COMUNICA

PORTAL DE NOTÍCIAS DA UNIJUÍ

Extensão

Projeto de Extensão Cinema e Direitos Humanos terá exibição do documentário Minha Fortaleza

O Projeto de Extensão Cinema e Direitos Humanos da Unijuí realiza na próxima quarta-feira, dia 14 de abril, às 14h, a sessão do filme “Minha fortaleza, os filhos de fulano”. Mediada pela professora doutora Joice Nielsson, a sessão contará com a presença da diretora do filme, Tatiana Lohmann. Para se inscrever, basta acessar este link.

A obra documental, dirigida por Tatiana Lohmann, convive com três famílias afetadas pela falta de pai na Vila Flávia, periferia de São Paulo, onde a mãe solitária adquire, principalmente aos olhos dos filhos homens, aura de santa guerreira, cultuada nos corpos tatuados e nos muros grafitados.

O filme, destaque no Festival do Rio em 2019, teve a sua première internacional no American Black Film Festival (ABFF) em 2020, e entrou em cartaz no Cine Petra Belas Artes no mês de fevereiro, enfrentando a maré desafiadora para a área cinematográfica ocasionada pela pandemia de covid-19.

Em um país onde, segundo o IBGE, 12 milhões de mães chefiam casas sozinhas, 57% delas vivendo abaixo da pobreza, o filme nos faz refletir sobre masculinidade, machismo, abandono parental e mães solo, a partir de uma narrativa sensível, incisiva e emocionante. A falta de pai dentro de casa é condição comum a todas as classes sociais no Brasil e o número de famílias chefiadas por mulheres vem crescendo exponencialmentel. Nas periferias dos grandes centros urbanos, estes números são muito maiores, seja porque os homens rejeitam a paternidade, seja porque estão presos ou mortos.

É sobre um quadrilátero de quarteirões, a Vila Flávia, umas das inúmeras periferias pobres e violentas, solidárias e criativas, que o filme se debruça, observando em três famílias as relações entre mãe e filho criado sem pai – num momento em que estes filhos já são pais também e procuram não repetir os mesmos erros.

Eles louvam suas mães, que definem como guerreiras, como heroínas, como santas. Sozinhas, elas se mostram como talvez poucos as tenham visto neste universo que procura louvar a mulher sem perceber que a mantém presa num pedestal que elas não desejaram e que muito se assemelha à figura da mater dolorosa.

Segundo a diretora Tatiana Lohmann, o objetivo do filme sempre foi falar a língua das periferias que ele aborda, buscando garantir que os e as personagens se sentissem representados e que as questões relacionadas à ausência do pai e a consequente idealização da mãe pudessem provocar identidade e reflexão - em primeiro lugar na comunidade onde foi filmado.


Projeto de Extensão auxilia jovens no desenvolvimento computacional

O Projeto de Extensão Programe o seu Futuro, da Unijuí, coordenado pelo professor Marcos Cavalheiro, parte de um trabalho conjunto entre a Universidade, escolas públicas e privadas. Ele surge na perspectiva de gerar uma mudança de paradigma, despertando nos estudantes, além da busca pelo conhecimento matemático e tecnológico, o espírito empreendedor. 

A iniciativa está em desenvolvimento há um ano na Universidade, possibilitando aos alunos a realização de projetos voltados à sociedade e a soluções de problemas verdadeiros. Atualmente, as oficinas são realizadas no formato online. O projeto é formado por professores que discutem e definem a linha de ação a ser adotada, considerando os conteúdos a serem abordados, a metodologia e plataformas que serão utilizadas. Em sequência são ajustadas as atividades dos bolsistas que vão viabilizar a troca de conhecimento por meio de oficinas com os estudantes integrantes do projeto.

Segundo o coordenador, o projeto é importante para a comunidade na medida em que leva para os estudantes dos Ensinos Fundamental e Médio os conhecimentos que consolidam o pensamento computacional e instiga o olhar empreendedor. “O pensamento computacional é fundamental para a sociedade atual, seja nas suas relações sociais ou de trabalho. Esse aprimoramento da lógica, por parte dos estudantes, é inevitavelmente expandido para o seu círculo familiar, retroalimentando uma espiral de conhecimento. Em outras palavras, além de ajudar os estudantes, deixando-os mais preparados para os novos desafios do trabalho, ajuda o círculo familiar na percepção das mudanças tecnológicas que os rodeiam”, explicou Marcos.

Por Evelin Ramos, bolsista de Popularização da Ciência da Unijuí

Confira mais sobre o projeto:


Comunicação e empreendedorismo são trabalhados nas escolas em Projeto de Extensão

Com mais de 40 educandários atendidos, o Projeto de Extensão Rádio, Tecnologias e Empreendedorismo na Escola, da Unijuí, orienta-se pela educomunicação, que trabalha com princípios baseados na educação, comunicação e nas tecnologias que são empregadas para o ensino. Mas, a partir das mudanças ocorridas na sociedade durante os últimos anos, outra área importante acabou se integrando ao projeto: a de gestão amparada aos princípios do empreendedorismo.

Desde 2008, o projeto tem como parceiras as Coordenadorias Regionais de Educação (CREs) e Secretarias Municipais de Educação pertencentes às regiões de abrangência dos quatro campi da Universidade: Ijuí, Panambi, Santa Rosa e Três Passos. O projeto é desenvolvido em escolas municipais e estaduais.

Segundo a coordenadora, professora Rúbia Schwanke, os alunos participam do projeto realizando oficinas voltadas às áreas da  comunicação, administração e também das finanças. “São implantadas rádios educativas nas escolas, onde um grupo de alunos e professores trabalha em todo processo de comunicação, educação e introdução destas tecnologias. O empreendedorismo é valorizado a partir da realização de oficinas, voltadas para as finanças, tanto pessoais quanto da própria escola, e também no desenvolvimento do olhar empreendedor”, explica a educadora.

Por Evelin Ramos, bolsista de Popularização da Ciência da Unijuí

Saiba mais:


Projeto de Extensão promove reflexão sobre cidadania e direitos humanos

Desenvolvido por estudantes e professores, desde o ano de 2006, o Projeto de Extensão Cidadania para Todos busca promover a educação para a cidadania e para os direitos humanos por intermédio de oficinas e palestras, planejadas e organizadas a partir de grandes eixos temáticos.

“O tema principal do nosso projeto são os direitos humanos, e entre eles estão o direito à dignidade, ao respeito e a uma vida livre de violências”, explicou a coordenadora do projeto, professora Ester Hauser.

Uma vida sem violência, no entanto, não significa necessariamente uma vida sem conflito - palavra geralmente ligada a uma situação difícil, que gera desgaste e que coloca duas pessoas em oposição. “Geralmente pensamos em disputas que podem desgastar relações ou, até mesmo, no limite, produzir violências, sejam elas verbais, morais e até físicas. No entanto, os conflitos podem ter aspectos positivos e isso só depende de como nós o encaramos”, explica a bolsista do projeto,  Marina Della Méia Vieira.

O conflito não precisa ser um momento de enfrentamento. Se o indivíduo souber ouvir o outro, essa pode ser uma oportunidade de aprendizado individual  e coletivo, tanto sobre si quanto sobre o outro. É necessário usar estratégias de comunicação não violenta, e se comunicar de forma adequada, respeitando a diversidade de ideias e soluções, superando a lógica de que um conflito necessita ter vencedores e perdedores.  

Para a coordenadora  Ester Hauser, “em uma abordagem não violenta, o conflito não é visto como algo a ser evitado, reprimido ou ignorado, mas  um convite para dialogar, de modo que todos expressem seus sentimentos e necessidades e consigam construir soluções coletivas para os desafios ou problemas.” 

Por Evelin Ramos, bolsista de Popularização da Ciência da Unijuí

Saiba mais sobre o projeto:


Projeto de Extensão trabalha a prevenção e promoção à saúde da população

O Projeto de Extensão Educação em Saúde, desenvolvido pela Unijuí, envolve acadêmicos e professores dos cursos da área da saúde. O projeto se mantém ativo desde 2018 e já atingiu mais de 4 mil pessoas de Ijuí e região, desde crianças até idosos. A coordenação é realizada pela professora Angélica Moreira.

Segundo a coordenadora do curso de Enfermagem, professora Marinez Petenon, o principal objetivo do projeto é a prevenção e a promoção da saúde das pessoas. “Para que isso seja alcançado, as ações são pensadas priorizando o cuidado integral que engloba a prevenção de doenças e agravos à saúde, a redução dos riscos, a atenção ao diagnóstico precoce, o tratamento e a reabilitação”, explica Marinez.

Por meio do projeto, os professores e estudantes se reúnem semanalmente e trocam experiências. Ocorrem capacitações e oficinas para preparar toda equipe para a intervenção junto à comunidade e, além disso, são realizadas oficinas nos laboratórios da Universidade e palestras em grupos de convivência de idosos.  

São realizadas visitas domiciliares a idosos e gestantes, tendo como objetivo o acompanhamento e identificação de possíveis riscos e agravos  à saúde. Já com crianças e adolescentes, são feitas mostras em escolas e instituições, utilizando como recurso peças anatômicas, equipamentos de exposição de alimentos ultraprocessados e análise de pele, para demonstrar a importância do uso do protetor solar. Também são utilizados jogos educativos e palestras, abordando temas importantes na adolescência, como sexualidade, depressão, uso de drogas, postura e alimentação saudável, oportunizando o esclarecimento de dúvidas aos adolescentes. 

