Notícias

UNIJUÍ FM celebra aniversário de 20 anos com programação especial

             No dia 20 de julho de 2001 a UNIJUÍ ganhava voz, após anos de esforço coletivo para a construção de um espaço que reunisse boa música, jornalismo de qualidade e informações sobre a Universidade. Surgia assim a Rádio Educativa UNIJUÍ FM. De lá para cá, muitas mudanças ocorreram, na música, no jornalismo, na sociedade e no mundo. Mas a UNIJUÍ FM manteve-se presente no cotidiano do ouvinte e, mais recentemente, também do internauta, através das mídias sociais, renovando-se constantemente, sem perder sua essência: a de tocar histórias.

             Nesta terça-feira, duas décadas depois do primeiro play, a Rádio UNIJUÍ preparou uma programação especial, para comemorar junto com o público essa data. Devido à pandemia, foram organizados dois eventos online, com muita música, interação, nostalgia e, é claro, boas histórias.

Rizoma Temático

             O Rizoma Temático desta semana foi realizado excepcionalmente na terça-feira. Com o tema “20 anos de UNIJUÍ FM: de volta às origens”, o programa reuniu integrantes da primeira equipe de locutores e jornalistas da Rádio, que resgataram o início dessa trajetória e relembraram momentos marcantes. Os convidados foram Luiz Henrique Berger, Douglas Fortes, Elano Beckmann, Vera Raddatz, Michele Guma, João Anschau, André Pinheiro e Silvana Lima.

             O jornalista Douglas Fortes, que era apresentador do programa Plural, destacou o desafio de construir uma emissora educativa. “Não tinha e não tem manual. O rádio é uma essência que se reinventa a cada dia”, ressalta ele. Elano Beckmann, que apresentava os programas Elástico e Encontro Casual, também fala nesse sentido. “Existia um projeto, uma proposta inicial, mas a gente foi chamado para criar tudo do zero”, relembra. 

             Atuando como professora do curso de Comunicação na época, Vera Raddatz relatou que, nas reuniões de planejamento sobre a programação da Rádio, dois pontos eram cruciais. “Precisa ter música boa. Pensávamos muito sobre o que era essa ‘música boa’. A segunda questão era: a linguagem tem que ser ousada e criativa”, conta.

             Estagiário no período de fundação da Rádio, o jornalista João Anschau, bastante emocionado, comentou sobre o aprendizado com a emissora. “A gente aprendeu bastante nesta época. É preciso destacar nossas coberturas externas. Por exemplo, chegamos a fazer dois anos seguidos a cobertura do Fórum Social Mundial”, disse.

             Tendo atuado por duas vezes como diretor da UNIJUÍ FM, Luiz Henrique Berger relembrou a emoção de ser selecionado para a primeira equipe Rádio. “Foi algo muito emocionante para mim ter sido escolhido com essas feras que estão aí, que hoje são doutores. Fomos construindo a Rádio dentro do perfil que se imaginava”, relata ele. 

Confira o programa na íntegra:

Live

             A live de aniversário “UNIJUÍ FM: 20 anos tocando histórias” teve início às 20h, com transmissão ao vivo pelo Facebook e YouTube da Rádio. Com apresentação do jornalista Douglas Dorneles, o evento teve cerca de duas horas e meia de duração e alcançou quase 4 mil visualizações entre as duas plataformas.

             A noite começou com um show do Projeto Acústico, com Roberto Bones, Régis Clean e Johann, que presentearam os ouvintes com um bom pop. Na sequência, Carol e PC foram os responsáveis por levar o som da música popular brasileira ao público. Ainda teve Lucas, Pimenta e Julian com o tradicional rock da UNIJUÍ FM e Vinícios Hoch, na companhia de Nando e Rene encerraram com músicas nativistas. As apresentações trouxeram um repertório variado, perpassando por diversos gêneros musicais que fazem parte da programação da Rádio.

