COMUNICA

PORTAL DE NOTÍCIAS DA UNIJUÍ

Pesquisa

Grupo de Pesquisa em Fisiologia tem projeto sobre obesidade e diabetes aprovado pela Fapergs

O Grupo de Pesquisa em Fisiologia (GPeF) da UNIJUI, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Atenção Integral à Saúde (PPGAIS-UNICRUZ-UNIJUI) e ao Departamento de Ciências da Vida (DCVida) da UNIJUI, teve, na ultima semana, projeto de pesquisa aprovado para financiamento no Edital Pesquisador Gaúcho (Edital PqG-02/2017) da Fundação de Amparo a Pesquisa do Rio Grande do Sul (FAPERGS). Neste edital, com mais de 1.600 concorrentes, apenas 13% das propostas foram contempladas.

            

O projeto aprovado investiga a interação entre fatores ambientais (poluição atmosférica) e o desenvolvimento da obesidade e Diabetes Mellitus tipo 2 durante o processo de envelhecimento feminino (Menopausa). O projeto tem como coordenador o Prof. Dr. Thiago Gomes Heck (PPGAIS) e como membros da equipe os professores Mirna Stela Ludwig (PPGAIS), Matias Nunes Frizzo (PPGAIS) e Pauline Brendler Goettems Fiorin (DCVida), além de contar com alunos de mestrado e de graduação dos diferentes cursos da área da saúde como Enfermagem, Fisioterapia, Nutrição, Farmácia, Educação Física e Biologia. Ainda, o projeto tem como parceiros os professores Paulo Ivo Homem de Bitencourt Jr (UFRGS) e Claudia Ramos Rhoden (UFCSPA), que junto à UNIJUI formam uma rede de pesquisa ativa desde 2011 por ações propostas pelo GPeF.

O projeto aprovado soma-se as ações de pesquisa do GPeF que nos últimos 5 anos teve um projeto aprovado por ano para financiamento externo por agencias de Fomento à pesquisa, como CAPES (1), CNPq (1) e FAPERGS (3). Todos os projetos do GPeF são pautados em pesquisa básica (pré-clínica) quanto aos processos químicos e biológicos do desenvolvimento do Diabetes, e a partir destes dados, estes projetos propõem novas estratégias terapêuticas não farmacológicas para o controle da obesidade e diabetes. Mais informações podem ser vistas em www.gpef-unijui.com.


Saúde na Unijuí: o reconhecimento de instituições parceiras pela qualidade no ensino

Na década de 1980, com a criação do curso de Enfermagem, a Unijuí passou a ofertar cursos e a desenvolver projetos e ações na área da saúde. De lá para cá, uma verdadeira transformação na região aconteceu. Confira a segunda matéria especial sobre a área da saúde na Unijuí.

 A formação superior em saúde na Instituição sempre foi construída a partir das políticas públicas e orientações do Ministério da Saúde. A Universidade se preocupa em formar profissionais comprometidos com a realidade local e regional, seguindo os princípios do Sistema Único de Saúde.

Já se formaram pela Unijuí mais de 4,5 mil profissionais em diversas áreas da saúde, pessoas que, em sua maioria, trabalham em municípios de toda a região, atendendo a população nas diferentes áreas da saúde. A Universidade, nas últimas décadas já realizou inúmeros investimentos em toda a região noroeste, atuando fortemente na formação de profissionais qualificados e no fortalecimento das estruturas da saúde.

 
    
 

Por meio de parcerias com diversas importantes instituições da região, a população do Noroeste tem mais e melhores serviços de saúde. “Nós, enquanto instituição hospitalar macrorregional, temos uma relação de forte parceria com a Unijuí. Há muitos anos, os estágios dos acadêmicos das áreas da saúde são realizados aqui e, muitas vezes, esta mão-de-obra especializada é absorvida pelo HCI, por acreditar nos profissionais formados por esta importante instituição de educação superior. Reconhecemos na Unijuí uma instituição comunitária que presta relevantes serviços à comunidade regional, que comunga dos meemos anseios da sociedade, que exige ética, inclusão social e visão de futuro”, observa o presidente do Hospital de Caridade de Ijuí (HCI), Cláudio Matte Martins, uma das maiores instituições hospitalares do interior do Estado.

As duas instituições também possuem uma parceria na área de pós-graduação. Os trabalhadores do Hospital podem se qualificar com descontos nas mensalidades, viabilizando um investimento necessário no competitivo mercado de trabalho.

Novo curso

Recentemente a Unijuí foi autorizada pelo MEC a ofertar um novo curso na área: Biomedicina, no Campus Ijuí. O curso vai preparar o estudante para atuar na prevenção e promoção da saúde, por meio de diagnósticos laboratoriais e pesquisas científicas, com formação generalista, humanista, crítica, reflexiva e empreendedora, com ênfase para atuar na área de Patologia Clínica. Este curso veio para fortalecer ainda mais o ensino na área da saúde, possibilitando aos estudantes exercerem as suas habilidades profissionais dentro das mais diversas especificidades.

Além disso, a Universidade submeteu seu projeto ao edital para implantação do curso de Medicina em Ijuí. Conforme os prazos divulgados, o cadastramento das instituições interessadas encerrou no dia 19 de julho, o resultado preliminar será divulgado no dia 30 de outubro e o resultado final em 12 de dezembro, com homologação no dia 31 de janeiro de 2018. A Universidade, a partir da sua experiência na formação profissional na área da saúde, está preparada para receber o curso, caso seja aprovada.

“Somos parceiros desde a primeira hora para que a Unijuí tenha um curso de medicina. Estamos juntos nesta caminhada e esperamos brevemente esta conquista. Para tanto, estamos nos preparando para nos tornarmos um Hospital-Escola, para que os futuros acadêmicos de medicina possam desempenhar suas atribuições da melhor maneira possível", complementa Cláudio Matte Martins, presidente do HCI. 


Mais de 200 trabalhos são apresentados na terceira edição da MoEduCiTec

A 3ª Mostra Interativa da Produção Estudantil em Educação Científica e Tecnológica – MoEduCiTec, trouxe para a Universidade o protagonismo estudantil como tema da edição desse ano. Dezenas de estudantes da educação básica, ensino médio e ensino superior participaram da programação do evento.

                 

Ao todo, a Mostra reuniu 205 trabalhos apresentados por 704 autores, além de 60 professores que atuaram na comissão e 44 Instituições com trabalhos apresentados. De acordo com a Coordenadora do Evento, Lenir Basso Zanon, o evento se caracteriza como um espaço de interlocução de saberes, onde uns aprendem com os outros. “Tudo aquilo que se ensina, se estuda, se aprende e que é produzido em sala de aula é motivo para se trazer aqui nesse espaço de interlocução de saberes” salienta.

Na abertura do evento, o professor doutor Décio Auler, da Universidade Federal de Santa Maria, palestrou sobre ‘Relações entre Educação, Ciência, Tecnologia, Trabalho e Cultura na Sociedade e Ambiente’. 

Confira uma reportagem da UNIJUÍ FM sobre o evento

A MoEduCiTec trata-se de um espaço de intercâmbio de conhecimentos e experiências entre distintos contextos socioculturais que, promovendo e sendo promotor do protagonismo estudantil, expande os limites de interlocução e formação mais imediatos pela interação entre redes de saber mediadoras da qualificação da vida, partindo de distintos campos, níveis e modalidades de ensino, aprendizagem, educação e desenvolvimento humano/social.


Pesquisa aponta preferência de presentes para o Dia das Crianças

O levantamento da UNIJUÍ também envolveu as próprias crianças de duas escolas de Santa Rosa.

A UNIJUÍ divulgou nesta quinta-feira, dia 21, os resultados de uma pesquisa que buscou identificar as intenções de moradores de Santa Rosa e Tuparendi, no que se refere a presentes para o Dia da Criança. A indicação foi concebida a partir da visão dos adultos. Um questionário foi aplicado no centro das cidades para uma amostra de 291 pessoas durante o período de 31 de agosto até 15 de setembro.

O estudo mostra que no momento da pesquisa, 63% das pessoas entrevistadas pretendem comprar presente. Dos entrevistados, 57,4% pretendem presentear os filhos, 14,4% sobrinhos, 10,7% afiliados e 10,3% os netos.  Os principais produtos que serão adquiridos como presente são com 37,6% bicicletas, 26,2% brinquedos e 17,2% celular. Também citados computador, TV, livros, vídeo game boneca, calçados e jogos.

Quanto ao número de crianças que o entrevistado pretende presentear a pesquisa indica que 77% dos entrevistados irão presentear entre uma e duas crianças.  A maioria dos presentes será dada pelos pais 57,4%, tios 12,4%, padrinhos 11,7% e avô e avó 10,7%. Os fatores para a escolha são com 40,9% promoção, 36,8% o desejo da criança e o preço com 13,7%.   

Em relação ao valor a ser gasto, o estudo mostra que 77% dos entrevistados vão gastar até R$ 300,00. Sendo que há também  gastos acima de R$ 500,00, chegando ainda, segundo a pesquisa há R$ 2.000,00.      

Quanto a forma de pagamento, a pesquisa revelou que 68,4%  pretendem pagar  o presente em dinheiro, 25,6%  em cartão de crédito e ainda no crediário e carne da loja.    O estudo também identificou a preferência   dos  entrevistados em relação ao local onde pretendem realizar a compra do presente. Com 33,7% aparece camelô,  28,4% no comércio formal do centro, 22,8% na internet, 11,2%  na livraria e ainda no comércio do bairro e supermercado. 

Para o professor e coordenador da pesquisa Ariosto Sparemberger, o dia da criança é uma data que tem um forte apelo emocional e os adultos tendem a gastar mais para presentear os filhos. Também é uma oportunidade para o comércio investir em campanhas publicitárias e promoções, para atrair o consumidor. O bom atendimento com vistas a fidelização de clientes, também é necessário. E nada melhor, para o comércio, do que aproveitar a oportunidade de uma data importante para praticar estratégias voltadas ao consumidor.

“Embora a iniciativa de criar um dia em homenagem às crianças tenha sido política, na década de 1920, o que fortaleceu a data foi ações dos fabricantes de presentes, nos anos 60, com campanhas para aumentar as vendas de brinquedos”, explica o professor. A partir daí, o dia 12 de outubro se tornou data importante para o setor varejista. O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) considera criança a pessoa com até 12 anos de idade incompletos.

PREFERÊNCIA DAS CRIANÇAS

Com o objetivo de sentir o que as crianças gostariam de receber no seu dia, como presente, a pesquisa também envolveu estudantes de duas escolas de Santa Rosa: Escola Estadual de Ensino Fundamental Fernando Albino da Rosa (2ª Série, 3ª Série e 4ª Séries) e Polivalente (5ª série) para uma amostra de 98 crianças. Deste total, 63 crianças possuem entre 8 e 10 anos e 44,9% são do sexo masculino e 55,1% do sexo feminino. Os resultados indicam que 30% preferem ganhar celular, 13% bicicleta, 12% computador e 12% outros, tais como mochila, tablet, arma de brinquedo, um abraço, Iphone 7 e boneca. Os estudos ainda mostram que 8% preferem ganhar vídeo game, 7% livro e 6% brinquedos.

O trabalho foi realizado pelo laboratório de Gestão, Projeto de Extensão e Curso de Administração da UNIJUÍ Campus Santa Rosa. A pesquisa foi liderada pelo bolsista e acadêmico Maicon Dall’Alba. A coleta ocorreu de forma espontânea, ou seja, sem interferência do entrevistado em relação as opções de resposta.


Unijuí vai realizar a 3ª edição da MoEduCiTec

Inscrições encerram neste sábado dia 02 de setembro, pelo Portal da Unijuí.

