Colapso do sistema de saúde foi tema do Rizoma

Com o tema “Saúde em colapso: um raio-x da pandemia”, o Rizoma Temático desta quarta-feira, 3 de março, foi ao ar na Rádio Unijuí FM para buscar respostas sobre os caminhos que nos levaram a uma situação crítica na saúde pública, com um número cada vez maior de casos e mortes causadas pelo coronavírus, e sobre o cenário que possivelmente teremos pela frente.

Foram convidados para tratar a temática o secretário municipal de Saúde, Márcio Strassburger; o médico pneumologista e professor no curso de Medicina da Unijuí, Carlos Henrique François; e o coordenador do Programa de Pós-Graduação em Atenção Integral à Saúde, Thiago Heck.

“Essa é uma situação complexa e há diversos determinantes que nos fizeram chegar a esta situação, como o não respeito ao distanciamento e as aglomerações. A verdade é que, em Ijuí, o sistema de saúde chegou ao seu limite. Estamos na beira do penhasco, com as Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) lotadas, com a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) com dificuldades para dar conta da demanda e com um crescente número de consultas na Central de Triagem: eram cerca de 60 atendimentos por dia no início de fevereiro e, já na última semana, passamos para 120. Nesta semana, o número deve ter aumentado”, afirmou o secretário de Saúde, lembrando que tanto a pasta quanto os hospitais têm se esforçado para dar conta da demanda. Mas lembra que todo sistema tem o seu limite. “Não falo apenas de limite de estrutura física, mas limite de estrutura humana. Nossos profissionais estão exaustos. Faltam pessoas. Nunca estivemos num momento tão ruim quanto agora”.

O professor Thiago Heck vem acompanhando a evolução da doença por meio das pesquisas que contam com a participação da Unijuí: a Epicovid19-RS, que contou com oito rodadas somente no ano passado, e a Epicovid19-BR.

Ele lembra que, o máximo de testes positivos que a Epicovi19-RS encontrou, num conjunto de 500 pessoas que foram testadas em cada rodada, foram quatro em 2020. Neste ano, na primeira rodada, o número já aumentou consideravelmente. Com a aplicação do teste Elisa, mais sensível, junto com o teste rápido, constatou-se que aproximadamente 10% da população de Ijuí já tem a presença de anticorpos.  “A pesquisa Epicovid19-BR também mostrou esse dado e aconteceu em paralelo à outra pesquisa. Casado a estes dados, temos informações sobre o distanciamento social. Entre fevereiro e março de 2020, o índice era de 30%. Chegamos a atingir 70% de distanciamento e isso foi caindo. Em fevereiro deste ano, ficou entre 19 e 29% - índice mais baixo que o período pré-pandemia.”

Na avaliação de Carlos Henrique François, Ijuí caminha para a situação caótica de outros municípios. “As UTIs estão lotadas e os hospitais estão tentando abrir mais leitos para atender os pacientes mais graves. É possível chegarmos a ter que fazer a escolha de quem vai receber o cuidado intensivo. Lembrando que não vamos conseguir escapar do aumento de mortes. Não vamos conseguir parar a conta do que aconteceu há 15 dias. O que podemos fazer é agir para mudar as próximas duas semanas”, reforçou o médico.

Confira o debate completo no podcast abaixo:

Ou assista a live no Facebook: