COMUNICA

PORTAL DE NOTÍCIAS DA UNIJUÍ

Institucional

Painel “Oportunidades de Investimentos em tempos de crise da pandemia de covid-19” será realizado na próxima semana

            

Com o objetivo de trazer reflexões sobre as oportunidades neste tempo de crise provocada pela pandemia da covid-19, o Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - DACEC da Unijuí realizará diversos eventos neste mês de agosto. O primeiro painel será realizado no dia 13, com o tema "Oportunidades de Investimentos em tempos de crise da pandemia Covid-19" e vai marcar o Dia do Economista, comemorado na mesma data.

O evento é destinado a estudantes da graduação e pós-graduação, professores e comunidade em geral com interesse no tema. A inscrição, neste link, é gratuita e o painel será online, por meio da ferramenta de videoconferência Google Meet, com acesso pelo link: meet.google.com/bbo-rxsz-myr.

Na programação, vão participar Eliseu Mânica Júnior, consultor financeiro e certificado pela CVM Macroeconomic Risks - Columbia University, Nova York - USA e Keli Schumann, economista e assessora de investimentos Sicredi. A mediação será do Profº Dr. Argemiro Luís Brum, professor titular do PPGDR/DACEC da Unijuí.

“O tema, bem como os painelistas, foram pensados e sugeridos pelos professores da Economia: Professor Argemiro e professora Marlene. Diante da situação em que estamos vivendo, de grandes incerteza, mudanças, instabilidades financeira, política, acreditamos que trazer reflexões sobre quais as oportunidades que surgem seja um diferencial. Por mais complexo e difícil que seja este momento, sabemos que períodos de crise também são grandes oportunidades de criação, de inovação. A história nos mostra isso. Neste sentido, a discussão busca olhar para as possibilidades, as oportunidades e não somente para os problemas (que todos já sabemos: são muitos!)”, observa a professora Fernanda Pasqualini.

Outros eventos com temáticas convergentes serão realizados em 9 de setembro, marcando  o dia da Administração e no dia 22 de setembro, com painel em comemoração ao dia da Ciências Contábeis. Segundo a professora Fernanda Pasqualini, em cada um dos eventos será abordada uma temática da área, sempre aberto a participação da comunidade. A participação vai valer como horas de atividade complementar para os estudantes do Departamento.


Residência Multiprofissional em Saúde da Família vai desenvolver programação sobre amamentação pelo Youtube

              

A Residência Multiprofissional em Saúde da Família, ofertada em Santa Rosa em uma parceria entre a Unijuí e a Fundação Municipal de Saúde de Santa Rosa (FUMSSAR), vai realizar, durante este mês, uma série aulas abertas, em lives no Youtube, para discutir questões importantes do aleitamento materno. Denominado Agosto Dourado, a programação vai ser desenvolvida em três dias, com a participação de profissionais de diversas áreas de atuação. As falas serão transmitidas no Youtube da Unijuí

A programação inicia na próxima terça-feira, dia 11 de agosto, com a fala “Aleitamento materno como potência do desenvolvimento do bebê”, às 14h, que será realizada por Bianca Regina Dresch, fonoaudióloga da FUMSSAR. Depois, às 19h, será a vez da fala “Banco de Leite e seu funcionamento em tempos de pandemia”, com a nutricionista do Hospital Vida e Saúde de Santa Rosa, Angélica Rieth Samrsala. Em seguida, encerrando a programação, ocorre a palestra “Processo de Trabalho em residência Materno Infantil de Santa Maria”, que será realizada pela fisioterapeuta Amanda de Souza Brondani e pela enfermeira Camila Hausen. Também haverá programação nos dias 19 e 27 de agosto.

De forma gratuita, os eventos, que estão sendo organizados pelos residentes do Programa em conjunto com os professores e instituições parceiras, vão emitir certificados aos participantes, mediante inscrição. Acesse este formulário para receber o certificado de participação. Para ficar por dentro da programação ao longo mês, acesse o Instagram da residência, neste link

“Acreditamos que as temáticas selecionadas podem trazer boas discussões sobre a maternidade e o aleitamento. Nosso objetivo é proporcionar estas discussões sobre conceitos que envolvem o tema, além de despertar reflexões sobre nuances no processo de amamentação, como a mulher que trabalha e amamenta, mulheres que são HIV positivas e precisam desenvolver estratégias, quais as políticas públicas de saúde da atualidade, entre outras”, observa o cirurgião-dentista da Residência e um dos organizadores dos eventos, Maique Rodrigues Vieira.

Programação completa

               
 

Sobre a Residência

O Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família é um curso em nível de Pós-Graduação Lato Sensu que forma profissionais para atuarem preferencialmente na atenção básica à saúde. O curso é realizado através de uma parceria entre a UNIJUÍ e Prefeitura Municipal de Santa Rosa, por meio da Fundação Municipal de Saúde de Santa Rosa (FUMSSAR).

O programa oferece bolsas de estudo financiadas pelo Ministério da Saúde para profissionais de sete áreas da saúde. O curso exige dedicação de 60 horas semanais em Atividades de Formação e Atividades de Ensino em Serviços desenvolvidas nas Unidades e Serviços de Saúde de Santa Rosa. Saiba mais acessando a página, neste link.

 


Entenda como a nota de R$ 200 pode impactar a vida da população brasileira

            

Foto: Agência Brasil

Ela já tem cor (cinza) e animal para caracterizá-la (lobo-guará), devendo entrar em circulação ainda no mês de agosto deste ano. Sim, teremos uma nova nota, no valor de R$ 200. Uma “novidade” como esta na economia tem consequências reais e bem palpáveis aos cidadãos. Desta forma, consultamos o professor Dr. do Programa de Mestrado e Doutorado em Desenvolvimento Regional, o economista Argemiro Luís Brum, que esclareceu diversos pontos desta medida econômica do Governo Federal. Confira:

- Qual o motivo da criação desta nota?

Normalmente, quando um país cria uma moeda de maior valor do que o circulante normal, é um sinal de inflação no país. Ora, apesar de a inflação real brasileira ser maior, em geral, do que o índice oficial (IPCA) anunciado mensalmente pelo governo, a mesma continua bastante baixa e, portanto, não justifica a criação de uma nova moeda. Diante disso, o que o Banco Central alega e é verdadeiro nesta história:

1) com a pandemia houve um aumento na demanda por dinheiro vivo porque, além de o governo ter que liberar mais recursos públicos, a população, em boa parte, continua com os efeitos psicológicos do passado quando, em época de crise, o dinheiro sumia e/ou o governo confiscava (a era Collor quem viveu não esquece). Assim, a população, diante da pandemia, passou a entesourar o dinheiro vivo, isto é, guardar em casa de medo de perdê-lo, não pela inflação, pois ninguém guarda em casa algo que perde valor, mas sim de medo do governo. Com isso, há menor quantidade de dinheiro circulando no mercado.

2) este segundo ponto me parece mais convincente: o Banco Central calculou que o custo de fabricar mais notas de R$ 100,00 obviamente acaba sendo o dobro em relação a uma nota de R$ 200,00 (ao invés de duas notas, fabricar-se-á uma nota). Soma-se a isso, o fato de o Brasil ser um país socialmente muito pobre (ainda), onde 40% da população não possui conta bancária. Segundo pesquisa feita em 2018, ainda 60% dos entrevistados disseram que usam o dinheiro vivo como forma de pagamento mais utilizada. Ou seja, ainda são muito poucos os que usam os meios eletrônicos para pagamento e compra de bens. Isso é uma consequência da grande desigualdade existente no país e que pouco se faz para modificá-la. 

- O que se espera criando ela?

O governo espera que isso facilite a vida das pessoas, pois a pandemia está obrigando a irrigar mais o mercado com dinheiro vivo. Mas há grandes dúvidas e problemas nisso:

1) a população, maioria pobre, já encontra dificuldade em trocar uma nota de R$ 100,00, pois compra bens de baixo valor. Agora, com uma nota de R$ 200,00 esta realidade vai piorar, já que será preciso ainda mais oferta de dinheiro miúdo. E já encontramos escassez, no mercado de moedas, incluindo a de um real, assim como de notas de R$ 5,00 e R$ 10,00 seguidamente. Isso poderá ficar ainda pior;

2) muitos especialistas acreditam que o crime organizado terá a vida facilitada, pois, em princípio, manipulará o mesmo valor com menos volume de papel moeda (neste sentido, a lavagem de dinheiro seria favorecida);

3) se a questão é municiar a economia em função da demanda excepcional promovida pela pandemia, não faz nenhum sentido criar nova moeda por isso, pois logo adiante espera-se que a pandemia desapareça ou diminua substancialmente (assim que vier uma vacina eficiente).

              

- Como pode afetar a economia e o dia a dia das pessoas?

Se o governo, que pensa emitir 450 milhões de unidades da nova cédula (o que equivale a colocar no mercado 90 bilhões de reais), continuar a emitir a mesma quantidade de notas de R$ 100,00, além de não ocorrer a economia direta esperada na fabricação (ao contrário, os custos irão aumentar), haverá pressão inflacionária direta pela maior liquidez de dinheiro em um momento de recessão econômica. Será um desastre! Mas, por enquanto e sabiamente, o Banco Central anuncia que não irá fazer isso. Assim, a medida não terá impacto na base monetária do país, ou seja, não será um "dinheiro a mais" que irá circular e sim, cada nota de 200 reais substituirá duas notas de 100 reais (mas isso poderá complicar bastante na hora de se fazer troco para os 200 reais, como alertei acima). Neste segundo caminho, o efeito então será somente direto no dia a dia das pessoas, que terão de se habituar a gerenciar o consumo de 200 reais em uma nota apenas. Para quem não tem cultura financeira, como a maioria dos brasileiros, isso poderá ser um problema prático bem substancial. Dito isso, há muitas dúvidas de como isso afetará a população na prática.  

- O que mais é importante entendermos?

É ainda importante salientar que, em fazendo isso, o Brasil está indo na direção contrária do mundo, pois a grande maioria dos países, incluindo emergentes e subdesenvolvidos, estão eliminando as notas de grande valor e direcionando sua população para pagamentos via meios eletrônicos (incluindo o cartão de crédito). Isso reflete o atraso que temos nesta área, reflexo da baixa cultura e formação de boa parte da população nacional, que não aprendeu a lidar com estes meios eletrônicos. Além disso, muitos se endividam sobremaneira com o uso destes meios, justamente porque não possuem conhecimento financeiro para administrar este uso. Assim, escaldados, voltam a usar o dinheiro vivo como caminho. E o governo, ao invés de criar mecanismos de formação da população neste sentido, como a grande maioria dos países vem fazendo, ignora o processo, preferindo alimentar o mercado de dinheiro vivo. No médio prazo, se cristaliza mais um retrocesso de política pública em relação ao mundo globalizado em que vivemos.

 


Criatec realiza banca para novas empresas do Programa de Incubação

            

Na tarde de segunda-feira, dia 03, foi realizada, de forma online, a banca de avaliação para seleção das novas empresas incubadas da Criatec, a Incubadora de Empresas de Inovação Tecnológica da Unijuí. Serão quatro novas empresas incubadas (36 meses de apoio) e outros duas pré-incubadas (12 meses de apoio). 

A incubação consiste num conjunto de ações, composto por espaço físico e tecnológico, mais um pacote de serviços para apoiar o desenvolvimento dos negócios. Nessa fase são monitorados os indicadores de desempenho e realizadas ações para fortalecer as empresas. Ao final dessa etapa, que dura até 36 meses, a empresa deve atingir os indicadores de maturidade e sair da incubação.  

Já a pré-incubação consiste num conjunto de ações para validar a ideia no mercado e desenvolver o protótipo da solução que o empreendedor pretende desenvolver. Os projetos pré-incubados podem utilizar uma estação de trabalho no Coworking, além dos laboratórios da Criatec e mais um conjunto de qualificações em metodologias de planejamento e validação. 

As empresas e projetos selecionados serão abrigados na sede da Criatec, que fica na Rua do Bosque, próximo ao Campus Ijuí, mediante assinatura de um contrato a ser firmado entre as partes. No próximo dia 11 de agosto ocorre uma nova reunião online, às 8h30min, com todos os selecionados para encaminhamentos das próxima etapa. 

Projetos Selecionados para modalidade de Incubação

a) Agricon Busines

b) Check your Breath

c) Exec.dev

d) Grok

Projetos recomendados para modalidade de  Pré Incubação

  1. Supimpa Soluções Alimentícias

  2. Food Park


Unijuí viabiliza o empréstimo de equipamentos para estudantes realizarem atividades online com mais qualidade

          

Com a continuidade das aulas remotas em razão da pandemia de coronavírus, a Unijuí está viabilizando o empréstimo de equipamentos para que os estudantes possam acompanhar as aulas online com mais qualidade. Os alunos beneficiados com esta ação indicaram não ter equipamento disponível para acompanhar as aulas no formato online, a partir de pesquisa feita pelo Núcleo de Assessoria Pedagógica da Vice-Reitoria de Graduação no primeiro semestre de 2020.

Foram adquiridos 30 chromebooks novos, além de serem retirados 10 computadores de laboratórios de informática, além dos equipamentos usados, oriundos da campanha “Conexão Solidária”, que estão sendo revitalizados pelo Departamento de Ciências Exatas e Engenharias (DCEEng) e em breve também estarão à disposição para empréstimo junto à Biblioteca Universitária do Campus Ijuí. 

Os estudantes que necessitarem de equipamento para acompanhar as aulas online podem enviar um e-mail para biblio@unijui.edu.br, solicitando o benefício e fazendo uma breve justificativa do motivo. Estes equipamentos, além de ficarem registrados no sistema da Biblioteca Universitária, são emprestados mediante a assinatura de um termo de comodato de uso, que especifica as responsabilidades da utilização enquanto estiver sob os cuidados do estudante. O empréstimo é feito por 30 dias, podendo ser renovado diretamente no sistema.

Na última sexta-feira, foi feita a entrega do primeiro chromebook para a estudante Maria Luiza Schneider Freitas, do curso de Direito, que reside na Unicasa, na sexta-feira, dia 31 de julho. “Eu estou no quarto semestre. Esse computador vai me ajudar muito a fazer meus trabalhos de aula, pois só tinha celular em casa”, observa. Outros dois aparelhos iguais foram entregues no fim da tarde desta segunda-feira, dia 03 de agosto.

 


Unijuí seleciona estudantes para a Unicasa

           

A Unijuí está com inscrições abertas ao Processo Seletivo da Unicasa – 2º/2020. O candidato deve realizar inscrição exclusivamente na Central de Atendimento ao Aluno – Campus Ijuí, até o dia 18 de agosto de 2020. 

Serão disponibilizadas 17 vagas no total, sendo 04 para alunos do sexo masculino e 13 para alunas do sexo feminino. Lembrando que as vagas serão concedidas aos estudantes bolsistas do Prouni (50% ou 100%). Caso sobre vagas, a Universidade vai abrir edital com vagas remanescentes para alunos não-bolsistas.

Podem participar do edital apenas estudantes de cursos presenciais; não residir em Ijuí e não possuir curso universitário em nível de graduação. Intercambistas não participam deste edital.

Por serem bolsistas, não será necessário a apresentação de todos os documentos, apenas da ficha de inscrição (anexo ao Edital) e um documento com foto (original e cópia). Além disso, devem apresentar as certidões negativas criminais e cíveis, disponível no link:

http://www.tjrs.jus.br/site/servicos/alvara_de_folha_corrida e http://www2.trf4.jus.br/trf4/processos/certidao/

O resultado será divulgado na data de 19 de agosto de 2020, a partir das 17h, diretamente no link junto ao Edital.

 


As expectativas para o segundo semestre na Unijuí

             

No primeiro semestre deste ano, estudantes e professores da Unijuí foram desafiados, em razão da pandemia, na realização das atividades acadêmicas. Mostraram que é possível contornar a maioria deles com criatividade, dedicação e empatia. Nesta segunda-feira, dia 03 de agosto, novos desafios se apresentam no retorno às aulas para o segundo semestre do ano letivo. 

A Vice-Reitora de Graduação, professora Fabiana Fachinetto, observa que está sendo um momento de grande aprendizado para a Instituição. “Espero que todos tenham um excelente semestre, que mantenham o foco no objetivo maior, a formação do profissional. Seguiremos em frente sempre acreditando que isso tudo vai passar”, observa.

Com o aprendizado imposto no primeiro semestre pelas circunstâncias, agora busca-se dar continuidade às aulas sem prejuízo aos estudantes. “O primeiro semestre de 2020 foi muito desafiador para os alunos e professores, mas apesar das dificuldades do cenário atual, juntos conseguimos tornar o semestre muito produtivo, através das aulas online, de forma interativa e em tempo real. Parabenizo os professores pelo esforço e criatividade, superando as nossas expectativas em relação ao aprendizado. Por enquanto as aulas online são a melhor alternativa para a continuidade do semestre letivo”, observa Matheus Meotti, estudante de Agronomia.

Também existe o desafio de ser protagonista no processo de ensino e aprendizagem, além de entender a responsabilidade de não se gerar aglomerações neste momento. “Com um olhar social e solidário ao momento em que os alunos, professores e comunidade estão inseridos, a Unijuí soube administrar a volta às atividades, mesmo que, em grande parte, de maneira remota e online. Como aluna da área da saúde, retomar as atividades, pouco a pouco, é sinal de esperança em tempos difíceis e, também, experiência para lidar com as adversidades que poderemos, talvez, enfrentar no futuro, enquanto profissionais. Retomar os estudos acerca daquilo que amamos, sonhamos e planejamos acende a chama de fé e coragem, seja para suportar as dificuldades impostas pela pandemia, seja para acreditarmos em um amanhã mais consciente e humano”, complementa Maitê Lorenzoni Antonini, estudante de Medicina. 

              

Instituição preparada

Em atenção aos decretos e orientações federais, estaduais e municipais, a Unijuí iniciará o semestre com aulas online para os cursos naturalmente presenciais, assim como foi em quase todo o primeiro semestre. Na medida do possível, novas situações podem ser adotadas e comunicadas à comunidade acadêmica. Por enquanto, também estão autorizadas algumas aulas práticas e Estágios, que serão serão realizados conforme calendário acadêmico, a partir de 3 de agosto, com cronograma organizado pelas coordenações dos cursos, seguindo todos os protocolos de saúde expressos no Plano de Contingências, conforme Portaria Conjunta SES/SEDUC/RS nº 01/2020. Confira a nota completa

Segundo a Reitora da Unijuí, professora Cátia Nehring, retomar as atividades do segundo semestre, na forma on-line, não era o que a instituição estava planejando. “Gostaríamos de estar com os nossos quatro Campi repleto de estudantes, chegando e se encontrando, para mais um início de semestre. Porém, a situação ainda exige muito cuidado de todos. Neste sentido, a Unijuí continua se desafiando para manter a qualidade de sua formação e desenvolver todas as atividades de uma Universidade: ensino, pesquisa e extensão. Este semestre teremos grandes desafios institucionais e com sabedoria construiremos alternativas, principalmente continuaremos na construção de uma Universidade comunitária e regional com pertinência para suas comunidades. Desejo a todos um excelente semestre!”.

Relembre alguns momentos deste primeiro semestre nas imagens

Algumas perspectivas sobre este segundo semestre:

Após o término do primeiro semestre de 2020, espero da Universidade e dos professores o mesmo empenho que ambos apresentaram no início das aulas online, porém, agora desfrutando ainda mais das ferramentas tecnológicas. Ao contrário do que muitos acham, a modalidade de aulas online da Unijuí tem mostrado a todos que sim, é possível aprender e transformar, mesmo estando distante. Logo, destaco que as minhas expectativas para esse novo semestre são as melhores, desde organização e empenho, para que seja possível compartilhar conhecimentos e concretizá-los. - Anna Carolina Mazzola, acadêmica de Direito.

“Esse primeiro semestre foi um pouco surpreendente, mas com todos os objetivos alcançados, mesmo que alguns com uma certa distância e cuidado em virtude do momento que estamos passando. Acredito que, a respeito do segundo semestre, estamos todos ansiosos para que ocorra de forma mais tranquila, mas que seja um semestre de muita entrega, crescimento e evolução”. - Thais Moureira, estudante de Gastronomia.

“É uma realidade que temos de enfrentar, mesmo assim, após quase um semestre inteiro acredito que tanto nós, estudantes, quanto os professores, conseguiram se acostumar com as aulas online, vamos nos sentindo mais confortáveis, embora seja diferente da aula presencial. A expectativa é que nesse novo semestre as coisas vão fluir bem, e talvez o maior desafio será controlar a ansiedade de as coisas voltarem logo ao normal”, Vitor Aguiar, estudante de Farmácia.


Professores e bolsistas de Pesquisa e Extensão têm formação sobre Redes Sociais

          

As mídias sociais são parte do nosso dia a dia. São inúmeras plataformas em que é possível compartilhar conteúdo e interagir com diversas pessoas, sejam elas do nosso círculo de convivência pessoal, ou não. Com o objetivo de discutir sobre o comportamento nas redes sociais e repassar dicas e informações importantes, a Vice-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da Unijuí promoveu, nesta quinta-feira, 29, uma formação para professores e bolsistas de Pesquisa e Extensão sobre o tema.

Na formação, a responsável pelas mídias sociais da Universidade, a jornalista Fabiana do Prado Sánchez, ligada à Coordenadoria de Marketing, mostrou aos participantes sugestões de como utilizar os recursos disponíveis nas mídias sociais como, por exemplo, vídeo, foto, texto, compartilhamentos. Isso inclui o uso de imagens (qual usar e quais não usar), o uso correto delas; que tipo de texto publicar.

Durante a formação, a jornalista também mostrou casos recententes de uso problemático das redes, além de casos em que pessoas acabaram se expondo e sofrendo consequências sérias  na carreira profissional, por exemplo. “Seja em um blog, no Twitter, no Facebook ou em uma rede social qualquer, é preciso lembrar que aquilo que se publica na Internet pode ter “vida longa”, já que o ambiente virtual é atemporal e sem fronteiras. Mesmo conversas pessoais ou comentários em grupos privados podem se tornar públicos. Além disso, mesmo que não seja a sua intenção, um comentário feito nas redes pode ofender, então é preciso cuidar o que se escreve e como se escreve, para evitar mal-entendidos. Além disso, é preciso verificar sempre o conteúdo que está sendo compartilhado. Vivemos em uma época onde circulam muitas notícias falsas nas redes sociais. Por isso, é importante sempre fazer uma checagem da fonte antes de compartilhar informações inverídicas, especialmente se elas têm como objetivo de prejudicar alguém ou incitar ódio ou preconceitos”, salienta Fabiana.

Outras dicas

  • Antes de fazer qualquer tipo de publicação ou comentário, seja nas suas publicações ou em publicações de terceiros, é importante saber filtrá-los:

  • Evite Opiniões Pessoais - Os perfis particulares são usados, na maioria das vezes, para expressar opiniões. Quando o perfil é relacionado à uma Instituição, assim como a Unijuí, o usuário deve levar em conta que tudo que for postado no perfil será relacionado com a Unijuí, mesmo se isso não estiver oficializado. 

  • Assim como a marca da Instituição, as imagens vinculadas a ela falam muito. Por isso é muito importante tomar cuidado com as imagens que serão postadas e compartilhadas no perfil institucional. 


Unijuí vai ofertar Especialização em Oncologia

            

A Especialização em Oncologia pretende aprofundar conhecimentos e habilidades técnicas neste campo do saber, tendo em vista as elevadas taxas de incidência, prevalência  de câncer e a complexidade que envolve o cuidar de maneira integral. O curso prevê uma abordagem focada na promoção, prevenção, detecção precoce, assistência, informação e cuidados paliativos na área de oncologia, na perspectiva multidisciplinar englobando a equipe e a família, tendo em vista que o tratamento da pessoa com câncer não está delimitado à esfera biológica do cuidar.

Com oferta para o Campus Ijuí, o curso tem previsão de início no dia 21 de julho de 2020.  Campus Ijuí. As aulas serão realizadas nas sextas-feira, das 13h30min às 17h30min e das 18h30min às 22h30min, além de sábado, das 9h30min às 13h30min. Já a matrícula pode ser realizada exclusivamente pela internet, neste link, até 02 de agosto de 2020. 

Egressos da Unijuí possuem 15% de desconto no curso. Mais detalhes na página da Especialização. 

 


Unijuí realiza diálogo com professores de escolas públicas e privadas sobre a educação durante a pandemia

Na tarde desta quarta-feira, dia 29, a Unijuí promoveu um diálogo online entre professores de escolas públicas e privadas e as docentes do curso de Psicologia da Unijuí, Amanda Sehn e Solange Schorn. A proposta foi estabelecer contato com os professores, compreendê-los e conversar sobre os novos desafios impostos por esse período de pandemia.

As professoras ressaltaram a importância de haver essa preocupação com a saúde e com o fazer dos educadores neste momento delicado e que provocou tantas mudanças na vida e, por consequência, na educação. Um dos pontos abordados foi o fato das casas terem se tornado salas de aula e das famílias estarem ainda mais implicadas no processo educativo. “Hoje há uma mistura muito grande entre o público e o privado, os professores tiveram que “entrar” na residência dos estudantes, mas também as famílias dos professores foram afetadas com toda essa mudança gerada pela pandemia”, pontua a professora Solange Schorn. 

Neste momento, uma das questões colocadas pelos professores foi em relação à sobrecarga de trabalho. Em relação a isso, a professora Amanda Sehn coloca que levar o trabalho para dentro de casa faz com que alguns limites se percam e isso acaba gerando essa sensação de sobrecarga. Ela destaca ainda que a tecnologia cada vez mais presente também contribui para todos se manterem conectados o tempo todo.

Em relação ao retorno, a professora Solange acredita que não há fórmula pronta ou uma maneira certa para voltar, mas deve ser considerada de forma fundamental a questão do acolhimento de alunos e também de professores. “Não temos respostas, mas temos ferramentas, a principal delas é a questão pedagógica, o resgate da relação entre professor e aluno, pela via do afeto, da empatia, é aí que vamos conseguir retomar as nossas atividades”, afirma. Para a professora Amanda Sehn, a pandemia traz outro ponto interessante, que é a possibilidade de aproximar as questões de saúde mental do espaço da escola, para que ela também possa ser um espaço para a promoção da saúde mental, para que exista diálogo sobre essas questões.