Todas as notícias - Unijuí

COMUNICA

PORTAL DE NOTÍCIAS DA UNIJUÍ

Comunic@

Novo polo EaD é inaugurado no município de Tupanciretã

A Unijuí inaugurou na noite desta quinta-feira, 23 de junho, mais um polo de Educação a Distância (EaD) no município de Tupanciretã. O evento que marcou a apresentação da Universidade e dos 15 cursos de graduação EaD ofertados aconteceu na Câmara Municipal, seguido de uma palestra sobre “O papel da liderança na vida das pessoas”. Ela foi ministrada pelo coordenador dos cursos EaD na Unijuí, professor Luciano Zamberlan.

O evento contou com a presença da coordenadora do polo no município, Camila Côrtes, e do prefeito de Tupanciretã, Gustavo Terra, que aproveitou o momento para falar da satisfação em poder contar com uma instituição como a Unijuí na cidade. Ele destacou a importância da educação para a transformação da sociedade, do município e da própria região.

Conforme destacou o professor Zamberlan, o projeto de expansão consolida a oferta de cursos na modalidade EaD. “Nós sempre consideramos importante a abertura de um novo polo, especialmente de forma presencial, porque podemos conversar com as pessoas e mostrar os diferenciais que oferecemos. Nossos cursos contam com o compromisso de uma formação superior de qualidade, onde os materiais, o planejamento e interação com professores e tutores são bem pensados. Tudo para que nossos estudantes possam desenvolver seu conhecimento, suas habilidades, atitudes e competências, estando aptos para colocar o talento à disposição da sociedade e das empresas”, reforçou o coordenador.

De acordo com Zamberlan, novos polos EaD devem ser inaugurados até o final do ano, a partir de novas parcerias. Também é trabalhada a ampliação da oferta dos cursos de graduação e pós-graduação na modalidade. 

Para a coordenadora do polo, Câmila Côrtes, as expectativas são as melhores com a inauguração. “É uma oportunidade incrível para as pessoas terem um ensino de qualidade, através de uma Universidade renomada, que proporcionará aos estudantes uma diversidade de cursos e experiências inovadoras. Estamos muito felizes com esta parceria no ensino, que trará ainda mais desenvolvimento da cultura e da educação em nosso município. Os estudantes terão um atendimento personalizado, com um ambiente estruturado, localização privilegiada, para melhor recebê-los e ajudá-los na realização dos seus sonhos”, afirmou. 

O novo polo está localizado na Avenida Vaz Ferreira, nº 1.297, no centro de Tupanciretã.


Apagão nas Licenciaturas é tema do Rizoma desta sexta-feira

O sistema educacional no Brasil está passando por um momento de mudanças, incertezas e desafios. E um dos obstáculos está relacionado à falta de professores, tanto agora quanto para o futuro. 

Para debater esta problemática, o Rizoma desta sexta-feira, 24 de junho, abordou o tema “O apagão nas licenciaturas”. Os convidados do programa foram o coordenador pedagógico da Secretaria Municipal de Educação, José Augusto Fiorin; a coordenadora regional de Educação, Evelise Eberle; e a professora dos cursos de Letras e Pedagogia da Unijuí, Taíse Neves Possani. 

Segundo a coordenadora Evelise, a realidade na região é, de certa forma, tranquila, pois possui professores em caso de necessidade. Apesar disso, em outras coordenadorias regionais, existem áreas do conhecimento que possuem lacunas. “Essa demora para realização de concursos também prejudica, pois muitos acadêmicos desistem pela falta de perspectiva de trabalho”, alegou. 

O professor Fiorin observa que o fenômeno de esquecimento na hora das escolhas por parte dos vestibulandos não é oriundo do momento pandêmico. “Já estávamos sentindo que havia a possibilidade desse apagão ocorrer. Por vários fatores entendemos o porquê de a docência não ser mais uma profissão ou uma missão de vida tão atrativa aos nossos jovens”, salientou. 

Dentre os fatores apontados pelo coordenador está o desmerecimento da profissão como um todo. “Quando se fala em valorização, temos que compreender que é uma valorização que não passa somente pela questão salarial, mas, sim, que perpassa pelas condições de trabalho'', acrescentou.

Segundo a professora Taíse, essa é uma discussão que deve passar pela sociedade. “Nós precisamos assumir a pauta da educação com a seriedade que ela precisa ser tratada, porque é a construção de um mundo, a partir das crianças e jovens, no qual nós devemos nos responsabilizar”, comentou.

Além dos participantes, o Rizoma contou com a participação da professora da rede estadual, Cristina Fiorin Calegaro, que afirmou que esse problema é existente há mais de 20 anos. “As turmas já eram pequenas durante a minha formação acadêmica. Também deve-se pensar que a falta de incentivo nos últimos anos, pelo governo, e a carga horária excessiva são fatores que influenciam nessa desmoralização”, relatou.

Evelise finaliza contando que, como coordenadora regional de educação, não é a primeira vez que escuta professores descrevendo situações dessa natureza. “A narrativa da professora Cristina é uma realidade que escutamos e vivenciamos todos os dias”, completa.

Gabriel R. Jaskulski, acadêmico de Jornalismo da Unijuí

Confira o Rizoma na íntegra:

 

 

 


Unijuí campus Três Passos: há 30 anos investindo no desenvolvimento por meio da educação

A presença da Unijuí na Região Celeiro, por meio de estrutura organizacional descentralizada, teve início em 24 de junho de 1992, marcando a expansão da Universidade pela criação do Campus Universitário de Três Passos. No ano seguinte, 1993, se deu início às atividades na sede do campus em Padre Gonzales – Três Passos. Em dezembro daquele mesmo ano, o município de Três Passos, através do Poder Público Municipal com a participação da FIDENE, adquiriu parte ideal (70%) dos prédios de alvenaria do antigo Colégio das Irmãs, para acomodação, expansão e consolidação da Unijuí. E em 1994 houve a transferência da sede do Campus para a Rua Conde de Porto Alegre, 235, Praça Reneu  Geraldino Mertz.

Desde então forma profissionais com competência técnica e com excelência acadêmica, especialmente na área do Direito, curso que até hoje se mantém no campus corroborando com a formação por excelência dos seus profissionais. Com esse espírito empreendedor e valorizando a busca do desenvolvimento regional por meio da educação, o campus Três Passos comemorou na manhã desta sexta-feira, 24 de junho, seus 30 anos de consolidação junto à comunidade. Para marcar esse momento, foi organizado um café da manhã com a imprensa e autoridades do município que relembraram a importância da implementação do campus.

O professor Telmo Frantz, reitor à época, destacou que a Unijuí foi a primeira Universidade da nova república, após mais de 30 anos sem ter sido criada nenhuma nova universidade. “A regionalidade é algo presente desde a criação da Fidene, em 1968, mas a Unijuí, à época, era a Universidade de Ijuí. Apesar de fazer suas ações regionais, tínhamos o entendimento de que era necessário estarmos mais próximos dos jovens da comunidade regional, proporcionando a eles a oportunidade de se graduar em suas próprias cidades ou ainda, mais próximo delas. E foi assim, associada à parcerias, que começamos a expandir para a região, em especial para Três Passos”, contou o professor. Ele destacou ainda que a regionalização teve em seu cerne a ideia de levar as discussões para além da área das humanidades, buscando expandir a discussão acerca da ciência e da tecnologia que mais se apropriava das necessidades da região.

A pró-reitora à época, Elvídia Zamin, contou alguns dos principais feitos históricos para que o campus Três Passos ganhasse vida e relembrou, sobretudo, um momento marcante em que ela e o professor Telmo se reuniram com as lideranças para explicar a importância da Universidade para aquela região. “Me lembro como se fosse hoje que o professor Telmo tinha um radinho que segurava na mão e disse aos participantes daquele encontro: vocês sabem porque esse rádio existe? Porque a tecnologia existe. Porque a ciência existe. E nós precisamos da ciência e da tecnologia para desenvolver essa região”, relata.”O ensino público de terceiro grau sempre foi renegado, ou era em Porto Alegre ou em Santa Maria. E quem podia ir pra lá? Então veja o papel dessa Universidade, da Fundação, na formação e na qualificação de recursos humanos. Quantos poderiam estudar se não tivesse essa Universidade Comunitária aqui na região? Por isso, em homenagem aos pioneiros e ao processo de implementação desse campus nós precisamos valorizar o processo de estudo e discussão da comunidade local e regional, que é a razão de estarmos aqui; mas sobretudo precisamos renovar e adaptar ao contexto de hoje os propósitos da semeadura empreendida pela comunidade três-passense e regional”, frisou. 

Já o atual supervisor do campus, professor André Giovane de Castro, enfatizou o trabalho que está sendo realizado hoje para reforçar os laços com a comunidade. “Eu falo aqui hoje enquanto supervisor do campus, enquanto professor do curso de Direito, mas também como egresso dessa instituição e, principalmente, enquanto três-passense que valoriza o papel que a Unijuí tem para este município e também pelo que se está construindo. Se nós tivemos durante essas três décadas um número significativo de cursos e atividades, é importante dizer que isso não é apenas passado. Nós temos muito a oferecer e continuaremos oferecendo”, afirma.

Por fim, a reitora da Unijuí, professora Cátia Maria Nehring, ressaltou a responsabilidade, o pertencimento e a crença, não apenas dos pioneiros que implementaram o campus no município de Três Passos, mas também por todos os homens e mulheres que fazem o dia a dia da universidade regional. “Nós não estamos em Três Passos, nós somos Três Passos. Esta é a Universidade desta cidade e se ela se fez por um compromisso e por uma escolha de algumas pessoas, ela é uma escolha que precisa ser repactuada, agora por nós, mas também pela comunidade por meio dos processos de parceria. Se somos Três Passos, não foi porque a Universidade pegou metade da Biblioteca que tinha em Ijuí e trouxe para cá, foi porque realmente a mudança de status de uma universidade que nasceu em um local, mas que se coloca para ser gestada também em outro local. E aí precisa ter uma continuidade de parcerias, não apenas pública, mas com todas as forças vivas desta comunidade. Uma universidade se faz a partir do conhecimento, da tecnologia, da pesquisa, da extensão e, ousamos escolher, também pela cultura”, afirma e acrescenta, “Agora, 30 anos após o início, gostaríamos de estreitar ainda mais os laços com a comunidade três-passense, trabalhando juntos - Universidade, poder público, legislativo, empresariado e comunidade em geral - para fazer com que o município de Três Passos e seu entorno cresçam ainda mais. ”, finaliza.



AÇÕES PARA O CAMPUS EM 2022

Oferta de cursos de qualificação

Desenvolvimento de lideranças

Inglês nível básico

Inglês para negócios

Instrumentação cirúrgica

Como iniciar na advocacia

Gestão de Propriedade Rural

Inovação Empresarial

Grupo de Estudos do Direito

Direitos e Atualidades (aberto à comunidade)

Gratuito para o Ensino Médio

Formação de jovens lideranças estudantis 

Contação de histórias

Projeto Núcleo da Hora do Conto - ofertado pela Biblioteca Municipal e Biblioteca Mario Osorio Marques

Três Passos: conhecendo a nossa história

Cursos Técnicos da EFA

Projetos foram encaminhados referente à abertura de novos cursos técnicos e de especialização técnica

Cultura

Mostra Cultural

Concurso de Fotografia em comemoração aos 30 anos do campus

Presença na comunidade

16ª Feicap

6º Cinerock

48ª Fetreli

Confira as fotos da comemoração


Obra da Editora Unijuí traz possibilidades para a abordagem da Educação Física no Ensino Médio

A Coleção Educação Física e Ensino, da Editora Unijuí, ganha uma nova obra neste primeiro semestre de 2022. Trata-se do livro Educação Física no Ensino Médio Integrado: Especificidade, Currículo e Ensino, de autoria dos professores Ivan Carlos Bagnara e Juliano Daniel Boscatto, já disponível para aquisição na loja virtual e na livraria da Editora, localizada no campus Ijuí. O texto traz proposições de intervenções pedagógicas no campo escolar e em projetos socioeducativos, com foco no Ensino Médio.

A problemática curricular da Educação Física marca a trajetória acadêmica de ambos os autores. O professor Juliano passou a trabalhar com o tema em 2011, por meio de um projeto de pesquisa, quando se tornou docente do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC). Em um momento posterior, Juliano aprofundou os estudos, a partir de sua tese de doutorado. Ao ingressar no Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS), em 2017, o professor Ivan deparou-se com as mesmas inquietações. 

