Memória de Ijuí e do noroeste do estado do Rio Grande do Sul

Visite

Horários de atendimento:

  • Segunda-feira somente no turno da tarde: 13h30min às 17h.

  • Terça à quinta-feira, nos turnos manhã e tarde: das 8h às 11h30min e das 13h30min às 17h.

  • Sexta-feira somente no turno da manhã, das 8h às 11h30min.

Horários diferenciados mediante agendamento.

O custo da visita é de R$ 8,00 para comunidade em geral e R$ 4,00 para estudantes e clientes da CAIXA. Atendimento à grupos, com mais de 10 pessoas, mediante agendamento e com taxas diferenciadas:

  • De segunda à sexta-feira: R$ 3,00 por pessoa.

  • Sábado: R$ 5,00 por pessoa.

  • Domingo e feriado: R$ 10,00 por pessoa.

Acima de 60 anos e Membros Contribuintes são isentos, nas visitas individuais. Para obter mais informações entre em contato com a secretaria do Museu.

Exposição temporária Exposição de longa duração

Exposição temporária

O Museu disponibiliza aos seus visitantes uma área com 135 m² para exposições de curta duração, a fim de possibilitar a apresentação de outras manifestações culturais e, ao mesmo tempo, atrair públicos com interesses diferenciados. Contíguo a esse espaço, há ainda um auditório para 60 pessoas todo equipado.


Exposição Êxodos - Sebastião Salgado

A Exposição "Êxodos", poderá ser visitada no Espaço Ijuí Hoje do Museu até final de março de 2019.

Objetivos da Exposição:

- Destacar através das fotografias de Sebastião Salgado a história de pessoas que, pressionadas por circunstâncias políticas, sociais ou econômicas, deixaram para trás a sua terra natal.

- Refletir, através do olhar humanista de Sebastião Salgado, a situação de migrantes, refugiados ou exilados que tentam escapar da pobreza, da repressão ou da guerra.

Dentro dessa pequena mostra, a intenção foi selecionar alguns registros para referenciar a infância nas mais diferentes situações e culturas.

 




Exposição de longa duração

A exposição permanente do Museu Antropológico Diretor Pestana ocupa uma área de 500m2.

O objetivo da mesma é retratar aspectos da caminhada do homem que viveu e vive nesta região do Estado, sobretudo, no município de Ijuí. A exposição permanente inicia com o índio pré-missioneiro, primeiro habitante desta região, com seus instrumentos em pedra e cerâmica, seguida do índio missioneiro, principalmente através de sua arte e dos bens culturais produzidos por seus descendentes, hoje, no Rio Grande do Sul.

O negro e o caboclo que aqui habitaram antes da chegada dos imigrantes são retratados a seguir. A exposição destaca, ainda, aspectos da fundação e colonização do município, a imigração, facetas da agricultura e trabalho rural, os processos produtivos artesanais, comunicação e transporte, indústria e comércio, energia, serviços, esporte e lazer, ensino, religião, usos e costumes e a moradia.

O espaço final da exposição foi reservado às manifestações culturais de Ijuí hoje.