             Entre os shows, a jornalista Carine Da Pieve realizou entrevistas com convidados especiais. O primeiro a subir ao palco do Salão de Atos da UNIJUÍ foi o proprietário da Farmácia Vegetalium, Helio Pohlmann, representante dos apoiadores da Rádio. Ele contou que, ao decidir apoiar a emissora, há 20 anos, acreditou na ideia proposta, que era como uma pequena semente. “Uma boa semente lançada ao solo produz bons frutos. E isso aconteceu com a UNIJUÍ FM. Nesses 20 anos, trouxe uma programação eclética, de alta qualidade”, declara Hélio.

             Também foi convidada ao palco a ouvinte que ganhou dois ingressos para curtir os shows presencialmente, através de um sorteio no Instagram. A estudante do curso de Direito da UNIJUÍ, Jordana Appel, relatou que sempre acompanha a Rádio. “É uma das minhas melhores amigas, minha companheira, eu sempre estou com o rádio ligado na UNIJUÍ FM”, revela.

             A reitora da UNIJUÍ e presidente da FIDENE, professora Cátia Nehring, foi a última entrevistada da noite. Ela ressaltou o compromisso que a emissora possui com a comunidade. “A Rádio tem a responsabilidade social de ser um canal de comunicação e de pluralidade, levando não só notícias da nossa UNIJUÍ, mas de todo complexo FIDENE, de todo município, região e país”, destaca a reitora.

             Além das atrações musicais e entrevistas, o evento contou com muita interação com o público. Diretamente do Estúdio Master, as locutoras Marina Moesch e Amanda Thiel repercutiram ao vivo alguns dos comentários feitos por quem acompanhava a live no Facebook e YouTube. Elas também realizaram o sorteio de brindes dos apoiadores e anunciaram os vencedores. Foram 20 prêmios sorteados, para 20 anos de histórias.

             Nos intervalos entre os blocos, foram exibidos os depoimentos que fazem parte da série especial de vídeos de aniversário da Rádio. Foram produzidos 20 vídeos, representando 20 fatos marcantes que marcaram essas duas décadas. O evento também contou com uma ação de divulgação por influenciadores de Ijuí e região, que foram convidados para curtir presencialmente o evento e realizar cobertura pelas redes sociais.

             A transmissão teve sonorização de Juliano Camera e filmagem de Schmalz videografia. Também contou com apoio de: Agrovel, Bem Seguro, CCAA Ijuí, Ceriluz, Acordare, Edegar Cavalheiro Formaturas, Engeter, Literatus Xôk’s Ijuí, Oca Imóveis, Topway English School, NetCopy, Open Gastro Pub, Pano Leve, Dr. Autopeças, SD Restauração de Móveis, Sicredi, Tabaimóveis, Totem Vestibulares, Loja Topmix, Unimed, Mecânica Unicar e Yázigi Ijuí.

Comentários dos internautas:

  • Lauro Pasche: “Parabéns pelo aniversário de 20 anos de comunicação, educação, cultura, ações sociais, música de qualidade e universidade”.
  • Jocelaine Aguiar: ”Curtindo a Live de aniversário direto de Belém do Pará, onde moro. Onde eu for acompanho a programação da rádio, que é de excelente qualidade”. 
  • Belair Aparecida Stefanello: “Parabéns UNIJUÍ FM, lindos depoimentos de quem fez a história da Rádio”.
  • Laís Dahmer: “Que programação maravilhosa! Unijuí FM sempre arrasando. Fica aqui meu carinho e admiração a todos que fizeram e fazem parte dessa rádio querida”.
  • Rosane Simon: “Felicidades pelos 20 anos! Acompanhei cada um deles! Que bom que temos a Unijuí FM para ouvir música boa, boas informações”.
  • Sthefany Silva: “É muito lindo ver a valorização da música assim. Letras tão lindas que vocês não deixam ser esquecidas”.

