Notícias

Começa a temporada do “Hora do Recreio” da UNIJUÍ FM

O programa é realizado nas escolas de Ensino Médio de Ijuí e região com atrações que possibilitam a interatividade com os alunos

A partir desta quarta-feira a UNIJUÍ FM começa a edição 2019 do projeto Hora do Recreio, que há 13 anos visita escolas de Ensino Médio de Ijuí e região a fim de levar o rádio e a Universidade para a educação básica, provocando a interatividade com assuntos culturais e musicais.

A primeira visita será na Escola Ruyzão, em que os alunos vão poder curtir um recreio muito animado, participando de brincadeiras, de perguntas e respostas, de desafios que envolvem várias áreas do conhecimento e atualidades. Os participantes ganham brindes e os registos movimentam os canais de comunicação oficiais da UNIJUÍ FM, como site, Facebook, Instagram e Twitter.

Com apoio da Ecos Sistema de Ensino, Ótica Albrecht, Yázigi e Chiquinho Sorvetes, o calendário do Hora do Recreio prevê a visita da UNIJUÍ FM a 20 escolas de Ijuí, Ajuricaba, Bozano, Augusto Pestana, Santo Augusto, Independência, Cruz Alta e Santo Ângelo. Na próxima semana a visita vai rolar a interatividade junto à Escola 25 de Julho.


Revisionismos do conhecimento: culto à ignorância?

O que eram fatos, agora podem ser questão de opinião. O que era posto como absoluto, agora pode ser questionado. Nas mais diferentes áreas do conhecimento surgem questionamentos beirando a imponderabilidade, pelo menos para alguns. Para muitos é absolutamente normal, pois tudo é questionável e pode ser refutado, ainda que seja sem uma base sustentável de argumentação ou de prova. A Terra é redonda? Gira em torno do sol? Nazismo é de esquerda? Houve no Brasil uma Ditadura Militar? A Ciência e a História são colocadas em cheque e voltam a explicar questões antes já pensadas como tendo sido superadas. Para falar sobre esse fenômeno o Rizoma chamou convidados em mais um Tema da Semana. O professor de história da Unijuí, Jaeme Callai e a professora de filosofia Vânia Cossetin aceitaram o desafio e trouxeram suas contribuições em uma hora de programa.



Apesar da complexidade do tema, que trouxe exemplos radicais de revisionismos vivenciados atualmente, o professor Callai explicou na perspectiva da História como acontecem os processos de revisão dos fatos históricos. “No campo da História sempre houve uma possibilidade de exercício da revisão histórica. O historiador é aquele que vê, através das testemunhas, através dos documentos, através das evidências. Não é um vidente que enxerga o passado. Agora essa compreensão do passado pode se modificar a partir de um novo olhar sobre isso, desde que você encontre novas evidências, novos documentos. Ou seja, é possível você reescrever a História, mas sempre com um fundamento na evidência, no documento, no testemunho dos contemporâneos daquele momento. Isso é feito constantemente”, ressaltou o professor fazendo uma diferenciação do que está acontecendo neste momento. “O revisionismo é outra coisa. Agora vou olhar para passado e vou contar diferente porque me interessa olhar diferente, recusando todas as evidências que são contra o que estou dizendo”, observou.
Num olhar para além do campo da História dentro do tema proposto, a professora Vânia enfatizou a necessidade do ponto de vista científico para o revisionismo o que não acontece atualmente. “Esse revisionismo é desejável, desde que seja do ponto de vista científico. Mas ele não vem de um novo olhar, ou de uma revisão sobre os registros, sobre a História ou a Ciência afim de qualificá-la ou aprofundá-la. É um revisionismo que pretende descredenciar a Ciência. O que nós temos aí, se é que se pode chamar de revisionismo não seria no sentido de qualificar, mas sim de desestabilizar. De retirar e colocar outra coisa no lugar, que é qualquer coisa, menos Ciência”, analisou ela.
Toda a semana, o Rizoma traz um tema para debate no programa, das 10h às 11h. O próximo assunto tratado será “O imposto do bem” a partir da Campanha - “Valores que Ficam” incentiva gaúchos a manterem no RS recursos devidos ao IR.

 

 

 


Hoje na História vai ao ar em novo formato!

A partir deste mês de Abril, o Hoje na História vai ao ar em novo formato na programação da Unijuí FM! Ao invés de citar um conjunto de notícias que marcaram cada data, o tradicional resgate dos fatos que ficaram para a história discorrerá, de forma mais aprofundada, sobre um grande acontecimento por dia.

A exemplo deste primeiro mês, serão abordados fatos históricos como o Lançamento da Apollo 13; o Dia Nacional do Hino Brasileiro; as passeatas do movimento Diretas Já (foto); e até mesmo o Descobrimento do Brasil. Além disto, os programetes deste mês trazem mais informações sobre a carreira de personalidades do mundo da música nacional, como Chorão (Charlie Brown Jr) e Dinho Ouro Preto; e internacional, como Joey Ramone.

O Hoje na História vai ao ar todos os dias, às 8h e às 12h; com exceção do sábado, quando é transmitido apenas no horário das 8h.


Reforma da Previdência em debate no Rizoma

Mais um tema da semana foi debatida no Rizoma na manhã desta quinta-feira, 4. A polêmica Reforma da Previdência foi o tema da vez. Dois convidados participaram do programa junto com os jornalistas Douglas Dorneles da Rosa e Juliana Griebler. A professora do curso de Direito da Unijuí, Nelcy Meneguzzi, e o advogado especialista em Direito Previdenciário, Ildo Gobbo. Durante o programa eles falaram sobre a Reforma, buscando esclarecer os diversos pontos do projeto apresentado pelo Governo Federal como também suas possíveis consequências.

 

A professora Nelci Meneguzzi sublinhou algumas mudanças da atual Previdência no que se refere a proposta apresentada à Câmara pelo Governo Bolsonaro, especialmente ao que ela destacou como principal ponto de modificação. “O principal ponto da Reforma da Previdência gira em torno de uma idade mínima para aposentadoria. A ideia é o homem se aposentar aos 65 anos de idade e a mulher ao 62. Associado a essa idade mínima, que hoje não temos em regra, vai existir um tempo mínimo de contribuição. Atualmente se exige como carência 180 contribuições que equivalem a 15 anos. A partir da Reforma haverá essa progressão de 15 para 20 anos”, explicou a professora.

 

O advogado Ildo Gobbo, em uma de suas intervenções no programa, ponderou sobre outras mudanças que aconteceram ao longo da história na previdência brasileira. “É bom fazer um resgate histórico. O Brasil passou por grandes reformas previdenciárias. A de 1998, com a emenda constitucional número 20, foi a maior já feita até hoje, antes dessa nova proposta do atual governo”, enfatizou ele.

.

Os convidados também salientaram, durante quase uma hora, as drásticas alterações da Previdência, caso a Reforma proposta pelo governo Jair Bolsonaro seja aprovada. Devido a complexidade o tema deve voltar ao programa para um novo debate.

 

Todas as quintas-feiras o Rizoma traz uma temática para debate na Unijuí FM, sempre das 10h às 11 da manhã. O próximo tema será “Revisionismos do Conhecimento: culto a ignorância?

Ouça o programa na íntegra: 

 

 

 


Sub-categorias