Para Daniela Dreher, fisioterapeuta e professora, quando falamos em práticas de educação e saúde, precisamos pensar em um conceito que vai muito além do não adoecer. “Esse conceito engloba a autonomia dos sujeitos e a pessoa como um todo. Isso contribui para a construção do autocuidado e a conservação da saúde”, ressalta a professora.

Para a acadêmica de Farmácia e bolsista do projeto, Angélica Cristina Rodrigues, participar desta iniciativa é uma experiência única. “Ser bolsista nos proporciona uma bagagem de conhecimentos e aprendizados, através da troca de experiências entre professores e alunos”, salienta.

Por Evelin Ramos, bolsista de Popularização da Ciência da Unijuí

 

Conheça mais sobre o projeto:


Projeto de Extensão Física para Todos já chegou a mais de 140 mil pessoas

O ano de 2021 já começou com novidades para o Projeto de Extensão Física para Todos da Unijuí. Desenvolvido há mais de 20 anos, o projeto, que leva mostras interativas a toda a região, foi contemplado no edital do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). A verba será destinada ao desenvolvimento de oficinas de introdução eletrônica para os alunos das escolas públicas de Ijuí.

“Nos últimos anos, foram realizados alguns trabalhos com a área das engenharias e, especialmente, com a introdução eletrônica, informática e robótica. Atualmente estão sendo realizadas exposições temáticas, em áreas como astronomia e eletromagnetismo. Já para este ano, o projeto organiza duas exposições, uma no campus de Ijuí e outra em Santa Rosa”, explicou o coordenador do projeto, professor Nelson Toniazzo.

Iniciado em 1996, o projeto conta com professores do Departamento de Ciências Exatas e Engenharias (DCEEng) da Unijuí e tem o objetivo de promover a difusão e  popularização da ciência para estudantes, professores e comunidade em geral, visando contribuir para a educação científica e também a inclusão social. "Tínhamos o curso de Física, que formava professores para as escolas, e paralelo a isso, foi desenvolvido um conjunto de atividades experimentais que originou o projeto atual. Além do apoio institucional, participamos de diversos editais, que auxiliam na construção do projeto. Mais de 140 mil pessoas já passaram pelas nossas exposições”, destaca o coordenador.

O projeto é desenvolvido com bolsistas do Programa Institucional de Bolsas de Extensão (Pibex), que representam diversos cursos, como Engenharias, Arquitetura, Designer e Ciências da Computação. “Eles participam ativamente e dão vida a esta iniciativa”, comenta Toniazzo. "Este projeto também está aberto para outros cursos da Universidade, que queiram fazer parte", completa o professor.

Conheça mais sobre o projeto neste link.

Por Evelin Ramos, bolsista de Popularização da Ciência da Unijuí


Projeto de Extensão sobre Regularização Fundiária é debatido entre Unijuí e Executivo

Projeto de Extensão Regularização Fundiária Urbana (Reurb): direito social à moradia digna, desenvolvido por acadêmicos e professores do curso de Direito da Unijuí, esteve em pauta, nesta semana, junto ao poder Executivo. Em uma reunião, que contou com a presença da coordenadora do projeto, professora Patrícia Borges de Moura, tiveram início as tratativas para formalização de um convênio com a Unijuí, que tem como finalidade garantir a execução do Projeto Reurb 2021/2022 no Município. O encontro contou com a presença do secretário de Planejamento, Chico Ortiz, e dos representantes da Secretaria de Habitação: Marcelo Buss, secretário, Erasmo José Gottems, assessor jurídico, e Simone Moraes, assistente social.

Destacamos a importância de dar continuidade à parceria com a gestão pública, tendo em vista não só a relevância da regularização fundiária urbana para os cidadãos, em especial aqueles pertencentes a famílias consideradas de baixa renda, mas também para os acadêmicos do curso de Direito que, vinculados ao projeto, podem estar em contato com a realidade social, garantindo a aplicação prática de conhecimentos teóricos e metodológicos adquiridos”, explicou Patrícia.

O Projeto de Extensão tem como propósitos estabelecer a integração entre a Universidade e a comunidade externa, fomentando a criação de espaços de informação e de resolução de conflitos fundiários urbanos existentes, e conter a ocupação desordenada dos espaços urbanos. Também, busca promover a reflexão e a socialização de informações sobre temas relacionados ao direito social à moradia digna e ao meio ambiente sadio e equilibrado, visando a emancipação dos sujeitos sociais. Por fim, também trabalha pelo comprometimento do poder público municipal e dos demais agentes públicos e sociais envolvidos com a temática do planejamento habitacional.

