvendo o projeto “Índios e Brancos no Rio Grande do Sul”. O núcleo inicial da documentação se constituiu com o material existente no Museu, acrescido de publicações e documentos advindos de diferentes instituições do país, em sua grande maioria, constituídas por fotocópias. A classificação é por grupo étnico e tipo de documento.

      Arquivo Sindicalismo

      O Arquivo Sindicalismo tem por objetivo preservar a documentação referente a Entidades Sindicais, definidas segundo a Comissão Nacional de Classificação (CONCLA) em função da natureza jurídica como sindicatos, federações, confederações e centrais sindicais, de trabalhadores ou patronais. Sua organização foi iniciada no ano de 1985, devido à Exposição Comemorativa aos 50 Anos do Sindicalismo em Ijuí. Neste mesmo ano o professor do Departamento de Ciências Sociais, Hilário Barbian, proferiu palestras sobre A História do Sindicalismo Operário Brasileiro e Ijuiense a um público de 567 pessoas, entre os quais professores, estudantes e operários.

      A documentação referente às entidades de fiscalização do exercício profissional e às associações profissionais ou de classe estão arquivadas no Arquivo de Ijuí, na classe Organizações Civis.

      Veja o índice alfabético por sindicato/entidades sindicais.

      Arquivo Fidene

      Preserva a documentação da Fundação de Integração, Desenvolvimento e Educação do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – FIDENE, desde a instalação da FAFI, em 1957, a constituição da FIDENE em 1969, o reconhecimento da UNIJUI em 1985, a regionalização desta, em 1993. A partir de 1994, com a implantação do Projeto Sistema de Arquivos da Fidene foi adotada a classificação funcional em todos os arquivos correntes (em cada órgão/setor da instituição).





      Hemeroteca

      O objetivo da Hemeroteca do MADP é preservar dos jornais produzidos no município de Ijuí, os de cunho histórico e político, que apresentem temáticas relacionadas a índios e patrimônio histórico-cultural.

      A política de guarda de jornais foi redefinida no ano de 2003 pelo Conselho de Direção do Museu e aprovada pelo Conselho Diretor da Mantenedora - foram doados aos respectivos municípios produtores dos mesmos, 1530 volumes referentes a 68 títulos de jornais. Até esta data eram arquivados 92 títulos de jornais.

      O Projeto Preservação da Memória Jornalística de Ijuí, patrocinado pelo Departamento Municipal de Energia Elétrica de Ijuí (DEMEI) por meio da Lei de Incentivo à Cultura do RS (LIC) no ano de 2004, proporcionou que os dois jornais (Correio Serrano e o Die Serra Post), mais importantes e de maior volume documental da hemeroteca, fossem novamente disponibilizados à pesquisa, pois seu estado de conservação estava extremamente deteriorado.

      Foram microfilmadas e digitalizadas as coleções dos jornais Correio Serrano, de 1917 a 1988 e Die Serra Post, de 1919 a 1984, totalizando 102 mil páginas, as quais estão disponíveis para acesso em banco de dados local (LINK PARA TAXAS) – digitalizadas e por meio de leitura em microfilmes.

      Confira neste link os 40 títulos disponíveis a pesquisa.



      Pesquisa no arquivo fotográfico

      Abaixo, os índices temáticos e de sobrenome do acervo estão disponíveis para consulta. A pesquisa também pode ser feita através da ferramenta de busca. Orientação de uso dos índices: ao localizar as informações desejadas na tabela, anote o código relativo ao (s) documento (s) para uso no atendimento à solicitação de pesquisa por e-mail (Exemplo: Cascata das Andorinhas, Rio Potiribu AI 0.1 FO 0001-2; 35).


      Acessar Índices Temáticos


      A seguir, os acervos em destaque:


      Arquivo FIDENE

      O Arquivo Fidene, de responsabilidade da DIS reúne suportes dos gêneros audiovisuais, iconográficos e sonoros, que representam a história institucional desde 1957, principalmente através dos materiais fotográficos e entrevistas. Os instrumentos de pesquisa ainda não estão disponíveis na internet, porém o atendimento à pesquisa desse acervo pode ser feito no local (sala de pesquisa no MADP) ou por e-mail. O arquivo fotográfico possui mais de 41.000 documentos organizados e descritos, incluindo fotografias de processo analógico e digital, tanto coloridas como monocromáticas (preto e branco), sendo a maioria das imagens digitais registradas em catálogo eletrônico desde 2009, não disponíveis na internet. As fotografias descritas anteriormente estão registradas em fichas manuais, incluindo índices de sobrenome e temático. O acervo possui arranjo temático desde 1982, estabelecido na execução do projeto “Estudo da Formação Fotográfica de Ijuí”, em conjunto com a FUNARTE. Os documentos audiovisuais e sonoros estão parcialmente organizados e sua grande maioria está apenas ordenada cronologicamente, com índices para pesquisa. A gestão arquivística, que visa a classificação na origem de produção institucional, ainda está em elaboração.