                     

Em outubro será realizada a 3ª edição da MoEduCiTec - Mostra Interativa da Produção Estudantil em Educação Científica e Tecnológica na Unijuí. Este ano, o tema será “O Protagonismo Estudantil em Foco”, oportunizando espaço de formação na interação entre estudantes e professores da educação básica e superior, de todos os níveis e modalidades de ensino e de todas as áreas de conhecimento, pela socialização de aprendizados e produções decorrentes de vivências em salas de aula.

O evento, que será realizado no dia 2 de outubro, na Biblioteca Mario Osorio Marques, no Campus Ijuí, tem como co-promotores a 36ª Coordenadoria Regional de Educação e a Secretaria Municipal de Educação de Ijuí, com apoio do CNPq e Sinpro.

Segundo a coordenadora do evento, Lenir Basso Zanon, são aceitos duas modalidades de trabalhos: relatos de experiência ou trabalhos de pesquisa. “A Mostra valoriza as experiências educativas, as práticas formativas bem sucedidas”, observa.

Os objetivos da MoEduCitec são oportunizar atividades de interação por meio da socialização de conhecimentos mobilizados em processos de estudo e pesquisa, como espaço de aprendizagem de múltiplos saberes que acompanham as atividades do ensino, em nível básico e superior, em prol da qualificação da Vida na Sociedade/Ambiente, pelo viés da Educação nas Ciências. Trata-se, assim, de um espaço de intercâmbio de conhecimentos e experiências entre distintos contextos socioculturais que, promovendo e sendo promotor do protagonismo estudantil, expande os limites de interlocução/formação mais imediatos, pela interação entre redes de saber mediadoras da qualificação da Vida, partindo de distintos campos, níveis e modalidades de ensino, aprendizagem, educação e desenvolvimento humano/social.

A Mostra abrange todas as áreas de conhecimento, bem como níveis e modalidades de ensino, com vistas à publicação de produções em Educação Científica e Tecnológica, decorrentes do ensino vivenciado em sala de aula.

Para se inscrever no evento, é só acessar o Portal da Universidade, na página do evento. As inscrições encerram neste sábado, dia 02 de setembro. Mais informações pelo fone: (55) 3332.0461 ou pelo e-mail: eventos.dcvida@unijui.edu.br

Programação, dia 02 de outubro

- 7h30 - 8h30: Recepção aos Expositores e Organização dos Estandes

- 8h30: Solenidade de Abertura Oficial da 3ª MoEduCiTec

- 8h45: Palestra de Abertura - "Relações entre Educação, Ciência, Tecnologia, Trabalho e Cultura na Sociedade e Ambiente"; Dr. Décio Auler (UFSM)

- 09h30 - 16h: Visitação à 3ª MoEduCiTec

- 16h: Encerramento


Projeto de alimentos sem glúten da Unijuí realiza visita técnica em empresa referência nacional em Entre-Ijuís

Professores coordenadores e bolsistas do projeto ‘Desenvolvimento de Alimentos sem Glúten a partir de Grãos Cultivados na Região Noroeste do Rio Grande do Sul’, realizado em convênio com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, fizeram uma visita técnica na empresa Giroil, parceira do projeto, em Entre-Ijuís.

                 

Participaram da visita os professores da Unijuí Raul Vicenzi, coordenador do projeto, e Eilamaria Libardoni Vieira do curso de Nutrição, Fernanda da Cunha Pereira professora do curso de Engenharia Química, professor José Antônio da Silva do curso de Agronomia, a bolsista Michele Nardes e a estagiária em Alimentação Institucional Samara Sagim, do curso de Nutrição. 

Segundo os coordenadores do projeto foi importante observar a cadeia de produção dos grãos, farinhas e outros produtos e a troca de conhecimento entre a empresa e a equipe do projeto. 

Giroil é uma empresa referência nacional no fornecimento de produtos saudáveis para lojas de produtos naturais, farmácias e supermercados em todos os estados brasileiros. A empresa é líder de mercado na maior parte dos segmentos da atuação. 

A visão de futuro e o conhecimento em cultivo de grãos conduziram a empresa para a produção de um amplo portfólio de produtos. A mesma é pioneira no cultivo e processamento de grãos de Chia e Freekeh no Brasil. 

Grande parte dos investimentos da empresa é direcionada à preparação e qualificação dos profissionais, atualização tecnológica de máquinas e de processos, pesquisa e desenvolvimento, além da constante ampliação da capacidade produtiva para atender as demandas de mercado. 

Os sócios proprietários Vera Dalla Véchia e Vinícios Dalla Véchia apresentaram a empresa e os processos de produção e colaboraram para o delineamento das metodologias de trabalho do projeto. 

A empresa tem um portifólio de produtos nacionais e importado, dentre eles: linhaça, chia, trigo sarraceno, teff, painço, psyllium, girassol, freekeh, óleos prensados a frio, suplementos alimentares e outros. 

As professoras do curso de Agronomia da SETREM, colaboradores do projeto, Angélica Reolon da Costa e Ana Paula Ceccato também acompanharam a visita.


Projeto estuda como aspectos da cidade podem colaborar para a qualidade de vida da população

Na correria do dia a dia não prestamos atenção às diversidades a nossa volta. Vivemos no caos da rotina e poucas vezes paramos para pensar no que a nossa cidade nos proporciona, contribuindo para o nosso bem-estar. O projeto de Pesquisa “Direito à Cidade Sustentável”, coordenado pela professora Elenise Felzke Schonardie, tem como principal objetivo investigar as funções da cidade para a efetivação dos Direitos Humanos. 

De acordo com a coordenadora, o projeto já está no final. A pesquisa é basicamente teórica e a coleta de dados se dá em fontes indiretas. Para chegar aos resultados, a pesquisa abordou, primeiramente, em materiais, os aspectos teóricos sobre a cidade: como se deu a sua formação, teorias a respeito e o que é o direito à cidade hoje, no contexto brasileiro. “A partir desses dados procuramos olhar o local, pensando de que maneira as pessoas podem perceber a cidade, não como algo cansativo e tumultuado, mas sim como um local onde desenvolvem suas vidas buscando nele uma melhor qualidade de vida sem pensar em uma mudança territorial”, destaca. 

                     

O acesso à moradia é uma das funções da cidade. Então, em um segundo momento, a pesquisa focou neste ponto. “Escolhemos a faixa de financiamento do programa Nacional “Minha Casa, Minha Vida”, prevista para a população economicamente carente”. 

Os pesquisadores procuraram informações junto à Secretaria Municipal de Habitação e também na Agência Financiadora Federal, para saber quantos projetos foram desenvolvidos para esse público e quantas pessoas puderam ser alocadas, ou estão em vias de alocação, dentro do território de Ijuí. “Acredito que podemos ter dados surpreendentes a respeito dessa questão. Se existir esse déficit habitacional na região, ele foi suprido ou não? Ainda falta moradia para a população de baixa renda? Precisamos ainda desenvolver infraestrutura urbana nos bairros da cidade?”, questiona a professora.

Após finalização do texto conclusivo da pesquisa, será feita sua publicação, porém, segundo Elenise, algumas constatações parciais já podem ser apontadas.

Existe uma quantidade muito grande de indivíduos no meio urbano, não só em grandes cidades, mas também nas cidades de porte médio, como Ijuí.  “Observamos uma acentuação nos últimos tempos da migração campo – cidade, e de municípios pequenos para cidades de porte médio ou regiões metropolitanas” frisa a professora.

Conforme ela, acredita-se que essa busca pelo espaço urbano se dá, em um primeiro momento, pela falta de condições de sobrevivência no campo. Visto que, na perspectiva do indivíduo, a cidade oferece mais oportunidades. “É um local onde ele pode alcançar melhores condições de vida, desde o acesso ao trabalho, à moradia, prestação de serviços à saúde e a comodidade do comércio, encontrando um ponto para desenvolver alguma atividade economicamente ativa”.

Outro ponto levantado pela pesquisa trata sobre a acentuação da exclusão social, já que nem todos os indivíduos que acessam hoje a cidade, têm seus postos de trabalhos garantidos. “Temos um grande contingente populacional nas cidades, não só em função da crise econômica brasileira que enfrentamos, mas também pela dificuldade das cidades em receber essa população, porque isso necessita de um certo planejamento e nem todas fizeram essa previsão de expansão da população urbana. Em Ijuí, por exemplo, tivemos alguns crescimentos de bairros, com projetos desenvolvidos pelo programa “Minha Casa, Minha Vida”, em convênio com o município, na tentativa de melhorar a moradia da população de baixa renda”. 

O projeto deve seguir ainda para uma segunda fase, que é a de tentar identificar os principais problemas da estrutura urbana brasileira. “Das demais funções da cidade como acesso à água potável e saneamento básico, moradia, trabalho, lazer e transporte, nós só trabalhamos com um aspecto, que é a moradia. Temos ainda mais quatro para serem desenvolvidos”.

Contribuições

O projeto está vinculado à linha de pesquisa do mestrado ‘Direitos Humanos - novos direitos e meio ambiente’. “Nós temos estudantes do mestrado que estão desenvolvendo sua dissertação com foco em uma das funções da cidade”.

De acordo com Elenise, o projeto incentiva o despertar do acadêmico, para que ele perceba a cidade como um objeto de estudo jurídico, um local de efetivação dos direitos humanos, de como esse ambiente pode ser melhorado.

Com relação à população, o projeto busca despertar a participação da comunidade nos contextos de decisões sobre a cidade. Através de consultas populares e audiências públicas, ouvir a população sobre o que pensam a respeito das instalações, da inexistência ou da necessidade de equipamentos urbanos em locais próximos da sua moradia ou trabalho. “A lei do estatuto da cidade prevê a gestão democrática, mas de que maneira ela pode acontecer? Vamos pensar na necessidade do município, por exemplo, ampliar o perímetro urbano ou incentivar a criação de um novo loteamento. Que tipo de loteamento vai ser esse? Para que extrato social será direcionado? Quais equipamentos urbanos serão disponibilizados a essa população? Será que ela quer uma praça bem grande, com brinquedos para crianças, ou prefere uma unidade de saúde?”, indaga a professora.  


Projeto da Unijuí visa reduzir o uso de defensivos e elevar a qualidade na produção da aveia

Apesar de ser coadjuvante entre as cultivares de inverno no país, a aveia está entre as principais culturas da Região Sul. Os estados do Paraná e do Rio Grande do Sul, em especial, se destacam na produção do grão. No estado gaúcho, segundo a Emater/RS-Ascar, há a expectativa do aumento da área de cultivo de aveia para a safra de 2017.

No ano passado, foram cultivados 227,6 mil hectares do grão. Na região noroeste do estado a produção também tem destaque. É por isso que, na Universidade Regional do Estado do Rio Grande do Sul – Unijuí, em Ijuí, o projeto de pesquisa desenvolvido dentro do Departamento de Estudos Agrários busca aliar novas tecnologias à uma produção mais sustentável.

O professor José Antônio Gonzalez da Silva é um dos coordenadores do projeto “Avanços Tecnológicos na Produção de Aveia na Região Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul”. O objetivo é fomentar a cadeia de produção levando, aos agricultores, elementos que possam reduzir o uso de defensivos agrícolas e elevar a qualidade da produção. 

A Escola Fazenda da Universidade (Irder) destinou uma área experimental de dois hectares para que os estudos sejam aplicados. Há dois anos sendo desenvolvido, o projeto já realiza as atividades de teste. Atualmente, mais de 20 experimentos estão sendo feitos a campo e nos laboratórios da Universidade.

O projeto foi aprovado por meio dos Polos Tecnológicos e da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia do Estado com um valor de cerca de R$1.300.000,00. A partir desse valor foram adquiridos equipamentos como a semeadeira e a colheitadeira de parcela, multiplantadeira, tratores, roçadeiras, trilhadeiras, descascadoras, estação meteorológica, enxadas rotativas, pulverizadores, medidores de umidade do solo, sensores de medição de clorofila, entre outros.