Assista a live completa:


UNIJUÍ FM promove live especial de aniversário

          Na próxima terça-feira, 20 de julho, a UNIJUÍ FM completa duas décadas de fundação. Como forma de celebrar com o público que sempre acompanhou essa trajetória, a Rádio realiza, juntamente com a UNIJUÍ, a live de aniversário “UNIJUÍ FM: 20 anos tocando histórias”. O evento será online, com transmissão ao vivo pelo canal da Rádio no YouTube, pela página no Facebook e pelas ondas da 106.9, a partir das 20h.

          A live contará com a presença de artistas locais e um repertório musical variado, que contempla gêneros tocados na programação da Rádio, desde o rock, pop, MPB até a música nativista. As atrações confirmadas são: Lucas e Pimenta, Carol e PC, Roberto Bones e Vinicios Hoch.

          Além das apresentações musicais, acontecerão momentos de interação com o público e sorteios de brindes para as pessoas que comentarem na live. Também serão realizadas entrevistas durante o intervalo entre os shows, com personalidades que fazem parte desses 20 anos de histórias. Tudo isso em dois ambientes: no Salão de Atos da UNIJUÍ e no estúdio principal da Rádio.

          Entre as ações de divulgação da live, influenciadores da região foram convidados para estarem presentes na celebração. Eles realizarão a cobertura do evento nas redes sociais, juntamente com a equipe da UNIJUÍ FM. Além disso, está acontecendo uma promoshare no Instagram da Rádio, que irá sortear dois ingressos para quem quiser curtir os shows presencialmente. 

          A live “UNIJUÍ FM: 20 anos tocando histórias” possui o apoio de: Agrovel, Bem Seguro, CCAA Ijuí, Ceriluz, Edegar Cavalheiro Formaturas, Engeter, Literatus Xôks Ijuí, Oca Imóveis, Topway English School, NetCopy, Open Gastro Pub, Pano Leve, Dr. Autopeças, SD Restauração de Móveis, Sicredi, Tabaimóveis, Totem Vestibulares, Loja Topmix, Unimed, Mecânica Unicar e Yázigi Ijuí.


Rizoma Temático debate situação da energia no Brasil

          Nos principais veículos de comunicação, um dos assuntos em destaque é a possibilidade de o País enfrentar uma nova crise no fornecimento e distribuição de energia elétrica, dada a escassez de chuvas e o esvaziamento dos reservatórios das hidrelétricas. Mas qual a real situação? 

          Para debater o tema “Energia no Brasil: desafios e perspectivas”, o Rizoma Temático desta quinta-feira, dia 15 de julho, contou com a participação do diretor-presidente do Departamento Municipal de Energia de Ijuí (Demei), Marco Aurélio Sikacz; do diretor de Operações da Hidroenergia, Rafael Kieling; do professor doutor da Unijuí, Maurício de Campos; e da professora mestra da Unijuí, Caroline Radüns, coordenadora do Projeto de Extensão Energia Amiga.

          Conforme explicou o professor Maurício, o País passa pela terceira crise enérgica do século: a primeira ocorreu em 2001, a segunda em 2014. E apesar da matriz energética ter mudado muito nos últimos anos - em 2001, mais de 80% estava ligada às hidrelétricas e, neste ano, 63% -, há um crescente consumo de energia e os reservatórios da região Sudeste, que correspondem a 70% dos reservatórios do Brasil, estão com 32% de sua capacidade. Especialistas dizem que essa capacidade deve reduzir a 10% em outubro.

          O sistema no País é interligado e a população de Ijuí não utiliza apenas a energia produzida aqui, conforme destacou o diretor-presidente do Demei, Marco Aurélio Sikacz. E há, segundo ele, risco de haver racionamento na cidade, assim como há em outros locais. “Nós deveríamos aprender com esse novo momento de estiagem. É necessário criar alternativas para o setor de energia, até porque, é um problema que voltará a acontecer em outro momento. Precisamos também ter consciência da importância do uso consciente da energia elétrica. A bandeira vermelha, que traz agora um acréscimo de 52% na tarifa de energia, já tem o intuito de forçar a redução”, explicou.

          Professora na Unijuí, Caroline Radüns lembrou que o uso racional da energia deve se tornar um hábito. Isso porque as consequências são visíveis não apenas na conta de energia, ao final do mês. “Somos pertencentes a uma sociedade e as nossas atitudes individuais impactam no coletivo. Se o consumo de energia aumenta, se as tarifas aumentam, a indústria é impactada, os serviços são impactados, e há reflexos nos preços dos medicamentos, dos alimentos. Aproximadamente 7% da energia produzida no mundo é utilizada para o abastecimento de água e esgotamento sanitário. Ou seja, o impacto é muito maior do que na fatura.”

          Rafael Kieling reforçou que, na crise hídrica, tudo está ligado: a falta de planejamento, a política e a economia. “Os reservatórios das grandes hidrelétricas são a base. Eles mantêm todo o sistema elétrico abastecido no Brasil. Por isso, quando falta água, não há muito o que fazer”, comentou, lembrando que o investimento em transmissão aumentou muito nos últimos anos - mais de 100%. Em 2001, não era sequer possível exportar energia do Sul para o Sudeste.

Confira o Rizoma Temático na íntegra:


Demanda por energia renovável está em ascensão no Brasil

A pressão pela redução de custos e por uma postura de mais responsabilidade ambiental das empresas têm elevado consideravelmente a busca por energia elétrica oriunda de fontes renováveis no país.

Uma das formas de medir esse crescimento é por meio das transações de certificados de energia renovável (RECs), emitidos por cerca de 200 usinas hidrelétricas e de outras fontes renováveis (Biomassa, solar, eólica) do Brasil.

Nos primeiros 4 meses de 2021, cerca de 4 milhões de RECs foram transacionadas no Brasil, mesmo número ano passado inteiro. Com isso a estimativa é de que mais de 10 milhões de certificados sejam emitidos em 2021, um crescimento de 300% em relação a 2019 e 150% em relação a 2020.

Atualmente, de acordo com a Associação Brasileira de PCHs e GCHs (ABRAPCH), existem cerca de 1.130 usinas em operação no país, sendo Santa Catarina o estado com maior número de usinas em operação (241), seguido de Minas Gerais (235) e Mato Grosso (129). O Rio Grande do Sul ocupa a 4ª posição no número de PCHs e GCHs, com 106 usinas.

De acordo com especialistas, diversos fatores explicam o crescimento previsto para as PCHs na matriz de geração elétrica brasileira. Destacam-se os aspectos socioambientais e a disponibilidade de recursos hídricos. Por serem usinas de menor porte, e respectivamente com menor potencial de geração, exigem que a área alagada em torno dos rios seja menor do que em grandes hidrelétricas convencionais (algumas são até a fio d’água), reduzindo a interferência na bacia hidrográfica e todo o potencial impacto causado.

Sentindo este crescimento, a Hidroenergia, indústria especializada no fornecimento de soluções para empreendimentos hidrelétricos, localizada em Ijuí/RS, tem investido seus esforços no desenvolvimento de tecnologias e na ampliação da sua capacidade produtiva. A empresa trabalha atualmente no desenvolvimento de diversos projetos de novas usinas em diversos estados brasileiros.

“O potencial hídrico do país, somado a retomada econômica pós-pandemia fazem de usinas PCHs e GCHs opções mais enxutas e autossustentáveis na geração de energia, comparadas a grandes projetos hidrelétricos. Nossa especialidade está justamente em fornecer soluções completas para estes tipos de empreendimentos” Completa Marcos kieling, CEO da Hidroenergia.

Reprodução: Site www.hidroenergia.com.br 

Fontes: Revista Veja e ABRAPCH

Foto: Vorbe Engenharia


Sub-categorias