Memória de Ijuí e do noroeste do estado do Rio Grande do Sul

Exposições Temporárias Museu

MADP realiza Exposição de Artistas Plásticos

Exposição “Artista Local – Preocupação com o Patrimônio”
 


 

O Museu Antropológico Diretor Pestana, realiza a Exposição “Artista Local – Preocupação com o Patrimônio”. A exposição é composta por quadros, de técnicas variadas, confeccionadas por artistas plásticos locais.

Dando continuidade ao projeto “Artistas Locais”, este processo expositivo é o terceiro executado este ano no espaço “Ijuí Hoje”, mantendo a temática artística e expondo o acervo do MADP. Para este evento foram selecionadas obras de artistas preocupados com a questão do patrimônio arquitetônico de Ijuí em risco de desaparecer.

Estão expostas obras de Marli Schmitt, Ienete Seidler, Regina Gomes, Manfredo Spitzer e Luisa Marchner.

A exposição poderá ser visitada até o dia 29 de fevereiro de 2016, no Espaço Ijuí Hoje, na Sala de Exposição de Longa Duração do MADP. 

 

Sobre a exposição:

A exposição, composta por quadros pintados por diversos artistas, é uma releitura de um evento que surgiu com a preocupação da comunidade com o desaparecimento de diversas edificações consideradas patrimônio histórico e arquitetônico de Ijuí. Um grupo de cidadãos decidiu registrar prédios e construções, através de intervenção em artes plásticas, antes que mais edificações desaparecessem. Logo, um grupo formado por Marli Schmitt, Ienete Seidler, Regina Gomes, Manfredo Spitzer e Nerêo Ceratti, com a colaboração do arquiteto José Carlos Schirmer passaram em 1992, dedicaram-se a pintar prédios antigos, baseando-se em fotografias existentes no arquivo do Museu Antropológico Diretor Pestana.

Em outubro de 1992 foi realizada uma exposição no Parque Assis Brasil, por ocasião da ExpoIjuí – FENADI, que contou também com a presença de Inge Jost Mafra.

Foram escolhidos 16 quadros que retratam prédios considerados de grande importância patrimonial e vetores de reflexão de identidade, com técnicas variadas (desde óleo sobre tela até grafite) neles expressado o cuidado e zelo pelo bem patrimonial imóvel. Os autores são: Marli Schmitt, Ienete Seidler, Regina Gomes, Manfredo Spitzer e Luisa Marschner.

   

Horário para visitação: 8h às 11h30min / 13h30min às 17h.

Horários diferenciados mediante agendamento prévio.

Telefone: (55) 3332-0257 / E-mail: madp@unijui.edu.br


MADP realiza nova Exposição: O Regionalismo de João Simões Lopes Neto - Causos, Contos e Lendas"

 

Causos, Contos e Lendas no MADP
 
 

O Museu Antropológico Diretor Pestana, juntamente com a EFA, CRE, SMED, SINPRO-Noroeste e o PIBID, promovem a Exposição “O Regionalismo de João Simões Lopes Neto – Causos, Contos e Lendas”.

A exposição celebra um dos ícones mais distintos da identidade sul-rio-grandense na literatura e poderá ser visitada no período de 11 de agosto a 02 de outubro de 2015, na Sala de Exposições Temporárias do Museu.

João Simões Lopes Neto, pelotense de nascimento e gaúcho pleno por paixão, expresso também no seu pseudônimo “João do Sul”, escreveu e registrou a alma do cidadão “comum” de sua época, exemplificado na figura de Blau Nunes. Retratou no livro “Contos Gauchescos” que as propriedades não possuíam fronteiras claras e patrões e peões conviviam no labor do campo. O misticismo de “Lendas do Sul” em que a metafísica da Salamanca do Jarau e a crueldade que é conhecida amplamente na lenda do Negrinho do Pastoreio. Diverte muito com as histórias engraçadas e fantásticas reunidas em livro do “Casos do Romualdo”.

Quem vier até o Museu, vai poder conferir de perto as principais obras do renomado escritor, ambientação das principais obras ilustradas pelo acervo do MADP e DCVida/UNIJUÍ, retratando passagens clássicas das principais obras de Simões.

É uma boa oportunidade para todas as idades de conhecer um pouco mais sobre João Simões, sua obra e contribuição no imaginário cultural gaúcho.

No período da Exposição, haverá contação de Lendas (na quarta-feira durante todo o dia e na quinta-feira).

Horário para visitação: 8h às 11h30min / 13h30min às 17h.

Horários diferenciados mediante agendamento prévio.

Telefone: (55) 3332-0257 / E-mail: madp@unijui.edu.br

 


Exposição Interativa no Museu

Exposição Física para Todos
 
 

O Museu Antropológico Diretor Pestana, juntamente com o Grupo de Física do Departamento de Ciências Exatas e Engenharias da UNIJUÍ, promovem a exposição “Física para Todos”.

 ‘Física para Todos’ é um museu interativo de física. Consiste de experimentos intrigantes e desafiadores capazes de despertar a curiosidade e o gosto pela ciência. É um espaço de cultura e lazer para todas as idades.

A Exposição poderá ser visitada no período de 24 de maio a 19 de junho de 2015, na Sala de Exposições Temporárias do Museu.

São objetivos da Exposição:

- Proporcionar para comunidade em geral a oportunidade de vivenciar as belezas dos fenômenos físicos através da observação e execução de experimentos;

- Construir uma imagem mais atrativa da física e da ciência;

- Aproximar universidade e escolas para promoção da relação pesquisa/ensino/extensão.

Experimentos:

- Cadeira giratória: como faz a bailarina, para girar rápido ou devagar?

- Duplo cone: afinal, sobe ou desce?

- Anel saltador: um motor muito estranho, não gira... Salta.

- Anel Saltador duplo: um anel que salta ora para um lado, ora para outro.  

- Chispa trepadeira: uma faísca que se forma, sobe e desaparece.

- Bobina de Tesla: descargas elétricas em alta frequência e alta tensão.

- Experimento de Foucault: como explicar uma queda tão lenta?

- Caixa antigravidade: um cubo flutuando no ar?

- Looping: o segredo do motociclista no globo da morte.

- Espelho côncavo e convexo: o gordo e o magro.

- Sustentação de objetos com jatos de ar: Objetos pairando no ar.

- Gerador manual: Conversão de energia mecânica em elétrica.

- Abajur de plasma: descargas elétricas coloridas.

- Princípio da pilha: você gerando energia?

- Porquinho mágico: você consegue tocar no porquinho?

- Outros...

Documentários que serão exibidos no decorrer da exposição:

Ensino Fundamental

- De onde vem a eletricidade?

- Como se forma o arco íris?

- Raios e trovões.

- Dia e a noite.

Ensino Médio

- Introdução a Astronomia.

- Teoria do Big Bang.

- Estrelas

- Sol

- Planeta Terra

Exposição permanente ao longo da semana, nos turnos da manhã e tarde. Também nas noites de quinta-feira.

Agendamento das escolas/grupos:

Telefone: (55) 3332-0257

E-mail: madp@unijui.edu.br

Mais Informações:

www.fisicaparatodos.com.br

www.facebook.com/fisicaparatodosunijui

 (55) 3332-0257

 

 

 


“KAMÉ E KAIRÚ – TRAÇADO DA IDENTIDADE KAINGANG”

ÍNDIOS 2015
 


 

 

No mês em que se comemora o dia do Índio, o Museu Antropológico Diretor Pestana realiza a exposição “KAMÉ E KAIRÚ – TRAÇADO DA IDENTIDADE KAINGANG”.

Atualmente o povo Kaingang, é um dos três povos indígenas mais numerosos que habita o Rio Grande do Sul e mesmo assim ainda existe muito preconceito.

A exposição é composta por uma mostra fotográfica que aborda o Povo Kaingang na contemporaneidade: sua mitologia, história, cultura material, problemas socioeconômicos e processos identitários.

São objetivos da exposição:

-Discutir a situação do Povo Kaingang no RS, sua trajetória histórica, cultural e problemas da atualidade.

-Reconhecer o Brasil como um país pluriétnico e pluricultural e, consequentemente, a diversidade étnica como parte da identidade coletiva e individual.

-Discutir o índio dentro do contexto da sociedade brasileira, sem, contudo, deixar de reconhecer e valorizar a identidade étnica específica de cada uma das sociedades indígenas.

-Identificar a presença indígena na formação socioespacial cultural urbana da região noroeste do RS.

-Reconhecer os costumes de itinerância do Povo Kaingang e a necessidade dos mesmos buscarem condições de sustentabilidade fora dos territórios de ocupação permanente (reservas indígenas).

As fotografias que compõem a mostra fotográfica foram produzidas pela produtora Soma, durante as filmagens do documentário Kamé e Kairu – Traçado da Identidade Kaingang, no ano de 2014.

A exposição poderá ser visitada até o dia 15 de maio de 2015, na Sala de Exposições Temporárias do MADP.

Durante a exposição será realizada exibição de vídeo, palestras e oficina de jogos.

Horário para visitação: 8h às 11h30min / 13h30min às 17h.

Horários diferenciados mediante agendamento prévio.

Telefone: (55) 3332-0257 / E-mail: madp@unijui.edu.br


Exposição " A Mulher e o Câncer de Mama no Brasil"

A MULHER E O CÂNCER DE MAMA NO BRASIL
 
 

Exposição " A Mulher e o Câncer de Mama no Brasil"

Período: 09 a 27 de março de 2015

 Local: Sala de Exposições Temporárias

A Exposição tem por objetivos dar visibilidade à presença das mulheres na história local; abordar aspectos históricos, médicos e culturais das mamas, com foco especial no câncer e nas ações para o seu controle no Brasil; e proporcionar o contato com a Exposição, inicialmente virtual, “A Mulher e o Câncer de Mama no Brasil”, organizada pelo Inca, através da realização de uma exposição itinerante composta por banners.

O Museu atende de segunda à sexta-feira, das 8h às 11h30 e das 13h30 às 17h. Horários diferenciados mediante agendamento.

Contato: (55) 3332-0257 ou madp@unijui.edu.br

Promotores: Município de Ijuí – Poder Executivo, Coordenadoria da Mulher de Ijuí, Fórum Permanente da Mulher de Ijuí e Museu Antropológico Diretor Pestana – Fidene/Unijuí.

Patrocínio: Gabinete da Primeira Dama de Ijuí, Emblema Comunicação Visual e Lions Clube Ijuí.


Exposição Temporária “Artista Local - Valdir Jagmin”

 
 
 

De 27 de janeiro a 04 de abril de 2015, no Espaço Ijuí Hoje do MADP, acontece a Exposição Temporária "Artista Local - Valdir Jagmin".

Valdir Jagmin nasceu em Ijuí, no ano de 1946. Filho de Antônio e Maria Antônia Jagmin. Ainda menino transferiu residência para Porto Alegre.

Na adolescência decidiu-se pela arte, estudando desenho e pintura. Em 1967, realiza a primeira exposição individual no Teatro São Pedro.

Em 1969 transfere-se para São Paulo e, ingressa na Associação Paulista de Belas Artes. Neste período vence o primeiro concurso artístico de sua carreira. Em 1971 atua como professor na Escola Nacional de Desenho onde permanece por quatro anos.

A partir de 1975 transfere residência para Brasília, onde conclui curso superior em Artes e conquista reconhecimento nacional.

No início da década de 80, conquista bolsa de estudos e muda-se para Paris onde aperfeiçoa sua arte e realiza várias exposições. Ao retornar passa a atuar como professor de Artes Plásticas, aposentando-se em 1998.

Como artista seu currículo é extenso e exibe provas de uma carreira excepcional incluindo prêmios, exposições individuais e coletivas buscando sempre novas possibilidades para a arte. Realizou inúmeras exposições e tem obras espalhadas por vários estados brasileiros e países como: África, México, França, Itália, Estados Unidos, Alemanha.

Em 1997 realiza um inventário de sua obra e carreira, optando pela guarda de sua história artística em sua terra natal. O Museu Antropológico Diretor Pestana foi escolhido para preservar as obras representativas das diversas fases de sua carreira.