O projeto tem por base a Lei Federal nº 13.465/2017, que elenca uma série de medidas administrativas, jurídicas, ambientais e sociais a serem adotadas pelo poder público, a fim de melhorar as condições de moradia de ocupantes de imóveis em situação irregular, bem como impor um maior planejamento da ocupação do solo urbano. A reunião foi bastante produtiva, no sentido de iniciar as tratativas para formalização deste convênio, uma questão muito importante para a viabilidade do projeto e o estreitamento de laços entre a Unijuí, o poder Executivo e a comunidade ijuiense”, reforçou a educadora.


Projeto de Extensão da Unijuí realiza o acompanhamento de bebês prematuros

Desenvolvido pela Unijuí, o Projeto de Extensão Prematuros: prevenção, apoio e cuidado, realiza o acompanhamento de bebês prematuros nascidos no município de Ijuí. No mundo, para se ter uma ideia, cerca de 10% dos bebês nascem antes de 37 semanas de gestação, o que acarreta, muitas vezes, danos à saúde e ao desenvolvimento da criança.

Coordenado pela professora do curso de Fisioterapia, Simone Zeni Strassburger, o projeto também visa a elaboração de cartilhas educativas. “As cartilhas são compostas por dicas e informações importantes relacionadas à própria prematuridade e o desenvolvimento do bebê. Também possuem informações sobre a introdução alimentar e explicações sobre os cuidados com os recém-nascidos. Para além destas ações, é realizado o acompanhamento domiciliar”, explica a coordenadora.

O Projeto de Extensão Prematuros existe desde o ano de 2016 com o principal objetivo de acompanhar o crescimento e o desenvolvimento neuropsicomotor de bebês prematuros após a alta da UTI Neonatal, até os dois anos de idade. 

Saiba mais sobre o projeto neste link.

Por Evelin Ramos, bolsista de Popularização da Ciência da Unijuí


Alunos e professores assumem protagonismo no Projeto de Extensão Feiras de Matemática

Desde 2016, a Unijuí vem se destacando com o Projeto de Extensão Feiras de Matemática no Rio Grande do Sul, coordenado pelo professor Peterson Cleyton Avi. Resultado de uma parceria entre a Universidade, 36ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE), redes municipal e particular de ensino, o projeto configura-se num processo educativo científico-cultural, que alia vivências e experiências, da qual podem participar, na condição de expositores, alunos matriculados na Educação Básica, Educação Superior e Educação Especial, além de professores e membros da comunidade.

Por meio de uma feira anual, o projeto de extensão socializa trabalhos que são desenvolvidos durante o ano letivo em escolas públicas e privadas. A 1ª Feira Regional de Matemática do Rio Grande do Sul aconteceu na Unijuí em 2017, onde foram expostos 81 trabalhos. No ano seguinte, através de uma parceria com o Instituto Federal Farroupilha, foi realizada em Panambi a segunda edição do evento, com exposição de 97 trabalhos. Já em 2019, em Santa Rosa, ocorreu a 1ª Feira Regional de Matemática, que contou com a socialização de 47 trabalhos.

“Antes do projeto existir, eram construídos ótimos trabalhos nas escolas, porém, não se tinha a chance de socializá-los. A feira dá essa oportunidade e tem como princípio a valorização dos alunos e professores. Eles são os protagonistas”, afirmou o professor.

A Feira de Matemática gira em torno do reconhecimento do professor e de processos de ensino e de aprendizagem em Matemática, que têm a pesquisa como um dos princípios norteadores, e visam o letramento matemático por meio de competências relacionadas ao raciocínio, à comunicação, à representação e à argumentação em Matemática.

Conheça mais sobre o projeto neste link.

Por Evelin Ramos, bolsista de Popularização da Ciência da Unijuí


Projeto de Extensão da Unijuí quer construir alternativas de inclusão para a comunidade

O Projeto de Extensão Gestão Social e Cidadania, desenvolvido pela Unijuí, já traçou novos desafios para este ano, conforme destacou o coordenador, professor Sérgio Luís Allebrandt. A ideia é trabalhar juntamente com outros agentes da comunidade, especialmente da Administração Pública, na construção de alternativas de inclusão social e empoderamento dos cidadãos que integram o Parque da Pedreira e seu entorno.

Seremos um ator na construção de um desenvolvimento sustentável, socioeconômico e cultural, no sentido de efetivamente viabilizar políticas públicas que promovam o protagonismo dos moradores locais no processo de desenvolvimento sustentável”, explicou o docente. 

Consolidado com o nome de Gestão Social e Cidadania, desde 2004 o projeto de extensão tem como  principal objetivo a ampliação e fortalecimento dos espaços públicos, com empoderamento dos sujeitos. “A iniciativa busca fortalecer os cidadãos com informações, não só para mediação dos espaços públicos, mas para atuação com os poderes públicos constituídos”, reforçou o professor.

Conheça mais sobre o projeto neste link.

Por Evelin Ramos, bolsista de Popularização da Ciência da Unijuí