      Arquivo Ijuí

      Conjunto formado por diferentes proveniências da comunidade ijuiense, que como o Arquivo FIDENE, também reúne diferentes gêneros documentais dotados de imagem e ou som, incluindo o musical. Dentre os materiais em destaque estão as fotografias, com mais de 5.000 documentos iconográficos em cores e monocromáticos (preto e branco) desde o início do século XX, rolos de filmes e fitas magnéticas com entrevistas, a discoteca, constituída por quase 3.000 discos de vinil e um pequeno acervo de notação musical, principalmente partituras. Os índices temáticos e de sobrenome das fotografias estão disponíveis nessa página e o atendimento à pesquisa dos demais acervos pode ser feita no local (sala de pesquisa no MADP) ou por e-mail. O arquivo fotográfico possui arranjo temático desde 1982, estabelecido na execução do projeto “Estudo da Formação Fotográfica de Ijuí”, em conjunto com a FUNARTE. Os documentos audiovisuais e sonoros estão parcialmente organizados e sua grande maioria está apenas ordenada cronologicamente, com índices para pesquisa. Também veja aqui o índice.


      Coleção Família Beck

      Acervo fotográfico proveniente da família Beck, cujas atividades foram iniciadas por Carlos Germano Beck, imigrante alemão estabelecido em Cruz Alta e posteriormente em Ijuí, instalando seu primeiro estúdio em 1908. Carlos, que ensinou o ofício à família, também contou com auxílio dos seus seis filhos homens, que se tornaram fotógrafos. O conjunto preservado no MADP possui mais de 7.500 imagens, cuja aquisição inicial ocorreu em 1982, com a compra de uma parte do conjunto de negativos de vidro. Mais tarde o fotógrafo Alfredo Beck (1912-2003), um dos filhos, consciente da importância de preservar seu trabalho, também doou parte dos seus originais. Os índices temáticos das fotografias estão disponíveis nessa página e o atendimento à pesquisa pode ser feito no local (sala de pesquisa no MADP) ou por e-mail. O arquivo fotográfico possui arranjo temático desde 1982, estabelecido na execução do projeto “Estudo da Formação Fotográfica de Ijuí”, em conjunto com a FUNARTE. Também veja aqui o índice.





      Coleção Eduardo Jaunsem

      Acervo fotográfico produzido por Eduardo Jaunsem (1896-1997), nascido na Letônia, fotógrafo e agricultor que imigrou ao Brasil, estabelecendo-se na Linha 11 Leste em 1914, região próxima a Ijuí. Sua obra enriquece a história regional, por seu olhar artístico e pelo registro de paisagens do cotidiano rural, onde viveu. Os documentos chegam a 5.500 imagens, conjunto custodiado pelo MADP desde 1978, inicialmente com a doação de 2.636 negativos de vidro. Os índices temáticos das fotografias estão disponíveis nessa página e o atendimento à pesquisa pode ser feito no local (sala de pesquisa no MADP) ou por e-mail. O arquivo fotográfico possui arranjo temático desde 1982, estabelecido na execução do projeto “Estudo da Formação Fotográfica de Ijuí”, em conjunto com a FUNARTE. Também veja aqui o índice.





      Coleção Jornal da Manhã

      Acervo fotográfico com mais de 100.000 imagens, tanto coloridas como monocromáticas (preto e branco), em negativos flexíveis e positivos em papel. Os documentos foram adquiridos em 25 de abril de 2000, representando a memória fotojornalística de Ijuí entre 1980 e 2000. Os autores são os fotógrafos Eurides Martins (Pancho), com imagens até 1990 e posteriormente, de Elimar Martins (Panchinho). Do total, cerca de 4.000 fotografias foram descritas para pesquisa, mas um grande volume do acervo ainda se encontra em tratamento, a ser higienizado, acondicionado e descrito. Os índices temáticos das fotografias organizadas estão disponíveis nessa página e o atendimento à pesquisa pode ser feito no local (sala de pesquisa no MADP) ou por e-mail. O arquivo fotográfico possui arranjo temático desde 1982, estabelecido na execução do projeto “Estudo da Formação Fotográfica de Ijuí”, em conjunto com a FUNARTE. Também veja aqui o índice.





