COMUNICA

PORTAL DE NOTÍCIAS DA UNIJUÍ

Institucional

Reunião da Mesa Inova RS definiu direcionamentos para o Programa na região

Na quarta-feira, dia 25, ocorreu a 2ª Reunião da Mesa do Inova RS, um encontro de entidades empresariais, acadêmicas, do poder público e da sociedade civil organizada que define direcionamentos para o Programa Inova RS. Na ocasião foram apresentados e discutidos projetos guarda-chuva que atendem as áreas estratégicas definidas na visão de futuro regional. “Em 2030 a Região Noroeste e Missões do RS será referência latinoamericana de inovação, por meio de uma estratégia de especialização inteligente em agronegócio, eletrometalmecânica e geração de energia”, explica a integrante do Programa Bárbara Cenci. 

As propostas apresentadas foram:

AGRONEGÓCIO: Implementação de sistemas inteligentes de gerenciamento e controle para eficientização e/ou otimização da produção agrícola; 

- Promover a irrigação inteligente;

- Oportunizar para o produtor o monitoramento digital de dados para a tomada de decisão de Controle;

- Desenvolver um Centro de referência no controle biológico de pragas da soja no Rio Grande do Sul;

- Criar protocolo de logística regional que integre as informações para um melhor aproveitamento dos recursos logísticos.

ELETROMETALMECÂNICA: rede de cooperação para inovação

- Certificação de laboratórios regionais que atendam a indústria;

- Criação de um fundo de Inovação;

- Implementação de uma plataforma de interação : para o cadastro de demandas e ofertas tecnológicas do setor;

- Capacitar os agentes para a inovação.

GERAÇÃO DE ENERGIA: geração distribuída de energia renovável e sistemas de gerenciamento inteligente

- Desenvolvimento de uma unidade de referência tecnológica com geração híbrida de energia (solar e biogás);

- Desenvolvimento de um roadmap para a cadeia do biogás;

- Implementação/incremento de geração de energia com recursos/resíduos energéticos orgânicos, sobretudo do setor agropecuário;

- Implementação de sistemas de gerenciamento de energia (pelo lado da oferta e pelo lado da demanda);

- Articulação regional e incentivos para fomentar a geração de energia renovável;

- Conscientização para eficiência energética e uso de recursos renováveis;

As propostas continuarão no processo de desenvolvimento pelos Grupos de Trabalho específicos de cada área, de modo em que as entidades e pessoas que quiserem contribuir e apoiar os projetos ainda possam se somar no processo de construção.

O evento foi transmitido ao vivo pela página do Facebook da Secretaria de Inovação, Ciência e Tecnologia, de modo que a gravação pode conferida neste link.


Obras do novo complexo da Unijuí Saúde estão em fase conclusão

Diferentes laboratórios e salas integram o Complexo, que atenderá demandas dos cursos da área da saúde – especialmente da Medicina.

A Unijuí está próxima de concluir o Complexo de Ciências da Saúde – uma obra orçada em quase R$ 5 milhões, que vai atender às demandas dos cursos da área da saúde e, especialmente, da Medicina. De acordo com o gerente da Coordenadoria Patrimonial e de Serviços, Jeferson Dalla Rosa, a obra está na fase de ajustes finais e a expectativa é de que o prédio seja entregue em 30 dias. “Faltam apenas alguns detalhes, como a identificação das salas, conclusão das ligações de energia e rede lógica. Inclusive já recebemos boa parte do mobiliário”, reforçou.

Contando com área de 1998,00m², o espaço terá um conjunto de laboratórios e salas. A maioria dos equipamentos que estarão à disposição no Complexo já foram adquiridos, a exemplo dos simuladores, que já estão sendo utilizados em algumas disciplinas.

Conforme explica o coordenador da Medicina, professor Jorge Brust, o Complexo visa reunir várias atividades do Curso. “Teremos duas partes: uma, no andar superior, com salas para tutorias, onde os alunos, divididos em grupos, recebem casos clínicos e partem para a pesquisa e solução, usando metodologias ativas de ensino e aprendizagem, onde o estudante é o agente de pesquisa e estudo. Eles levarão uma solução para reunião em grupo, sendo acompanhados pelo tutor, um profissional médico com formação específica para este tipo de metodologia”, detalha o coordenador.

Além deste espaço, o andar superior contará com salas para aulas, eventos científicos e conferências, e espaços de convivência e estudo para alunos e professores. A parte térrea, de acordo com Brust, se constitui de uma área específica para laboratório de simulação e treinamento de habilidades. Espaço amplo, com salas para simulação de consultas e prática de exame físico, com manequins e modelos anatômicos de ponta, que permitem o aprendizado com simulação realística da normalidade e as diversas alterações no corpo humano, que ocorrem em doenças. 

“É um grande investimento e uma grande e diferenciada área, que contará com professores e técnicos treinados especificamente para este ensino, cada vez mais presente em todas as grandes faculdades de Medicina do mundo. Atualmente, um curso de Medicina exige estas condições de excelência no processo de ensino e aprendizagem, o que já estamos oferecendo”, afirmou o coordenador.

Diferenciais da obra

Como a obra conta com licenciamento da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam), qualquer alteração precisou ser aprovada, tendo como preceito o menor impacto possível. Segundo Dalla Rosa, para início da construção, foram necessários transplantes e compensações da vegetação. Durante a obra também foram desenvolvidas ações de separação e reciclagem de resíduos. 

“Além disso, a obra possui sistema de reuso de água da chuva, iluminação em LED e, em breve, será instalado o sistema de geração de energia solar”, comentou o gerente, lembrando que também foram escolhidos materiais e acabamentos que facilitem manutenções futuras, sem gerar custos elevados.


Unijuí e Movimenta Sebrae: um evento que conecta você com o Futuro

A Unijuí é parceira do Movimenta Sebrae, um evento que conecta jovens estudantes do ensino médio ao empreendedorismo como um jeito de ver o mundo. É um encontro exclusivo para você ficar ligado e se conectar com os desafios e profissões do futuro, pauta essa que tem tudo a ver com a nova proposta de graduação da Universidade, a Graduação Mais, que propõe inovações que estão se consolidando no cenário da educação superior, como os currículos por competências e módulos, projetos integradores e formação pessoal e profissional. 

O Movimenta é destinado para os alunos do ensino médio de todas as escolas, pais e professores. Porém, todos que têm interesse no assunto são bem-vindos neste espaço de muito conteúdo. A inscrição é gratuita e pode ser feita no site https://movimentasebrae.encontrodigital.com.br/. O evento acontece nesta quarta-feira, 25/11, das 18h às 20h com uma programação imperdível.

Programação

A partir das 18h, Formiga e Polly irão bater um papo e conduzir a programação. Na sequência, serão chamados os debatedores:

Maurício Benvenutti - que vai bater um papo sobre tecnologia, profissões do futuro e inovação.

Caio Carneiro - que vai abordar os comportamentos e atitudes para resultados incríveis.

Zé Felipe - que vai contar a sua trajetória e a conexão com o empreendedorismo.

Alice Salazar - que vai falar sobre o seu empreendedorismo na internet.


Unijuí recebe nova turma de Jovens Aprendizes

         

Todos os protocolos do plano de contingência da UNIJUÍ foram seguidos para a realização da recepção.

A Unijuí deu início a uma nova turma de Jovens Aprendizes que vão realizar atividades na Universidade. No dia 18 de novembro de 2020, quarta-feira, a nova turma foi recepcionada no Centro de Eventos do campus Ijuí pela Coordenadoria de Recursos Humanos. Na oportunidade receberam as orientações básicas para iniciar as atividades. Esta turma iniciou no dia 20 de outubro de 2020, com as aulas teóricas no SENAC e vão permanecer com a Unijuí até o dia 23 de junho de 2022. A Universidade deseja à todos um bom trabalho e que possamos contribuir com o crescimento profissional de todos.


