Notícias

Rizoma Temático promove debate alusivo ao Outubro Rosa

Todos os anos, no mês de outubro, as discussões sobre prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama e do câncer de colo do útero ganham evidência. A cor rosa e as fitinhas que simbolizam a campanha Outubro Rosa invadem as redes sociais e ações de conscientização são realizadas em diversas instituições. Mas qual a importância de, ano após ano, repetir esse movimento?

Para debater a temática “Outubro Rosa e saúde da mulher: uma reflexão necessária”, os convidados do Rizoma Temático desta quinta-feira, 14 de outubro, foram a professora do curso de Enfermagem da Unijuí e coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Oncologia, Bruna Nadaletti; o médico ginecologista e mastologista, professor do curso de Medicina, Gerson Delazeri; e a psicóloga do Centro de Oncologia da Unimed Noroeste/RS, Débora Andrade.

O professor e médico Gerson Delazeri chama atenção para o fato de que o câncer de mama é o câncer de maior mortalidade para as mulheres no Brasil, seguido pelo câncer de colo do útero. “A campanha Outubro Rosa começou com o câncer de mama e se estendeu para o câncer de colo do útero, justamente por essa preocupação. A campanha deste ano, da Sociedade Brasileira de Mastologia, é ‘quanto antes melhor’. Quanto antes melhor para o diagnóstico, pois o tratamento acaba sendo menos agressivo e as chances de cura são maiores”, enfatiza.

A professora Bruna Nadaletti traz outro índice preocupante: segundo o Ministério da Saúde, em 2018, apenas 24,1% das mulheres entre 50 e 69 anos realizaram o exame de mamografia. “Culturalmente, a mulher tem a tendência de buscar mais por serviços de saúde do que o homem. No entanto, dados nos alertam que ainda existe muito a ser feito, na perspectiva de sensibilização e estímulo à prevenção. Precisamos continuar o trabalho incansável de disseminar a importância do exame da mamografia para detecção precoce, visto que ela impacta significativamente no prognóstico da paciente."

Já a psicóloga Débora Andrade destaca a importância do apoio familiar durante o tratamento da doença, uma vez que os fatores psicológicos influenciam muito. “A família vai precisar de uma reorganização geral,  porque não é só o paciente que adoece, a família acaba entrando junto nesse adoecimento. Então toda essa readaptação precisa ser feita em conjunto, porque nesse momento é importante que a paciente não tenha nenhum fator estressor além da doença, para que ela se sinta confortável e confiante para seguir seu tratamento."

Por Amanda Thiel, estagiária de Jornalismo da Assessoria de Marketing

Confira o programa na íntegra:


Convidados do Rizoma Temático debatem sobre universidade para todos

O sonho de ingressar no Ensino Superior parece cada vez mais distante para uma parcela da população. De um lado, a sociedade enfrenta uma crise econômica agravada pela pandemia, que fez com que muitas famílias perdessem o emprego e, consequentemente, a possibilidade de dar sequência aos estudos. De outro, faltam políticas públicas que incentivem o acesso e a permanência no Ensino Superior. O que fazer, então?

Para debater o assunto “Universidade para Todos”, o Rizoma Temático desta quinta-feira, 7 de outubro, recebeu como convidados a reitora da Unijuí e representante do Consórcio das Universidades Comunitárias Gaúchas (Comung), professora Cátia Maria Nehring; a reitora da Urcamp e presidente do Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras (Crub), Lia Herzer Quintana; e o estudante de Medicina e bolsista ProUni, Evandro Tatim.

A professora Cátia Nehring evidencia que, apesar dos avanços recentes, o Brasil ainda apresenta um enorme descompasso na formação superior e profissionalizante em relação aos países da América Latina, destacando a importância do ensino para o desenvolvimento da sociedade. “A educação é um dos principais pilares se queremos falar em desenvolvimento socioeconômico de qualquer país, por isso entendo que esse debate, da universidade para todos, deveria ser de fato atrelado à política pública, para trazermos efetivamente um Brasil em desenvolvimento”.

O acadêmico de Medicina, Evandro Tatim, avalia que a desigualdade no acesso ao ensino é consequência de uma série de questões intrínsecas ao processo de globalização, ressaltando que medidas de acesso aos estudantes são essenciais e precisam ser ampliadas para que essa realidade seja mudada. “Políticas de inclusão, aumento de vagas nas universidades públicas, políticas públicas como ProUni e Fies são extremamente importantes para reduzir essas desigualdades de acesso”, pontua.

A reitora Lia Herzer reforça a perspectiva de que, com a pandemia, os impactos na educação irão afetar o desenvolvimento do país. “Nós já vivíamos um cenário de queda no Ensino Superior e com esses quase dois anos de pandemia, isso ficou muito forte, por conta de várias situações e principalmente o fato de que o Brasil é um país pobre e temos que ter também algum tipo de incentivo, de financiamento”, considera.

Por Amanda Thiel, estagiária de Jornalismo da Assessoria de Marketing

Confira o programa na íntegra: 


Saúde mental do trabalhador é tema do Rizoma Temático

Exaustão, estresse e esgotamento físico são alguns dos sintomas da Síndrome de Burnout, também conhecida como Síndrome do Esgotamento Profissional. Este é um dos distúrbios psíquicos que se agravaram durante a pandemia, assim como ansiedade e depressão. Com a chegada do home office, tornou-se ainda mais difícil separar o espaço e tempo pessoal do profissional, o que atenuou a sobrecarga dos trabalhadores e evidenciou a urgência da discussão sobre saúde mental no Brasil e no mundo.

Para debater sobre isso, o Rizoma desta quinta-feira, 30 de setembro, trouxe o tema “A importância do cuidado com a saúde mental do trabalhador”. Os convidados foram a farmacêutica, professora dos cursos da Saúde e do programa de Mestrado em Atenção Integral à Saúde da Unijuí, Christiane Colet; a psicóloga e coordenadora do Centro Regional de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest de Ijuí), Patrícia Felden; e o psiquiatra, professor do curso de Medicina da Unijuí e preceptor da Residência Médica em Psiquiatria do Hospital de Caridade de Ijuí, Bruno Guidolin.

O psiquiatra Bruno Guidolin falou sobre o cenário atual e os reflexos da pandemia para a saúde mental. “Desde o começo da pandemia, se falava muito da ‘quarta onda’, que seria essa onda dos transtornos mentais, do Burnout, do desemprego, o que ficou desse tsunami chamado pandemia de covid-19. A gente realmente percebeu, tanto no serviço público, nas internações, no consultório particular, que a demanda aumentou. Pessoas que antes estavam estáveis, tiveram novos episódios depressivos, ansiosos, e pessoas que nunca apresentaram [transtornos], começaram a apresentar."

A psicóloga Patrícia Felden fez uma avaliação do impacto da pandemia na saúde mental dos profissionais de Ijuí e região. “Os trabalhadores que não puderam parar ou se afastar presencialmente do trabalho lidaram muito com o medo, de se contaminar, de perder alguém da família, de perder o emprego, o que gerou ou agravou quadros ansiosos”. Ela destacou ainda o aumento do estresse, irritabilidade, conflitos nos ambientes de trabalho e sobrecarga, tanto para quem estava trabalhando presencialmente quanto de modo remoto.

A farmacêutica Christiane Colet afirmou que é possível perceber um aumento proporcional desses casos de depressão e ansiedade e o uso de medicamentos. “O que as pesquisas mostram é um consumo muito elevado, neste último ano, de ansiolíticos e antidepressivos. O que a gente vê é cada vez mais uma sociedade medicalizada, onde a utilização dessas classes farmacológicas acaba sendo, muitas vezes, a primeira opção ao qual o paciente recorre”, observou.

Por Amanda Thiel, estagiária de Jornalismo da Assessoria de Marketing

Ouça o programa na íntegra:


Rizoma Temático debate situação de desigualdade no Brasil e região

Com o objetivo de melhorar as políticas públicas dirigidas aos usuários do Sistema Único de Assistência Social (SUAS), municípios da região de Ijuí têm realizado Conferências Municipais de Assistência Social, em preparação aos eventos estadual e nacional. Discute-se o direito do povo e dever do estado com o financiamento público, a fim de enfrentar as desigualdades e garantir proteção social.  Mas como estão, de fato, estas questões na região?

Para debater o assunto “Desigualdades e proteção social: discussões e diretrizes para região”, os convidados do Rizoma Temático desta quinta-feira, 23 de setembro, foram: o presidente do Corede Noroeste Colonial, Nelson Thesing; a assistente social da Emater/RS-Ascar e representante no Conselho Estadual de Assistência Social (CEAS/RS), Isolete Bacca; e o coordenador do Programa de Mestrado e Doutorado em Desenvolvimento Regional da Unijuí, Sérgio Allebrandt.

O professor Sérgio Allebrandt faz uma análise da situação de desigualdade brasileira. “O Brasil é um país extremamente desigual, tanto do ponto de vista territorial, quanto social. O 1% mais rico detém 30% da riqueza nacional e os 40% mais pobres detêm apenas 10% da riqueza. Com isso, o Brasil é o 2º país do mundo com maior concentração de renda, atrás apenas do Catar. E isso é histórico. Se a gente considerar o Índice de Gini, que mede a concentração da riqueza, o Brasil teve um avanço significativo principalmente entre os anos 2000 e 2014, mas isso acabou sendo praticamente perdido entre o período de 2014/2019, e não estamos nem falando ainda do impacto que a pandemia teve sobre essa questão”, reflete o professor.

Já a assistente social Isolete Bacca destaca o tema do financiamento para a política pública de assistência social. “A gente sempre diz que política pública sem recurso financeiro não existe, então esse é o grande debate do momento. Os municípios têm praticamente ‘bancado’ a assistência social. O Estado tem contribuído muito pouco, a União também, tivemos cortes significativos em relação a orçamento e isso com certeza reflete na execução e na operacionalização da política pública aos usuários e, nesse momento, na verdade houve uma ampliação muito grande das pessoas buscando pela política de assistência social”, aponta.

Quanto à região, o professor Nelson Thesing acredita que o cenário pode ser visto por dois enfoques. “Por um lado, olhando a Região Funcional 7, que envolve quatro Conselhos Regionais de Desenvolvimento, nós temos uma realidade, e essa realidade está muito próxima em nível nacional. Se olharmos do ponto de vista da nossa região, eu diria que nos últimos anos avançamos em processos inclusivos. Então sempre depende do olhar do enfoque que nós buscamos para a compreensão de uma determinada realidade”, explica.

Por Amanda Thiel, estagiária de Jornalismo da Assessoria de Marketing

Ouça o programa na íntegra:


Sub-categorias