      Coleção Ildo Weich

      Acervo fotográfico composto por positivos em papel e negativos flexíveis, ainda em processo de tratamento. Natural de Palmeiras das Missões (RS), Ildo Weich começou a fotografar com 15 anos, sendo autor da bela fotografia da neve de 1965, registrada na Estação Ferroviária de Ijuí. Seu primeiro estúdio ficava no Cine América, que foi destruído por um raio, fato que o fez instalar outro, próximo à escola Ruizinho, o “Foto Cisne”. Weich também foi reconhecido por seu pioneirismo no processo fotográfico em cores. O acervo não possui instrumentos de pesquisa.





      Arquivo Cooperativismo

      Acervo fotográfico formado por documentos de diferentes proveniências sobre as cooperativas da região Noroeste do Estado, do período entre 1950 e meados de 1970. O acervo possui 40 fotografias referentes à Cooperativa Agropecuária & Industrial (COTRIJUÍ), inicialmente Cooperativa Regional Tritícola Serrana Ltda, digitalizadas para acesso e descritas em catálogo eletrônico, sem arranjo, apenas ordenadas por sequência de registro (número tombo).


      Arquivo Sindicalismo

      Acervo fotográfico de diferentes proveniências que representem as entidades sindicais, por sua natureza jurídica, conforme a Comissão Nacional de Classificação – CONLCA: sindicatos, federações, confederações e centrais sindicais, de trabalhadores ou patronais. O acervo contém 207 fotografias em papel, que abrangem o período entre décadas de 1920 e 1980, a maioria de 1970 e 1980. Os documentos estão descritos em fichas catalográficas manuais, sem arranjo estabelecido, apenas ordenados por sequência de registro (número tombo) e por enquanto, não possui índices de busca.





      Arquivo Regional

      Acervo fotográfico que representa a memória dos municípios ou cidades da região noroeste do Rio Grande Sul, exceto Ijuí. O acervo contém 1570 fotografias. Os documentos estão descritos em fichas catalográficas manuais, sem índices para busca. O arranjo para organização foi estabelecido conforme o código de classificação dos municípios, de uso do IBGE, cuja tabela de classificação por áreas territoriais é elaborada pela Comissão Nacional de Classificação – CONLCA (que monitora, define normas de utilização e padronização das classificações estatísticas nacionais).





      Arquivo Indígena

      Acervo fotográfico constituído com o objetivo de retratar o cotidiano de diversas tribos indígenas da região e do Brasil. O acervo contém aproximadamente 200 fotografias, que estão descritas em fichas manuais e uma pequena parcela em catálogo eletrônico, sem arranjo estabelecido, apenas ordenados por sequência de registro (número tombo) e por enquanto, não possui índices de busca.







      Divisão de Museologia

      A divisão de museologia tem o objetivo de acondicionar, conservar, documentar e expor os objetos doados ao MADP. Além de tais competências, possui o compromisso de preservar a memória dos acervos museológicos e o dever de ressignifica – los, para que assumam sua função museal.

      Tal divisão é responsável pela manutenção da exposição de longa duração assim como, em conjunto com a equipe do Museu, os Departamentos da UNIJUI e os curadores, a incumbência de realizar a pesquisa, elaboração e montagem das exposições temporárias. Exposições estas que contam com atividades complementares de cunho educativo.
      Atualmente possui cerca de 30.000 acervos, divididos em quatro seções: Antropologia, Arqueologia, Numismática e Filatelia e Artes Visuais.

      Seção Arqueologia

      Composta por material referente ao índio Pré-Missioneiro proveniente de pesquisas arqueológicas realizadas, na Região, principalmente, no período de 1967 a 1973 e acrescida pela coleta avulsa. Tais pesquisas localizaram cerca de 134 sítios arqueológicos, cujos estudos contribuíram para a seriação e datação da cerâmica no Rio Grande do Sul, pelo Instituto Anchietano de Pesquisas da UNISINOS.

      No ano de 2000, em convênio com a Fundação de Apoio à Tecnologia e Ciência, FATEC, de Santa Maria, foi realizado um inventário da Coleção Arqueológica do MADP a fim de determinar o número de peças e assim cumprir determinação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN. Através de tal inventário, reconheceu-se que o Museu dispõe de cerca de 24.217 (vinte e quatro mil, duzentas e dezessete) peças arqueológicas. O acervo arqueológico encontra-se hoje, em sua maioria, armazenado em Reserva Técnica, distanciados dos objetos que compõem as demais seções e acondicionado em caixas devidamente identificadas. É válido citar que algumas peças, atualmente, compõem a exposição de longa duração, e que os acervos desta seção são instrumentos em pedra, cerâmica e osso.

      Seção Antropologia

      Tal seção tem como objetivo pesquisar e salvaguardar o acervo que se refere ao cidadão de Ijui e Região.

      Este acervo esta subdividido em três grupos: Índio, Missões e Povoamento, de acordo com a primeira utilização do objeto, e comporta material referente aos Índios desde o período missioneiro até os dias atuais, à colonização, imigração, grupos étnicos, história, religião e cultura regional.

      O acervo antropológico é o maior contribuinte da exposição de longa duração do MADP, no entanto esta em sua maioria acondicionado em Reserva Técnica de acordo com suas tipologias de uso e seção de tombamento.
      Atualmente o acervo antropológico esta em processo de levantamento de informações e conferência de documentação museológica, assim como higienização, digitalização e re-acondicionamento.



























      Seção Artes Visuais

      Esta seção tem o objetivo de reconhecer, registrar, pesquisar e apresentar a comunidade de Ijui e Região os documentos e objetos produzidos com fins estéticos e artísticos, assim como os artefatos que demonstram a criatividade e que integram as artes gráficas e plásticas.
      A coleção é composta por telas, quadros, pequenas instalações, esculturas e demais representações materiais. Esta acondicionada em Reserva Técnica e passará, assim como a Seção Antropologia, por um novo levantamento.

      Seção Numismática e Filatelia

      Composta por moedas, cédulas, medalhas e selos cunhados no Brasil ou proveniente de outros países. Tal seção passará por um processo de documentação e identificação das peças, e por este motivo não esta aberta à pesquisa.

    • Outras Informações do Museu
    • Exposições Temporárias Museu
    • Destaques Museu
    • Galeria de Fotos Museu
    • Agenda Cultural
    • Informativos Kema

      KEMA, da língua Kaingang, quer dizer "experimentando". O Informativo do MADP, concebido em maio de 2008, objetiva divulgar as atividades desenvolvidas pelo Museu Antropológico de Ijuí, Rio Grande do Sul.

      Segue abaixo a lista dos informativos Kema, para receber os informativos do museu no seu no seu e-mail cadastre-se neste link.

    • Cinema no museu
    • Projetos
  • Futuro Aluno
  • Sinergia
  • Comunic@
  • Galerias de Imagens
  • Graduação
  • Transporte e Hotelaria

    Com o intuito de viabilizarmos a sua permanência na Instituição, arrolamos abaixo informações acerca de transporte universitário, pensões, imobiliárias, hotéis e restaurantes existentes em cada Campi que compõem a instituição.

    Vale destacar, que estes dados são meramente informativos. Se desejar mais informações, deverá contatar diretamente com a empresa fornecedora do serviço.

  • Egresso Unijuí

    Estivemos com você durante um período importante da sua vida. A caminhada durante a sua formação profissional é o marco para o início de uma carreira de sucesso. Participar deste momento nos enche de orgulho e satisfação! Por isso, queremos continuar ao seu lado, oferecendo o suporte necessário para as suas conquistas.

    Para reforçar ainda mais este relacionamento a Universidade criou o Programa Egresso UNIJUÍ. Neste sentido, convidamos você a efetivar o seu cadastro.

    Este cadastro irá oportunizar o acesso a benefícios institucionais que estão sendo formulados especialmente para você! Além disso, você estará conectado a tudo que acontece na Universidade, e receberá dicas importantes sobre o universo profissional, vagas de emprego, entre outros, e terá acesso a Biblioteca Universitária Mario Osorio Marques, que dispõe do maior acervo bibliográfico da região.

    Seja bem-vindo ao programa Egressos Unijuí. Mais do que os anos de convivência, você é parte importante da nossa história!

  • Relações Internacionais

    A Unijuí incentiva ações para fortalecer o relacionamento com outras instituições de ensino, possibilitando ao aluno desenvolvimento científico e troca de conhecimento através da mobilidade acadêmica. Ela acontece por meio de parcerias com instituições internacionais de todo o mundo. Entre em contato e saiba mais sobre as possibilidades de intercâmbio.



    Programa de Doutorado Sanduíche no Exterior

  • Blog Tá Ligado
  • Mestrado e Doutorado
  • ESGN

    A ESGN / UNIJUÍ – Escola Superior de Gestão e Negócios promove excelência em desenvolvimento corporativo e formação de líderes empreendedores para perfis de referência no mercado. Oferta cursos de Especialização, MBAs, Aperfeiçoamento e Qualificação Profissional com conteúdos desenvolvidos pela Unijuí ou por demanda do cliente.

    A ESGN oferece estrutura para educação corporativa desenvolvida sob medida, formulação de programas de trainees e intercâmbios internacionais, tudo isso concentrado em uma unidade de negócio com a credibilidade da marca Unijuí.

  • Roupas Institucionais - Produtos
  • Biblioteca
  • Associação IPD
  • Aprimora
  • Olimpiada Empreendedora
  • Escola Superior de Saúde
  • Salão do Conhecimento
  • Site - English