Os estudos buscam uma proposta de recomendação do redutor de crescimento em aveia e também a combinação mais ajustada entre nitrogênio e redutor de crescimento. De acordo com o professor, o uso do nitrogênio é importante para o aumento da produtividade, porém pode causar alguns transtornos na produção “além de favorecer o aumento da produção ele faz com que a planta cresça demais, se desenvolva demais e consequentemente forçando ela a acamar” comenta.

Acamamento é o termo usado quando a aveia cresce demais, se curva e toca o solo. O contato com o solo, e com a umidade, faz com que o produto deprecie, ou seja, perca o valor de qualidade. O objetivo, então, é combinar condições de uso de regulador de crescimento junto com melhores doses do uso de nitrogênio. “Usar melhores doses não significa aumentar as doses”, ressalta o professor. Outro ponto fundamental, de acordo com ele, é mudar a recomendação de densidades de cultivo da aveia atual. Essa, desenvolvida em 1990.  “A gente percebe que essa densidade de recomendação não condiz com o que é hoje o biotipo dessa aveia. Então a ideia é aumentar a quantidade de semente para verificar até que ponto se consegue mostrar o melhor padrão de qualidade, mas também “abafar” e não permitir que venha uma maior quantidade de espécies invasoras” explica o professor.

O projeto busca, ainda, identificar as variedades de aveia mais produtivas para o mercado consumidor.  Após os estudos e testes realizados, o objetivo do projeto é realizar dois cursos de capacitação para transferência das técnicas e dois dias de campo para a difusão das tecnologias testadas a campo para agricultores, funcionários de cooperativas e agroindústrias.


Pesquisa avalia características empreendedoras de proprietários de empresas de serviços

Pesquisa realizada por estudantes do Curso de Administração da Unijuí avaliou características empreendedoras de 130 gestores e proprietários de empresas de serviços da Região Fronteira Noroeste.


O empreendedor é um indivíduo que é capaz de identificar oportunidades no mercado por meio de uma aguçada sensibilidade no campo dos negócios. Ele busca transformar uma ideia ou oportunidade em uma forma de gerar negócios que procuram atender os desejos de um público consumidor e também satisfazer suas necessidades de realização profissional.

Buscando compreender esse fenômeno, alunos da disciplina de Administração Empreendedora, do Curso de Administração da Unijuí Campus Santa Rosa, realizaram uma pesquisa com 130 empreendedores de empresas de serviços da região Fronteira Noroeste.  O estudo, denominado “Perfil do Empreendedor Setor de Serviços”, objetivou identificar características empreendedoras destas pessoas que criaram seus próprios negócios, cuja análise dos dados foi realizada pelas acadêmicas Caciane Marcon, Caroline Jaster, Ângela Vanzella e Patrícia Rebelatto.

Foram avaliadas as principais características empreendedoras, classificando-as na ordem que os empresários julgavam mais importantes para a obtenção de sucesso em seus negócios. Foram apresentadas aos empresários 30 características, agrupadas em seis dimensões, sendo elas: (1) Comprometimento e Determinação, (2) Obsessão pelas Oportunidades, (3) Tolerância ao Risco e Incertezas, (4) Criatividade, Autoconfiança e Habilidade de Adaptação, (5) Motivação e Superação e (6) Liderança. De acordo com os empresários entrevistados, as 10 características consideradas mais importantes para que se empreenda com sucesso no setor de serviços são:

Além das características empreendedoras, as alunas geraram uma pontuação a partir das respostas de cada empresário, buscando avaliar o desempenho de acordo com uma escala que mede o potencial empreendedor dos pesquisados. Os resultados evidenciaram que 58,5% dos empresários tiveram entre 120 e 150 pontos, o que considera que o indivíduo possui características comuns aos empreendedores de sucesso e tem capacidade de se diferenciar no mundo dos negócios. Um grupo formado por 40% obtiveram de 90 a 119 pontos, o que demonstra a presença de características e comportamento empreendedor, mas que ainda necessita equilibrar pontos ainda fracos com os pontos já fortes. Apenas 1,5% ficaram com pontuação de 60 a 89 pontos, que demonstram que há mais pontos fracos do que fortes no que tange ao comportamento empreendedor.

