Destaques do Comunic@

                O tempo de distanciamento social e prevenção contra a covid-19 provocaram uma mudança imediata no ensino do curso de Medicina da Unijuí, que passou do modo presencial para o online rapidamente. Com a necessidade de adequação, buscou-se a otimização do uso dos recursos já disponíveis para o ensino e que possibilitam, de maneira qualificada, aulas interativas com os estudantes, além de plataformas complementares, especializadas na área da saúde.  As atividades de ensino estão acontecendo em ambiente virtual com a utilização de recursos e tecnologias específicas, com opções específicas para o ensino de bases moleculares e morfofisiológicas, formação geral e desenvolvimento pessoal, saúde coletiva e também agressão e defesa. Uma delas é a Plataforma Multidisciplinar 3D, uma tecnologia de ponta, disponível em poucos cursos de Medicina em todo o Estado.   Segundo a professora Pauline Brendler Goettems Fiorin, foi uma importante aquisição da instituição, que vêm contribuindo significativamente no ensino de Anatomia Humana. “Este suporte tecnológico tem auxiliado a qualificar as aulas em ambiente Online. Além dos materiais já disponíveis no Laboratório de Anatomia Humana, como peças naturais e de acrílico, a abordagem por meio da Plataforma 3D, associada às aulas no Google Meet, facilitam a compreensão do aluno, principalmente ao abordar as estruturas em uma perspectiva tridimensional. Mesmo que o aluno não esteja em contato direto com a Plataforma, visualmente é possível tornar mais claro aspectos como dimensão, posição e relações anatômicas”, salienta.  Confira uma demonstração do funcionamento desta plataforma              O uso da plataforma educacional colaborativa Google for Education está sendo um dos principais recursos utilizados pelos professores e estudantes, pois engloba diversas ferramentas educacionais, com várias funcionalidades para realização de fóruns, exercícios, jogos, avaliações, textos colaborativos, desenhos, uso de um quadro para escrita pelo professor e estudante, produção de vídeos e vários outros. A aprendizagem acontece de forma interativa e colaborativa.   Para além das tecnologias que a Universidade já disponibiliza, os professores também buscaram plataformas auxiliares para incrementar as opções de ensino. Um exemplo é o uso dos recursos de uma plataforma de ensino específica para a área da saúde, utilizada por universidades de diversos países, chamada LT. Nesta plataforma, segundo a professora Mirna Ludwig, os estudantes podem, entre outras atividades, realizar simulações como se tivessem em um laboratório, utilizando dados e modelos disponibilizados pela desenvolvedora. Além disso, em tempo real, o professor pode customizar tarefas e acompanhar o desenvolvimento personalizado dos estudantes,


                O tempo de distanciamento social e prevenção contra a covid-19 provocaram uma mudança imediata no ensino do curso de Medicina da Unijuí, que passou do modo presencial para o online rapidamente. Com a necessidade de adequação, buscou-se a otimização do uso dos recursos já disponíveis para o ensino e que possibilitam, de maneira qualificada, aulas interativas com os estudantes, além de plataformas complementares, especializadas na área da saúde.  As atividades de ensino estão acontecendo em ambiente virtual com a utilização de recursos e tecnologias específicas, com opções específicas para o ensino de bases moleculares e morfofisiológicas, formação geral e desenvolvimento pessoal, saúde coletiva e também agressão e defesa. Uma delas é a Plataforma Multidisciplinar 3D, uma tecnologia de ponta, disponível em poucos cursos de Medicina em todo o Estado.   Segundo a professora Pauline Brendler Goettems Fiorin, foi uma importante aquisição da instituição, que vêm contribuindo significativamente no ensino de Anatomia Humana. “Este suporte tecnológico tem auxiliado a qualificar as aulas em ambiente Online. Além dos materiais já disponíveis no Laboratório de Anatomia Humana, como peças naturais e de acrílico, a abordagem por meio da Plataforma 3D, associada às aulas no Google Meet, facilitam a compreensão do aluno, principalmente ao abordar as estruturas em uma perspectiva tridimensional. Mesmo que o aluno não esteja em contato direto com a Plataforma, visualmente é possível tornar mais claro aspectos como dimensão, posição e relações anatômicas”, salienta.  Confira uma demonstração do funcionamento desta plataforma              O uso da plataforma educacional colaborativa Google for Education está sendo um dos principais recursos utilizados pelos professores e estudantes, pois engloba diversas ferramentas educacionais, com várias funcionalidades para realização de fóruns, exercícios, jogos, avaliações, textos colaborativos, desenhos, uso de um quadro para escrita pelo professor e estudante, produção de vídeos e vários outros. A aprendizagem acontece de forma interativa e colaborativa.   Para além das tecnologias que a Universidade já disponibiliza, os professores também buscaram plataformas auxiliares para incrementar as opções de ensino. Um exemplo é o uso dos recursos de uma plataforma de ensino específica para a área da saúde, utilizada por universidades de diversos países, chamada LT. Nesta plataforma, segundo a professora Mirna Ludwig, os estudantes podem, entre outras atividades, realizar simulações como se tivessem em um laboratório, utilizando dados e modelos disponibilizados pela desenvolvedora. Além disso, em tempo real, o professor pode customizar tarefas e acompanhar o desenvolvimento personalizado dos estudantes,