Os dois professores conheceram-se em um grupo de estudos acerca da especificidade da Educação Física no contexto educacional dos Institutos Federais de ensino, dirigido pelo professor Luciano de Almeida, ocasião em que iniciaram as tratativas sobre uma possível produção conjunta que discutisse a questão. “Eu já estava com a ideia de escrever um livro sobre a temática há certo tempo, mas ainda precisava de algumas delimitações e dimensionamentos. Então, expliquei minha ideia ao Juliano de maneira mais generalista e ele prontamente aceitou participar”, conta Ivan. 

“Este momento despertou a necessidade de escrever o livro, visto que os estudos que vínhamos realizando não 'cabiam' mais em periódicos científicos. Então, resolvemos enfrentar a problemática, buscando tensionar nossas práticas pedagógicas cotidianas com os elementos teórico-conceituais inerentes à especificidade do Ensino Médio Integrado”, relata Juliano. Ao longo de um ano, os autores realizaram encontros semanais, de forma virtual, em um trabalho de sistematização dos assuntos que seriam incorporados ao texto, resultando na obra ora publicada pela Editora Unijuí. 

O livro é formado por três capítulos independentes, que possuem, cada qual, seu objetivo geral. No primeiro capítulo a ideia é problematizar os aspectos legais e teórico-conceituais da Educação Física escolar, os quais podem contribuir para que se possa pensar acerca da sua especificidade no Ensino Médio Integrado. O segundo capítulo busca compreender os pressupostos que atravessam o currículo da Educação Física na perspectiva da educação profissional e tecnológica, com potencial para auxiliar na proposição curricular nesta modalidade educacional.

Por fim, no terceiro capítulo, os autores trazem os desdobramentos destas duas dimensões no contexto das aulas de Educação Física, principalmente no que diz respeito à estruturação das unidades didáticas, estratégias de ensino e avaliação na perspectiva da práxis educativa. Abordam, também, possibilidades de articulação com as áreas do conhecimento que compõem o campo acadêmico-científico da Educação Física e a integração entre os saberes dos distintos componentes curriculares.


Daiana Dal Ros/ Comunicação Editora Unijuí


PI sobre a qualidade de vida do agente comunitário de saúde é apresentado em evento preparado aos profissionais

As acadêmicas Amanda de Souza Andrade, Ana Lívia Zamo, Isabelli Vieira Macuglia, Julia Wiest Lemos e Maria Eduarda Schmidt apresentaram na tarde desta quarta-feira, 22 de junho, o trabalho produzido a partir disciplina Projeto Integrador I: Ser Biológico e Social, intitulado “Um olhar à qualidade de vida do agente comunitário de saúde da cidade de Ijuí-RS”.

O projeto resulta de um desafio, encaminhado pelo Centro Regional de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest), que também contribuiu com a construção de soluções. A fisioterapeuta Luciane Sarturi Antes foi a responsável por prestar auxílio ao projeto que foi apresentado pelas acadêmicas, como mentora.

Sob coordenação da professora doutora Eilamaria Libardoni Vieira, as acadêmicas aplicaram um questionário sobre aspectos como saúde e felicidade no ambiente de trabalho aos agentes comunitários. E para apresentar os resultados, elas organizaram uma tarde de cuidados e de integração para os profissionais.

De acordo com a mentora Luciane, a profissão de agente comunitário não é nada fácil. “A gente sabe que o usuário do sistema público de saúde transfere a responsabilidade de sua saúde para os servidores. Portanto, há tempos precisamos de um olhar mais carinhoso para esta categoria”, comenta.

O objetivo da atividade também foi proporcionar a estes profissionais um momento de confraternização, visto que dificilmente se encontram para troca de experiências acerca da profissão.

Segundo a professora Eilamaria, o Projeto Integrador trouxe a possibilidade das estudantes saírem da teoria para a prática. “Elas puderam organizar uma tarde de cuidado aos agentes comunitários de saúde. Um projeto desses faz a diferença na formação profissional, pois se trabalha com uma equipe multiprofissional na área da saúde”, salienta.

Além da pesquisa e da elaboração do projeto, as acadêmicas tiveram que pensar na apresentação e de que forma realizar uma tarde agradável para os profissionais. De acordo com a professora Eilamaria, isso também auxilia no desenvolvimento pessoal e profissional. “O fato das estudantes organizarem toda essa atividade traz ainda mais habilidades e competências para a formação” finaliza.