Para o professor Luciano Zamberlan, coordenador do Curso e que também esteve à frente desta disciplina, pesquisas desta natureza proporcionam aos alunos uma aproximação com os empreendedores, possibilitando compreender como ocorrem as decisões e os processos para a criação de um negócio e também compreender melhor as características dos empreendedores. “Dessa forma é possível discutir, a partir das experiências dos empresários e da fundamentação teórica, quais são os aspectos que mais devem ser levados em conta pelos acadêmicos que pretendem empreender no futuro.  E permitiu desenvolver nos alunos a capacidade analítica e a reforçar aspectos que são importantes para que eles próprios possam vir a empreender no futuro”, finaliza.


Pesquisa avalia confiança de empreendedores de serviços e suas principais necessidades de qualificação

Pesquisa realizada pelos estudantes do Curso de Administração da Unijuí Campus Santa Rosa avalia o Índice de Confiança dos Empreendedores de Serviços (ICES).


Os acadêmicos da disciplina de Administração Empreendedora do Curso de Administração da Unijuí, com o apoio do Laboratório de Gestão, realizaram uma pesquisa com 130 empreendedores do setor de serviços. O objetivo foi identificar o grau de confiança que os entrevistados possuem em relação às suas atividades e também as principais necessidades de qualificação. Esta análise foi realizada pelos acadêmicos: Ricardo Missiak da Veiga, Gilson Lunardi, Lucas Dornelles, Rafael Steffler e Ray Schmidt

De acordo com o professor Luciano Zamberlan, coordenador da pesquisa, o Índice de Confiança é um indicador de antecedência uti­lizado para prever o nível de atividade de uma economia, neste caso, no setor de serviços. “À medida que os empreendedores estão confiantes, eles tendem a aumentar o investimento em seu negócio, melhorando a apresentação do ambiente, adquirindo equipamentos e realizando contratação de pessoal para atender o esperado crescimento na demanda. Para a composição deste índice considera-se o sentimento do empreendedor através de questões que avaliam as condições atuais e as expectativas futuras de sua própria empresa, do setor de atividade ao qual está inserida e da economia brasileira de uma forma geral. Obtidas tais informações, os índices são ponderados e cria-se um indicador geral de confiança que varia de zero a 100 pontos. Valores acima de 50 pontos indicam empreendedores confiantes”, explica o professor.

A partir dos dados obtidos através dos empreendedores do setor de serviços em municípios da Região Fronteira Noroeste, avaliou-se que as condições atuais (economia brasileira, setor de atividade e empresa) obtiveram 50 pontos, e as expectativas para os próximos seis meses (economia brasileira, setor de atividade e empresa) 63 pontos. O índice geral foi de 58,7 pontos, o que indica que os empreendedores se mostram confiantes.

A pesquisa revela que o ICES de 58,7 pontos foi obtido pelo fato dos empreendedores terem Expectativas Futuras de melhora para os próximos seis meses. Porém, na avaliação das Condições Atuais, no qual se questionou sobre a situação atual, em comparação com seis meses atrás, da Economia Brasileira, do Setor de Atividade e da própria Empresa, todos os índices ficaram no limite dos 50 pontos. O indicador que apresentou o menor valor foi o das Condições Atuais da Economia Brasileira, com 26,2 pontos em uma escala que vai de zero a 100.

Além da confiança, os empreendedores de serviços foram questionados a respeito das principais necessidades de capacitação que tinham para que pudessem melhorar a gestão de suas empresas. Foram identificadas 41 carências dos empreendedores a partir da pesquisa. O aspecto que mais necessitaria ser aperfeiçoado diz respeito ao Atendimento ao Cliente, tendo sido mencionado por 35,4% dos entrevistados, seguido de Gestão de Pessoas (33,9%) e Marketing (31,5%). A seguir estão listadas as 10 áreas apontadas pelos empreendedores como sendo as mais carentes em termos de qualificação para a gestão de seus negócios no setor de serviços: