Destaques do Comunic@

                   A diretora da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP), Maria Helena Palucci Marziale, e o vice-diretor Pedro Fredemir Palha – Foto: Divulgação Pedro Fredemir Palha, egresso de Enfermagem da Unijuí, curso em que também atuou como professor, assumiu, neste mês de setembro, como vice-diretor da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP), da USP. A cerimônia de posse foi realizada no dia 14 de setembro. Com mestrado e doutorado pela USP e pós-doutorado pela Universidade de Alberta (Canadá), atua na área de Enfermagem de Saúde Pública, políticas de saúde, organização dos sistemas de saúde, saúde da família, tuberculose, promoção da saúde, enfermagem em saúde coletiva, atenção primária à saúde e gestão em saúde. Foi coordenador do Programa de Pós-Graduação Enfermagem em Saúde Pública da EERP e presidente da Comissão de Pós-Graduação. Pedro cursou Enfermagem de 1984 a 1987 na Unijuí, e é egresso da 5ª turma do curso. “Um dos aspectos importantes para relembrar da minha formação na Unijuí é sobre a discussão da inserção da saúde no espaço regional, que foi ampla, realizada com a sociedade, com as lideranças acadêmicas e com lideranças comunitárias, resultando na estruturação deste curso no campo da saúde. A gente tinha uma parte bastante importante em discussão na minha época, que era pensar as populações, destaco o trabalho com as populações rurais. Fazíamos imersões na área rural, o que nos fornecia uma diferenciação na formação, principalmente por podermos olhar as questões da diversidade na área da saúde, olhar para populações específica, vulneráveis, que precisam de políticas inclusivas”, relembra. O professor também destaca memória do período social da época. “Vivíamos um período importante na sociedade, de mudanças políticas. Estávamos entrando em um período de sociedade mais democrática. Essa efervescência permitiu uma formação importante, pois a Universidade propunha essa discussão mais ampla para a formação dos seus alunos. Destaco o movimento da reforma sanitária brasileira, da reforma política, que foi um grande norte, que me acompanhou no processo de graduação. A Unijuí me proporcionou uma formação acadêmica de extrema qualidade e também uma formação política bastante importante”, destaca. Como professor na Instituição, iniciou as atividades em 1988, convidado pela coordenação da época. “Foi um grande desafio, pois eu era egresso recente do curso e isso me colocava em outro patamar. Atuei por quase 10 anos como professor, até 1997. Um ano depois realizei processo seletivo e me inseri como professor na USP.


                   A diretora da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP), Maria Helena Palucci Marziale, e o vice-diretor Pedro Fredemir Palha – Foto: Divulgação Pedro Fredemir Palha, egresso de Enfermagem da Unijuí, curso em que também atuou como professor, assumiu, neste mês de setembro, como vice-diretor da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP), da USP. A cerimônia de posse foi realizada no dia 14 de setembro. Com mestrado e doutorado pela USP e pós-doutorado pela Universidade de Alberta (Canadá), atua na área de Enfermagem de Saúde Pública, políticas de saúde, organização dos sistemas de saúde, saúde da família, tuberculose, promoção da saúde, enfermagem em saúde coletiva, atenção primária à saúde e gestão em saúde. Foi coordenador do Programa de Pós-Graduação Enfermagem em Saúde Pública da EERP e presidente da Comissão de Pós-Graduação. Pedro cursou Enfermagem de 1984 a 1987 na Unijuí, e é egresso da 5ª turma do curso. “Um dos aspectos importantes para relembrar da minha formação na Unijuí é sobre a discussão da inserção da saúde no espaço regional, que foi ampla, realizada com a sociedade, com as lideranças acadêmicas e com lideranças comunitárias, resultando na estruturação deste curso no campo da saúde. A gente tinha uma parte bastante importante em discussão na minha época, que era pensar as populações, destaco o trabalho com as populações rurais. Fazíamos imersões na área rural, o que nos fornecia uma diferenciação na formação, principalmente por podermos olhar as questões da diversidade na área da saúde, olhar para populações específica, vulneráveis, que precisam de políticas inclusivas”, relembra. O professor também destaca memória do período social da época. “Vivíamos um período importante na sociedade, de mudanças políticas. Estávamos entrando em um período de sociedade mais democrática. Essa efervescência permitiu uma formação importante, pois a Universidade propunha essa discussão mais ampla para a formação dos seus alunos. Destaco o movimento da reforma sanitária brasileira, da reforma política, que foi um grande norte, que me acompanhou no processo de graduação. A Unijuí me proporcionou uma formação acadêmica de extrema qualidade e também uma formação política bastante importante”, destaca. Como professor na Instituição, iniciou as atividades em 1988, convidado pela coordenação da época. “Foi um grande desafio, pois eu era egresso recente do curso e isso me colocava em outro patamar. Atuei por quase 10 anos como professor, até 1997. Um ano depois realizei processo seletivo e me inseri como professor na USP.