Gabriel R. Jaskulski, acadêmico de Jornalismo da Unijuí

 





Exposição desenvolvida pelos estudantes de Design e Publicidade e Propaganda pode ser acompanhada até o dia 30 de junho

Estudantes dos cursos de Design e Publicidade e Propaganda da Unijuí desenvolveram um trabalho para a disciplina de Produção Fotográfica para Marcas, ministrada pela professora doutora Gisele Noll. As fotos produzidas pelos acadêmicos estão em exposição no hall da Biblioteca Mario Osório Marques, no campus Ijuí, até 30 de junho.

As fotos foram desenvolvidas pela turma no segundo semestre de 2021. Durante esse período, foram conduzidas técnicas de baixa velocidade de obturação, que congelam movimentos, como o Ligthpainting, onde é possível ter os movimentos feitos com a luz capturados. Também foram instruídas técnicas como o Bokeh, uma ferramenta para criar um efeito desfocado suave ao fundo de uma imagem, e a fotomontagem, um trabalho de compor uma imagem com outras fotografias. 

Com 29 fotografias, a exposição traz ao público um pouco da experiência dos estudantes. Utilizando seus próprios critérios, com a visão desenvolvida na disciplina, os estudantes escolheram seu material para a exposição, elegendo aquelas fotos que remetiam ao momento prático que mais gostaram de efetuar ou que tiveram os resultados que lhe trouxeram orgulho. Além disso, a exposição era livre para os alunos escolherem se gostariam de expor seus trabalhos.

De acordo com a professora Gisele, os estudantes  construíram esse olhar fotográfico ao longo do semestre. “Os alunos não tiveram uma única marca para se inspirar, eles buscaram, ao longo do semestre, inspiração em todo lugar. Assim eles podem ver o que mais gostam e, a partir daí, criar a sua própria visão sobre o que e como fotografar”. 

Por Keila Rosa, estagiária de jornalismo da Usina de Ideias


Unijuí e Corsan realizam reunião de trabalho para definir ações de termo de parceria

Voltada ao desenvolvimento de projetos de inovação, a parceria entre a Unijuí e a Corsan, firmada no início deste ano, começa a ganhar forma. Nesta quarta-feira, 22 de junho, representantes das duas instituições estiveram reunidos para discutir um plano de ação para execução de projetos que resultem em soluções às demandas apresentadas. 

As discussões se dividiram em dois momentos: o primeiro, pela manhã, contando com a presença do superintendente regional missões da Corsan, João Batista Corim da Rosa; o representante da Diretoria de Comercial, Inovação e Relacionamento, Luiz Henrique Feijó; o prefeito de Ijuí Andrei Cossetin; o secretário de Meio Ambiente de Ijuí, Yuri Pilissão; a coordenadora da Agência de Inovação e Tecnologia da Unijuí, Fabiana Simon; a coordenadora da Incubadora de Empresas - Criatec da Unijuí, Maria Odete Palharini; e o vice-reitor de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da Unijuí, professor Fernando Jaime González, que conduziu a apresentação da Universidade e dos laboratórios que fazem parte do Espaço Mais Inovação, onde poderão ser desenvolvidos os projetos demandados. 

O segundo momento foi realizado na parte da tarde, com a equipe técnica da Corsan e os professores e pesquisadores da Unijuí. A reunião aconteceu com objetivo de discutir de forma mais técnica e efetiva as demandas apresentadas por parte da Corsan, para que se possam ser construídas soluções efetivas. 

De acordo com o superintendente regional missões da Corsan, João Batista Corim da Rosa, uma das principais demandas é a conscientização da população sobre a importância de se conectar ao sistema de saneamento básico. “Nós estamos desenvolvendo uma série de obras na região, mas ainda sentimos que há dificuldade no entendimento, por parte da população, sobre a importância de dar um destino correto para o esgotamento sanitário. É importante discutirmos isso porque de nada adianta a Corsan investir em obras de saneamento se a população não se conectar, pois se não o fizerem não conseguiremos resolver o problema de saúde pública. Por isso, nossa intenção é trazer o corpo técnico da Unijuí, através da inovação, mas principalmente a partir do olhar do marketing, para desenvolvermos ações voltadas à conscientização da população sobre essa necessidade e importância de conectarem-se ao sistema de esgotamento sanitário”, destaca.

