"Experiências que jamais poderão ser apagadas"

                 

Por: Bethina Rafaela Burckardt - estudante de Direito

Realizar um intercambio é sair da zona de conforto. Mesmo isso não sendo novidade para ninguém, acredito que a gente não saiba o que isso realmente significa, até viver a experiência. Esses seis meses que morei em Portugal para estudar Criminologia na Universidade do Porto, me trouxeram muitos ensinamentos, experiências que jamais poderão ser apagadas.

Ao sair de Ijuí rumo a Porto Alegre para pegar o que seria o primeiro voo da minha vida, senti muito medo e expectativa. E, hoje, após o meu retorno, me vejo sentindo muita coragem e ainda mais expectativas do que a vida e o mundo têm para oferecer. O intercambio é a possibilidade de ver o quão grande o mundo é.

Desde a fase de inscrição, a incerteza é uma companheira e, ao chegar lá, ela continua ao nosso lado. Incerteza de que matérias está cursando, qual sala de aula, do conteúdo e dos métodos de ensino e avaliação, porém, ao frequentar as primeiras aulas, já soube que vinha com uma base muito boa no estudo da Criminologia da Unijuí. Com o passar do tempo comecei a valorizar mais ainda nossa instituição de ensino, que nada deixou a desejar para que eu pudesse acompanhar os demais colegas portugueses. Além de aprender a valorizar pequenas coisas, como o atendimento da Unijuí com os alunos e o nosso contato mais próximo com os professores.

Organizar-se em uma cidade nova, em um país novo, exige paciência. Além disso, poder contar com as dicas e informações dos outros brasileiros que estão lá há mais tempo é fundamental, ou até mesmo dos que chegaram junto com você. Acaba se formando uma grande família, uma base para esta aventura. Além do mais, o que ajuda, e muito, também é a própria estrutura da cidade, que é de uma cidade grande em um espaço territorial pequeno e ainda é muito segura, o que facilita e muito. Ademais, Porto é uma cidade linda, que nos beneficia com um pôr do sol incrível.

Estar em um país europeu também possibilita para conhecer novos lugares, tanto dentro do próprio país que está, quanto outros países, pois os valores de passagens são acessíveis se comparados a uma viagem dentro do próprio Brasil. Assim, em minha experiência, tive a oportunidade de conhecer mais cinco países e um pouco mais de Portugal.

Desse modo, a experiência de viajar, de estudar em outro país é enriquecedora profissionalmente, e muito mais pessoalmente. Conviver com outras culturas, com o diferente, me trouxe questionamentos, autoconhecimento, e uma busca infinita por evoluir. Porém, viajar também traz o aprendizado de valorizar suas origens, seu país, suas coisas boas e a busca por tornar ele um lugar melhor. Por isso, é bom viajar, ainda mais sabendo que temos um lugar para chamar de nosso (nosso país, nossa casa, nossa universidade), como diz o ditado popular: viajar é bom, mas voltar para casa é melhor ainda.