Unijuí e Universidades da América Latina firmam convênio para a criação de uma Cátedra Internacional

           

No sábado, dia 23 de novembro, a Unijuí, a Universidade Cooperativa da Colômbia, a Universidade Politécnica Estatal de Carchi do Equador e a Universidade de Sonora do México, para a criação da Cátedra Internacional Pensar a América Latina frente aos Desafios de Desenvolvimento Sustentável (ODS/ONU).

Segundo os termos do convênio, as instituições parceiras vão realizar eventos científicos académicos, promover a mobilidade internacional, a concepção e implementação de projetos de âmbito nacional e internacional e a publicações conjuntas por diferentes meios, com a inserção dos Programas de Mestrado e Doutorado. As partes envolvidas também vão nomear um delegado por instituição, que integrará uma Comissão Técnica Acadêmica, também vão organizar, planejar, executar e avaliar a Cátedra Internacional sob padrões de qualidade, visando a qualificação como uma cadeira UNESCO. Pelo acordo, estudantes de intercâmbio ou docentes e pesquisadores não pagarão a mensalidade ou qualquer tipo de taxa para estudar na universidade anfitriã. 

Segundo a Reitora da Unijuí, professora Cátia Nehring, este protocolo marca a intenção de quatro instituições latino Americanas, na materialidade de ações a serem realizadas nos próximos anos, considerando os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030. É um grande desafio para nossa instituição envolvendo os pesquisadores dos nossos programas stricto sensu e acadêmicos, possibilitando aprofundamento em pesquisa e mobilidade acadêmica. Pela Unijuí, o professor Daniel Cenci é o responsável na organização das ações.

Confira o evento na íntegra

       

Participaram do fechamento deste convênio, de forma online em razão da pandemia, os seguintes representantes:

  • Cátia Nehring, Reitora da Unijuí, do Brasil;
  • Maritza Rondon Rangel, Reitora da Universidade Cooperativa, da Colômbia;
  • Jorge Ivan Mina Ortega, Reitor da Universidade Politécnica Estatal de Carchi, do Equador;
  • Henrique Fernando Velázquez Contreras, Reitor da Universidade de Sonora, do México.

Segunda reunião da Mesa do Inova RS elege projetos prioritários para a região Noroeste e Missões

            

Na próxima quarta-feira, dia 25/11, às 10h, ocorre a segunda reunião da Mesa do Programa Inova RS na região Noroeste e Missões, com a presença de lideranças que irão definir os projetos prioritários ao desenvolvimento do ecossistema regional de inovação. 

A primeira reunião da mesa ocorreu no dia 14 de outubro, onde foi definida a visão de futuro para a região, a qual é “Em 2030, a Região Noroeste e Missões será referência latinoamericana em inovação por meio de uma estratégia de especialização inteligente em agronegócio, eletrometalmecânica e geração de energia”.

Na segunda reunião os participantes irão conhecer os projetos desenhados pelos grupos de trabalho e farão a priorização dos projetos que tenham potencial de impacto significativo na realidade socioeconômica regional. 

A reunião será transmitida ao vivo pelo Facebook da Secretaria de Inovação, Ciência e Tecnologia do Governo do Rio Grande Sul (SICT/RS), por meio do seguinte endereço: https://www.facebook.com/secretariadeinovacaors

O que é o Programa INOVA RS?

O INOVA RS é um programa que visa incluir o Rio Grande do Sul no mapa global da inovação a partir da construção de parcerias estratégicas entre a sociedade civil organizada, setores empresarial, acadêmico e governamental – em oito regiões representativas do Estado: Metropolitana e Litoral Norte; Sul; Fronteira Oeste e Campanha; Central; Noroeste e Missões; Produção e Norte; Serra e Hortênsias; Região dos Vales.

O que é a Mesa do INOVA/RS?