O representante do diretor Jean Carlo Flores Bordin, da Diretoria Comercial, Inovação e Relacionamento da Corsan, Luiz Henrique Feijó, afirma que contar com as Universidades para pensar soluções de cidadania é de extrema importância para o desenvolvimento das regiões. “Há inúmeras questões que precisamos trabalhar e usar a tecnologia e a pesquisa para isso é fundamental. Precisamos, por exemplo, pensar em novas tecnologias para substituir os hidrômetros, com uma medição automatizada nas casas, que é uma realidade da Corsan. Isso não serve só pra nossa eficiência, mas também para gerar mais informação para o cidadão acompanhar o seu processo de consumo. Por isso, é uma satisfação podermos contar e discutir isso com a Unijuí”, comenta. 

A partir das demandas apresentadas ontem, voltadas às áreas de marketing e engenharias, os pesquisadores e técnicos da Universidade irão trabalhar em propostas para avaliar o que é possível desenvolver por intermédio dos laboratórios que a Universidade dispõe. Na primeira quinzena de agosto, um novo encontro entre as instituições deve acontecer, a partir de um workshop, para realizar as conexões entre os projetos.

“Internamente, vamos montar um grupo de trabalho para discutir as leituras que os professores pesquisadores fizeram a partir das demandas e, com base nisso, serão produzidas as propostas que serão apresentadas no workshop com os técnicos da Corsan em agosto”, finaliza o vice-reitor de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da Unijuí, professor Fernando Jaime González. 


Mostra dos Projetos Integradores foi realizada no campus Três Passos

O campus da Unijuí em Três Passos promoveu na noite desta terça-feira, 21 de junho, a Mostra dos Projetos Integradores. Acadêmicos de Direito, dos Módulos I e III, tiveram a oportunidade de apresentar soluções para problemas ligados a dois temas geradores: Estado, Sociedade e Constituição, sob a coordenação da professora Joice Nielsson; e Crime, Sociedade e Poder Punitivo: os fundamentos e os limites da proibição, da persecução penal e da punição, sob a responsabilidade da professora Márcia Cristina de Oliveira. 

Os Projetos Integradores são diferenciais da Graduação Mais, o novo modelo de cursos de graduação da Unijuí. Eles permitem que empresas, órgãos públicos e a própria comunidade cadastrem desafios, por meio da Plataforma Sou Mais, para que os estudantes pensem em soluções, a partir de pesquisas e vivências.

Os estudantes orientados pela professora Márcia realizaram, ao longo do semestre, pesquisas em bibliografias e conversaram com agentes e gestores públicos, a exemplo do prefeito, de vereadores, delegado, escrivães de polícia, integrantes do Conselho Tutelar, da OAB e do Centro de Defesa dos Direitos Humanos da Criança e do Adolescente (Cededica).

“Os problemas foram enfrentados com muita responsabilidade e sabedoria. As propostas de solução encontradas e apresentadas pelos alunos foram significativas, sobretudo porque o enfrentamento à violência e à criminalidade tem se mostrado complexo, e as estratégias utilizadas apresentam-se insuficientes”, destacou a professora, lembrando que o impacto desta discussão atinge parcela significativa da comunidade. “Observa-se a necessidade de aproximação das instituições, buscando trabalhar de forma articulada com a sociedade na elaboração de políticas públicas em segurança, que sejam eficazes e eficientes”, completou.

A professora Joice Nielsson esteve à frente de grupos que trabalharam demandas encaminhadas pela Câmara de Vereadores; Comissões da Jovem Advocacia e da Mulher Advogada, da OAB de Três Passos; e Secretaria da Agricultura de Tiradentes. “As temáticas versaram sobre a relação entre Estado, entes federados, e os poderes que o constituem. Foram trabalhadas as funções essenciais da Justiça, como essas esferas atuam na produção de políticas públicas que garantam o exercício de direitos, previstos na Constituição, e da cidadania como um direito fundamental”, explicou a docente.

Dentre os produtos apresentados, estiveram projetos de lei. Um deles, já protocolado na Câmara de Vereadores de Três Passos, resguarda cotas de gênero para a denominação das ruas. Isso porque apenas 5% das ruas do município receberam nomes de mulheres. No município de Tiradentes, um outro projeto de lei propõe alternativa para a crise hídrica, com a instalação de cisternas. 

Grupos também trabalharam a violência contra a mulher por meio de pesquisa, a fim de saber o que a comunidade de Três Passos entendia sobre o assunto e se saberia onde procurar ajuda; e um dos grupos desenvolveu um aplicativo, chamado SOS Mulher Bicaquense, para que denúncias possam ser encaminhadas no município de Coronel Bicaco.

“Muitas das soluções estiveram voltadas à busca de alternativas jurídicas para problemas concretos das comunidades onde estão inseridos. Os Projetos Integradores permitem o aprendizado teórico, mas também desenvolvem habilidades e competências entre os estudantes. Os PIs mostram a sua importância ao tocar a comunidade. Ao mostrar o que a Universidade faz e pode fazer, dando respostas às demandas, a partir conhecimento que é produzido”, reforçou Joice.

As apresentações dos Projetos Integradores seguem nos campi de Ijuí, Santa Rosa e Panambi. 


Projeto de Produção de Textos Acadêmicos da Unijuí lançará obras

Nesta sexta-feira, 24 de junho, das 15h às 19h, acontecerá o evento de Formação Acadêmica e Lançamento de Obras do Projeto de Produção de Textos Acadêmicos, que é vinculado ao Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação nas Ciências da Unijuí. O evento acontecerá no Centro de Eventos da Universidade e terá transmissão ao vivo pelo Youtube da Unijuí, neste link.

A programação do evento contará com uma abertura conduzida pelas representantes do Projeto e doutorandas Marciele Cabeleira e Jamile Konageski, e uma fala do coordenador do Programa Pós-Graduação em Educação nas Ciências da Unijuí, professor doutor Sidinei Pithan da Silva. Após, acontecerá a oficina de Noções teórico-práticas sobre Qualis Capes: livro e periódicos, que será ministrada pelo doutor em Educação e representante da Editora Ilustração, Fábio César Junges. Em seguida, acontecerá o lançamento de duas obras do Projeto de Produção de Textos Acadêmicos: Práticas Pedagógicas, Formação Docente e Currículo (Volume 1) e Formação Humana na Contemporaneidade (Volume 2), com a participação dos professores com escrita colaborativa dos prefácios, doutores Sidinei Pithan da Silva e Eva Teresinha de Oliveira Boff. Por fim, será realizada a entrega das obras. 

Destinado aos mestrandos e doutorandos do Programa e demais interessados, o evento também contará com sorteio de brindes, coffee break e música ao vivo.


Coral Unijuí prepara grande evento para celebrar seus 30 anos de história

O Coral Unijuí prepara um grande evento para o dia 10 de julho, em comemoração ao seu aniversário de 30 anos. O espetáculo “30 anos de vozes que cantam histórias” acontecerá no Salão de Atos Argemiro Jacob Brum, a partir das 19h. Ingressos já podem ser adquiridos com os integrantes do coro, na Literatus Xok’s e nos caixas da Universidade, ao valor de R$ 20 ou R$ 10 - no caso de estudantes e idosos.

Regente do Coral Unijuí, Lizandra Rodrigues adianta que o evento contará com dois dos quatro regentes que coordenaram o grupo antes dela, e serão responsáveis por reger, cada um, uma canção. “Teremos depoimentos dos coralistas, representando as gerações, desde a primeira década do Coral; e teremos o lançamento dessa nova era do coro, com um espetáculo que contará com luz, música e ação cênica”, destacou.

O grupo vai cantar e também vai encenar: um poema de Carlos Drummond de Andrade e também uma peça, importante musicalmente e pedagogicamente, segundo Lizandra, de Chico Buarque. “O espetáculo foi montado por mim, com direção vocal, musical, teatral e regência, mas também contou com a participação de todos os integrantes. Estão todos muito engajados”, comentou.

O público também poderá conferir um resgate dos uniformes que foram utilizados nestes 30 anos - uma ação que vem sendo organizada em parceria com o Museu Antropológico Diretor Pestana (Madp).


Sub-categorias