Impacto da pandemia na saúde mental dos professores é tema do Rizoma

A pandemia de covid-19 forçou mudanças e impôs desafios a toda a sociedade. Na área da educação, os professores tiveram que se reinventar para dar continuidade às aulas a distância e, há mais de um ano, reorganizam seus conteúdos para manter os estudantes motivados. Mas, como vencer esta distância, já que nem todos os alunos têm acesso às tecnologias? Como mantê-los motivados? Como seguir trabalhando com o peso de uma sociedade dividida, que deseja e também teme o retorno às aulas presenciais, mas que, de qualquer forma, cobra resultados dos educadores?

Para debater estas questões, o Rizoma Temático da Rádio Unijuí FM debateu nesta quinta-feira, dia 27 de maio, o “Impacto da pandemia na saúde mental dos professores”. Foram convidadas a professora doutora do curso de Psicologia da Unijuí, Amanda Schöffel Sehn, coordenadora da pesquisa que investigou a saúde mental dos professores durante o período de pandemia; Karine Medina, graduada no curso de Psicologia da Unijuí, uma das participantes da pesquisa; Rosane Menezes, coordenadora pedagógica da 36ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE).

Ao fazer um apanhado deste período na área de abrangência da 36ª CRE, que conta com mais de 60 escolas, Rosane explicou que, no início da pandemia, as atividades eram organizadas e encaminhadas aos pais de forma física – eles iam até a escola, retiravam as atividades, e voltavam para entregar os resultados. Depois, a Secretaria Estadual de Educação recomentou a utilização do Google Classroom para realização das aulas. “É claro que, até hoje, muitos alunos não têm acesso às aulas online e, nestes casos, as atividades são encaminhadas de forma física, como acontecia no início. O governo do Estado disponibiliza o acesso à internet para que os estudantes possam acompanhar as aulas e realizar as atividades”, explicou Rosane, lembrando que, no final de abril, as aulas voltaram de forma escalonada. O retorno, no entanto, foi opcional.

Para entender o impacto que todo este processo teve na saúde mental dos professores, foi desenvolvida a pesquisa “Atravessamentos da Covid-19 na educação: um olhar para a saúde mental do professor e as relações pedagógicas”, a partir do trabalho de professores e estudantes que estavam cursando o Estágio de Ênfase Educacional em Santa Rosa. “Contamos com a participação de 159 professores das redes pública e privada, não apenas da região, mas de outros estados, como São Paulo, Santa Catarina e Rio de Janeiro. Como a pesquisa aconteceu de forma online, uma participação mais ampla foi possível”, explicou a professora, lembrando que a pesquisa contou com duas etapas: aplicação de um questionário e realização de uma entrevista aos educadores interessados.

De acordo com a docente, dos 159 entrevistados, 89% eram mulheres e 99,4% possuíam o Ensino Superior completo: 144 atuavam na docência em diferentes níveis de ensino, 14 ocupavam algum cargo de gestão e um atuava como monitor.

A pesquisa mostrou que 90% dos professores não estão sozinhos em casa e que o trabalho remoto trouxe como consequência uma sobrecarga de trabalho – afirmação dada por 86% dos entrevistados. “A educação já se encontrava num momento ruim, com os professores relatando um mal-estar. Já vínhamos identificando adoecimentos e licenças e a pandemia agravou o cenário. Além da adaptação que foi exigida dos professores – até ouvi o relato de uma educadora que disse que não sabia alfabetizar no formato online, o acesso ao ensino e à aprendizagem passou a exigir das famílias não apenas o acesso à internet, mas a recursos. Tivemos, aí, a exposição da desigualmente. O processo de mediação acabou ficando a cargo dos pais, que passaram a se queixar aos professores que estavam cansados, que não conseguiam prestar esse auxílio aos filhos, já que alguns possuem até baixa escolaridade. E em meio a todo este contexto, os educadores são expostos à burocracia, ao preenchimento de inúmeras planilhas, e precisam conciliar todo o trabalho a cursos de formação. O resultado é a sobrecarga de trabalho.”

Karine Medina, já graduada no curso de Psicologia, foi uma das estagiárias que auxiliou na elaboração e aplicação da pesquisa. De acordo com ela, foi na realização da primeira etapa da pesquisa, de coleta de dados, que observou-se a necessidade de abrir um espaço de escuta aos professores interessados.

Confira a pesquisa neste link.

Confirma o Rizoma Temático na íntegra: