COMUNICA

PORTAL DE NOTÍCIAS DA UNIJUÍ

Rizoma coloca a saúde do homem em pauta e desmistifica preconceitos

Neste ano, a campanha Novembro Azul, dedicada à conscientização sobre o câncer de próstata, completa 10 anos. A iniciativa tornou-se uma importante ferramenta em busca da sensibilização dos homens para uma doença que teve uma estimativa de novos casos acima de 65 mil em 2020, e que matou 16 mil em 2019, apenas no Brasil. 

Para debater o tema “Novembro Azul: desmistificando preconceitos sobre a saúde do homem”, o Rizoma Temático desta quinta-feira, 25 de novembro, teve como convidados o médico urologista do Centro de Alta Complexidade em Oncologia (Cacon) de Ijuí, Leonardo Bandeira; a médica oncologista do Hospital Unimed Noroeste/RS, Letícia Castro; e a neuropsicóloga do Centro Especializado em Reabilitação Física, Intelectual e Visual, CER III - Unir da Unijuí, Tainara Mello.

Conforme explicou a médica Letícia Castro, os homens morrem mais cedo e morrem mais por câncer, em comparação às mulheres. E esse fato está relacionado à falta de cuidados com a saúde. “Os homens procuram menos auxílio médico e acessam menos as unidades de saúde. Eles associam muito o ambiente de saúde a um ambiente feminilizado. Eles também não sabem quem procurar: as mulheres, desde cedo, têm como referência o ginecologista, e os homens não. Somado a isso, eles têm uma rotina de trabalho que acaba não sendo compatível com as unidades de saúde”, comentou a médica, lembrando que toda essa série de fatores faz com que diagnósticos de câncer de próstata, por exemplo, ocorram tardiamente.

Segundo a neuropsicóloga Tainara Mello, o senso de onipotência, de agente que precisa manter a família, que não pode demonstrar fragilidade, faz com que muitos homens não procurem ajuda médica com regularidade. “Infelizmente, todo ser humano acaba se preocupando com a saúde quando ela acaba. Tudo bem que existam piadas em torno do toque retal, mas isso não pode ser um limitador para que os homens cuidem da sua saúde", comenta a profissional, ao se referir ao exame realizado para analisar possíveis alterações na próstata, que podem ser indicativos de câncer.

Médico urologista, Leonardo Bandeira destacou que o cenário, aos poucos, está melhorando na região, e que utiliza o bom humor para tranquilizar seus pacientes. “O toque retal é um exame físico como qualquer outro. Depois que o homem realiza, percebe que aquilo que pensava não passava de fantasia, de preconceito”, completou. 

Para conferir o programa na íntegra, acesse:


Compartilhe!