                O Museu Antropológico Diretor Pestana - MADP, em parceria com a Associação de Amigos do MADP promove o III Sarau Literário, com os objetivos de revelar novos talentos, incentivar a expressão cultural da comunidade, mostrar a diversidade étnica da nossa cidade. O encontro entre as diversas etnias que formaram Ijuí, proporcionou entre outras coisas, uma diversidade de manifestações artísticas culturais. O sarau será um momento de valorização da arte e da cultura possibilitando o compartilhamento do conhecimento reflexivo e prático de elementos que compõem a linguagem. Este evento integra a programação da 12ª Primavera dos Museus com o tema “Celebrando a Educação em Museus”, através da aproximação e colaboração entre o museus e sociedade civil, contribuindo para a formação integral dos envolvidos, com vistas ao desenvolvimento social. O Sarau Literário, patrocinado pela A Boa Compra e Cia da Música, será realizado no sábado, dia 22 de setembro de 2018 no Museu Antropológico Diretor Pestana e estará com uma programação especial, a partir das 14h. Programação Abertura do III Sarau Literário às 14h com a participação especial do Coral UNIJUÍ, e apresentações artísticas com a participação de algumas das Etnias.  Visita à Exposição de Longa Duração, ao som de piano acústico.  Visita à Exposição Temporária “Crenças e Superstições no Imaginário Sul-Rio-Grandense”.


                  Foto: DAAD/Michael Jordan Por meio do Programa EPOS, o DAAD oferece bolsas de estudos para diversos cursos de pós-graduação na Alemanha em campos de estudos relacionados ao desenvolvimento sustentável. O programa foi criado com foco no aprofundamento de jovens profissionais e acadêmicos de países em desenvolvimento, que podem escolher entre 40 cursos de mestrado ou doutorado, ministrados em alemão ou inglês, em uma das seguintes áreas: • Ciências Econômicas e Política Econômica • Cooperação para o Desenvolvimento • Engenharia e disciplinas afins • Matemática • Planejamento Urbano e Regional • Agronomia e Silvicultura • Ciências Naturais e Ciências do Meio Ambiente • Medicina e Saúde Pública • Ciências Sociais, Educação e Direito • Estudos de Mídia Todas as informações sobre os cursos e pré-requisitos estão disponíveis neste link, com conteúdo em inglês e alemão. A lista com os cursos que integram o Programa EPOS e os respectivos prazos de inscrição podem ser consultados nesta tabela. Cada instituição tem um prazo de inscrição próprio. As datas limite para envio de candidaturas variam entre 31.08.2018 e 31.05.2019. Aviso importante: a inscrição precisa ser feita por meio do site da universidade alemã e não pelo DAAD. A novidade do programa em 2018 é a inclusão do curso “Sustainable Development Management”, oferecido pela Hochschule Rhein-Waal em inglês. Esse programa de Master tem duração de três semestres e reúne assuntos das disciplinas de Economia, Ciências Políticas e Metodologia de Gestão de Projetos. Os candidatos ao EPOS devem ser atuantes no planejamento e execução de projetos voltados para políticas de desenvolvimento ou na cooperação para o desenvolvimento, seja em instituições/empresas públicas ou privadas. Além de excelente rendimento acadêmico, o pré-requisito básico para uma candidatura é ter o mínimo de dois anos de experiência profissional na área do curso pretendido após a conclusão da graduação. Essa conclusão não pode ter ocorrido há mais de seis anos no momento de início do curso escolhido pelo candidato. É preciso comprovar o nível de alemão ou inglês exigido por cada instituição. A duração dos estudos varia entre um e três anos, dependendo do curso. Os contemplados recebem bolsa mensal, seguro-saúde, ajuda de custo para passagem aérea e curso preparatório de alemão. Criado em 1987 para estimular a qualificação de profissionais e lideranças de países em desenvolvimento sob uma perspectiva sustentável, o programa já beneficiou mais de 7 mil estudantes. 


                 O planejamento regional, construído pelos Coredes entre os anos de 2015-2017, levou em conta que as particularidades de cada espaço no Rio Grande do Sul, para dar conta do desenvolvimento na perspectiva territorial, ao apontar as dinâmicas, a organização e a diversidade das regiões e municípios, sua construção do processo local e global. Com esse entendimento os Coredes apresentam e promovem um debate qualificado com sociedade gaúcha, de quatro em quatro anos, com os candidatos ao Executivo e Legislativo Estadual. Para responder ao desafio proposto, os Conselhos apresentam Propostas Estratégicas para o Desenvolvimento Regional do Estado do RS, em um documento, para o período 2019-2022.O documento, que é um plano estratégico, trabalha diagnóstico, prognóstico e ações a serem implementadas, contempla uma construção histórica dos Coredes, da articulação com a sociedade civil, da relação com os diversos atores, comprometidos na efetivação do planejamento nas 28 regiões gaúchas. Todos os projetos foram priorizados pelas 09 regiões funcionais, que identificaram 90 projetos prioritários, que totalizam em valores atuais R$ 32 bilhões, mas nem todos necessitam de recursos financeiros, e sim, de atores articulados, para trabalhar em prol dos coletivos regionais.Segundo o presidente do Corede Noroeste Colonial, professor Nelson José Thesing, o conjunto de projetos apresentados, priorizados pelas 9 regiões funcionais dos Coredes, são resultados de discussão nas regiões e entre as regiões envolvidas em cada uma das funcionais. “Estão identificadas áreas prioritárias, ou seja, temas relevantes ao desenvolvimento das regiões e do Estado. Todo o processo, planejamento estratégico, conta com contribuições de especialistas, mas fundamentalmente com a participação e deliberação da comunidade gaúcha”, salienta. A Região Funcional 7, da qual a área de atuação da Unijuí está englobada, é constituída pelos Coredes: Noroeste Colonial, Celeiro, Missões, Fronteira Noroeste. Apresenta os seguintes projetos, totalizando R$ 1,4 bilhões. Confira:Projeto 1 - Fortalecimento das cadeias produtivas da região, com investimentos, para a capacidade produtiva, inovação, agregação de valor e competitividade. Valor total estimado do projeto: R$ 36.500.000,00. Responsável pela implementação: Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, Secretaria de Desenvolvimento Rural Pesca e Cooperativismo, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Irrigação, EMATER, Universidades.Projeto 2. Qualificação dos Serviços Públicos na região, com destaque para as áreas da saúde, segurança e educação. Valor total estimado do projeto: R$ 21.825.000,00. Responsável pela implementação: Secretaria da Segurança Pública, Brigada Militar, Policia Civil, Secretaria de Desenvolvimento Social, Trabalho, Justiça e Direitos Humanos.Projeto 3. Investimento na infraestrutura


O Salão de Atos Argemiro Jacob Brum recebe, entre os dias 24 e 27 de setembro, o III Seminário Internacional sobre as Perspectivas do Ensino de Ciências Agrárias e Ambientais no Sul do País. O evento contará com 27 palestrantes de 8 países diferentes. Na abertura oficial do evento, na segunda-feira, 24, acontece a palestra ‘O sentido da Universidade na atualidade’, que será ministrada pelo professor doutor Paulo Rudi Schneider, às 19h40min. Outro destaque da programação é o Encontro de Egressos dos Cursos de Agronomia e Medicina Veterinária da Unijuí, às 21h. De acordo com o professor Roberto Carbonera, coordenador do evento, a expectativa é promover uma reflexão sobre a formação oferecida nas áreas das Ciências Agrárias e Ambientais no Sul do País e traçar cenários futuros tendo em vista a conjuntura nacional e internacional. “Esperamos atender a expectativa de fazer uma reflexão sobre o nosso ensino, sobre a nossa formação acadêmica e prospectar o próximo período de formação nessa área”, comenta. Concomitante ao III Seminário Internacional acontece a XVIII Semana Acadêmica de Agronomia e X Semana Acadêmica de Medicina Veterinária. As inscrições para o evento podem ser feitas até segunda-feira, 24, pela página do evento no Portal da Unijuí. Na página também está disponível a programação completa do evento.


1

Baixe o aplicativo Unijuí FM

Fale conosco

Ícone Whatsapp 55 99131 5487
Ícone Skype radio@unijui.edu.br