               Nesta quinta-feira, dia 28 de maio de 2020, foi publicada a sentença da ação ajuizada pelo CREMERS em face ao curso de Medicina da Unijuí, o qual pleiteava o cancelamento do respectivo curso. A sentença foi julgada improcedente para o pedido do CREMERS, sob os seguintes fundamentos: cabe ao Ministério da Educação – MEC a autorização e autonomia, com base na Lei nº 12.871, de 22 de outubro de 2013 - Mais Médicos, autorizar cursos de Medicina. Cabe recurso na ação. A sentença salienta, ainda, que todo o ato administrativo de habilitação e autorização foram devidamente observados à luz da referida legislação. Se houver eventual deficiência ou falta de qualidade do curso na Unijuí, deve ser observada em nova etapa de avaliação e consolidação no ato de reconhecimento do curso, podendo, somente neste momento, se averiguado por falta de qualidade e atendimento aos requisitos, encerrar as atividades do curso, pelo órgão competente, que é o MEC. E este é um processo que todos os cursos de graduação passam no Brasil. Quanto ao pedido de anulação da autorização do curso sob o argumento do CREMERS de que tem médicos suficientes na região, a Justiça considerou irrelevante, pois tratam-se de fatores de observância meramente facultativa, para tornar nulo o ato administrativo de seleção do município ou de autorização dada à mantenedora da instituição de ensino para funcionamento do curso. Cabe ressaltar que as instâncias competentes neste processo solicitaram parecer opinativo do Conselho Nacional de Saúde, que consta no processo e que se manifestou favorável a continuidade do processo formativo do curso de Medicina da Unijuí, no município de Ijuí. Esta ação foi movida pelo Cremers ainda em Janeiro de 2019. Desde quando foi notificada, a Unijuí trabalhou juridicamente para tomar as providências cabíveis. Confira nota de esclarecimento sobre o caso. Diante da representatividade da oferta de um curso de Medicina para Ijuí e região, a Unijuí expressa seu agradecimento a todas as instituições e a população que sempre acreditaram que este projeto é de fundamental relevância para qualificar ainda mais o atendimento à população local e regional na área da saúde. Conforme a reitora Cátia Nehring: "esta é uma conquista que marca, mais uma vez, que a união e projetos comuns são fundamentais para modificar uma cidade e uma região. O projeto do curso de Medicina, em Ijuí e na Unijuí, é a materialização da união entre poder municipal e


Em atenção às orientações e Decretos do Governo Federal, Estadual e dos municípios da região de abrangência da Fidene/Unijuí nos últimos dias, com o objetivo de definir ações de contenção da pandemia de Coronavírus, o Comitê Institucional de Prevenção informa medidas a serem adotadas, fica definido o seguinte: 1 - As aulas dos cursos da modalidade Presencial na forma ONLINE na Unijuí estão prorrogadas até o dia 13/06/2020.  2 - As aulas da EFA também permanecem de forma ONLINE até o dia 13/06/2020, seguindo as mesmas orientações. Após a normalização e retomada das atividades, um calendário de recuperação será divulgado pela direção da Escola. Orienta-se à comunidade escolar para ficar atenta aos canais oficiais da EFA para informações pontuais. 3. A carga horária das atividades relacionadas às práticas e aos estágios que exigem realização presencial permanecem suspensas, uma vez que estamos aguardando a definição do Governo do Estado do Rio Grande do Sul em relação as regras específicas para o setor da educação, a serem estabelecidas no modelo de Distanciamento Social Controlado. Caso venha a ser autorizada a realização dessas atividades presencialmente, a Unijuí, por suas instâncias competentes, analisará sobre a viabilidade ou não de retorno, levando sempre em consideração a segurança dos estudantes. Para as atividades práticas e estágios em que há adequação para sua realização na forma online, a Unijuí tem adotado essa possibilidade, conforme recomendado pelo Parecer nº 05 do CNE.  4- A Instituição mantém o atendimento em regime de plantão, por e-mail, telefone, chat e whatsapp nas cidades de Ijuí, Panambi, Três Passos e Santa Rosa, em virtude da continuação das atividades acadêmicas na Modalidade Presencial de forma ONLINE e da manutenção, sem alteração, da Modalidade EaD. Isso significa que a Universidade mantém o funcionamento de suas atividades sem atendimento presencial ao público. 5 - Os estudantes que necessitarem de auxílio para a realização das atividades acadêmicas devem priorizar o contato por meio dos canais online de comunicação, especialmente os e-mails institucionais. A Fidene/Unijuí entende que vivemos um momento que exige prevenção e cautela. A Instituição está atenta e seguindo todas as medidas de prevenção e orientações definidas pelos decretos federais, estaduais e municipais, visando enfrentar a situação de pandemia. No entanto, entende-se que o papel da Instituição de formar profissionais e educar precisa continuar, por isso a Fidene/Unijuí enxerga este momento também como sendo de aprendizado. Estamos potencializando o uso de plataformas de ensino online, utilizando novos recursos e descobrindo novas


              A EFA segue com suas aulas online, no dia a dia os professores vem se reinventando e buscando diversos meios de ensinar no ambiente virtual. Nesta quinta feira, 28/05, aconteceu uma proposta diferenciada para as turmas dos Anos Finais: a aula de história foi de exploração do jogo Battlefield 1. O professor de História Gian Ruschel, poe meio de um stream ao vivo no Youtube, explorou a temática “histórias de guerra”, no modo campanha do jogo, com um recorte da Primeira Guerra Mundial para explicar alguns conceitos e elementos da história por meio do jogo. Conforme o professor foi jogando, avançando no campo de guerra, ia explicando sobre as condições tecnológicas e históricas as quais estavam submetidos os participantes da guerra, bem como as estratégias usadas, as composições dos campos de batalha, as condições sanitárias muito precárias, com muita presença de ratos e doenças que assolaram a humanidade, entre outras situações. Curiosidades como a aparição do aviador Barão Vermelho, que foi um piloto de caça alemão considerado como o "ás dos ases", obtendo o maior número de vitórias (oitenta) de um único piloto durante a Primeira Guerra, pôde ser vista pelos estudantes, bem como as batalhas aéreas. Também foi explorada a questão da ganância e expansionismo do Império Otomano em sua busca pelo “ouro negro” e a guerra empreendida pelos povos rebeldes da arábia. Essa campanha mostra a lenda de Lawrence da Arábia e os povos beduínos do deserto. Segundo o professor Gian, “a ideia é mostrar que os jogos podem ensinar, e, nesse caso, mostrar a guerra, frisando que a mesma traz à tona os piores aspectos da humanidade, a barbárie, os excessos e a morte". O professor ressalta que a guerra não é bonita e nem deve ser romantizada, porém, "essa vivência possibilita uma grande reflexão  sobre estes acontecimentos históricos que marcam os sujeitos e geram efeitos que perduram por muito tempo na humanidade”. A diretora Maria do Carmo Pilissão lembra que, neste período de aulas online, com a impossibilidade da presencialidade, estratégias de atividades como esta desenvolvida pelo professor de história são de grande importância pedagógica, geram aprendizagens significativas e conseguimos através deste recurso virtual uma aproximação e envolvimento dos estudantes,  pois estas práticas que fazem parte do cotidiano dos jovens, desenvolvem a curiosidade, tornando os conceitos envolventes e possibilitam novas conexões.   Confira a aula na íntegra            


           Desde o mês de março, quando decretadas diversas medidas de isolamento social como principal e imediata ação de enfrentamento ao Coronavírus, o setor educacional, público ou privado, teve que se adaptar. Sem aulas presenciais, foi necessário buscar alternativas para garantir que o conhecimento chegasse aos estudantes. O cenário não é igual para todos, bem sabemos. Dificuldades de acesso à tecnologia e a internet são alguns dos empecilhos que dificultam o aprendizado neste momento. Por outro lado, instituições como a Unijuí conseguiram rapidamente se adaptar, oferecendo aulas online em plataformas como as do Google e o semestre está se encaminhado ao final já. No Rizoma temático desta semana, vamos discutir “Os impactos e transformações causados pela pandemia na educação”. O que mudou e vai continuar mudando? Como professores e estudantes se adaptam e encaram este cenário? quais os desafios, virtudes e problemas neste contexto educacional? Como as famílias estão encarando esse momento? São as perguntas que nortearam este debate! Os convidados desta edição foram Fabiana Fachinetto, Vice-Reitora de Graduação da Unijuí e Ronaldo Mota, Titular da Academia Brasileira de Educação, consultor, escritor e conferencista nas áreas de Novas Tecnologias e Metodologias Inovadoras em Educação. Também foram reproduzidos alguns depoimentos de quem está diretamente implicado neste contexto, como a Laís Padoin, egressa de Matemática da Unijuí, formada em março e que assumiu suas primeiras turmas já com a situação do isolamento social. Confira o Programa na íntegra:              


1

Baixe o aplicativo Unijuí FM

Fale conosco

Ícone Whatsapp 55 99131 5487
Ícone Skype radio@unijui.edu.br