A mesa do INOVA RS reúne lideranças da quádrupla hélice e será responsável por priorizar e definir os projetos de Inovação mais relevantes para a nossa região. Para saber mais sobre o Programa acesse https://www.inova.rs.gov.br/


"Vacina e diagnóstico para a covid-19: os desafios da ciência" foi o tema em debate do Rizoma

              

O mundo vive há meses a pandemia de covid-19, um novo vírus que já vitimou milhares de pessoas em todos os continentes. No Brasil, mais de 167 mil pessoas. Diante deste cenário trágico, a vacina é uma grande esperança para a humanidade. E neste momento, uma série de empresas, universidades e institutos de pesquisa tem trabalhado no desenvolvimento de uma vacina, alguns em adiantado estágio de testes com pessoas. O fato é que, pela primeira vez na história, acompanhamos quase que em tempo real o desenvolvimento de uma tecnologia tão necessária e importante quanto é uma vacina.

Esse foi o tema do Rizoma da semana, que debateu como é o desenvolvimento de uma vacina, também quais os desafios para a ciência nos diagnóstico desta nova doença Confira na íntegra:

Sobre os convidados:

Diego Borges, Biomédico com habilitação em Análises clínicas e Biologia Molecular (UNICRUZ), Mestre em Ciências da Saúde pela UFCSPA e doutorando em Biociência Molecular pela Universidade Nova de Lisboa. Trabalhou com diagnóstico molecular no laboratório de biologia molecular da Irmandade Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, foi um dos coordenadores da força-tarefa do Centro de Estudos de Doenças Crônicas (CEDOC) da Universidade Nova de Lisboa, que voluntariamente testou idosos em lares da Santa Casa de Misericórdia de Lisboa. Desde junho trabalha na empresa Inflammatix com o desenvolvimento de um teste diagnóstico que pretende prever a severidade da COVID-19 em menos de 1 hora a partir do sangue dos pacientes.

Mellanie Dutra - Biomédica (com habilitação em Bioquímica e Análises Clínicas) pela UFRGS, Mestre e Doutora em Neurociências pela UFRGS, pósdoc PNPD em Bioquímica - UFRGS, idealizadora e coordenadora da Rede Análise COVID-19.


Editora promove lançamento do livro “Educação Física e Sociedade – a Educação Física na Escola Brasileira”

              

A Editora Unijuí realizou o lançamento do livro “Educação Física e Sociedade: a Educação Física na Escola Brasileira”, do professor Mauro Betti. A atividade ocorreu na tarde desta quarta-feira, 18 de novembro, de forma on-line.

O evento teve a participação do vice-reitor de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da Unijuí e editor-chefe da Editora Unijuí, professor Fernando Jaime González, dos professores doutores Valter Bracht e Diego Luz Moura e um público de diferentes cidades brasileiras. 

O professor Fernando saudou os presentes no evento, afirmando ser uma enorme satisfação o lançamento do livro, agradecendo ao professor Mauro pela confiança na Editora Unijuí e destacando que “podemos dizer que, hoje, a Editora Unijuí concentra um número bem expressivo de autores clássicos da educação física brasileira”.

Na sequência, o professor doutor Valter Bracht fez uma fala saudando os presentes no evento, afirmando ser um grande orgulho fazer parte do lançamento. “Uma vez que eu seguramente figuro entre os muitos admiradores do trabalho do Mauro, por isso um momento como esse é um momento sempre festivo e gratificante”, destacou.

O professor doutor Diego Luz Moura agradeceu ao professor Mauro Betti pelo convite, assegurando sentir-se honrado por fazer parte do lançamento da 3ª edição do livro, e destacou: “eu vejo essa obra não apenas uma leitura obrigatória a todos os interessados no tema da educação física escolar por ser um clássico na área, mas, sobretudo, porque, além disso, mesmo após tantos anos da sua publicação, ainda possui extrema atualidade ao apresentar a construção histórica da educação física escolar, as questões relacionadas aos processos de ensino e aprendizagem e, principalmente, reflexões sobre o ensino crítico, mas que ao mesmo tempo valorizasse a especificidade da área”.

O professor Mauro Betti, autor do livro, ressaltou ser um momento muito importante e simbólico para ele, destacando que as suas obras “são, talvez, os momentos que me marcaram como professor, como profissional, como pesquisador”. Ele agradeceu à Editora Unijuí pelo incentivo e também aos professores Valter e Diego. O autor lembrou, ainda, que o que justifica a terceira edição é que o livro continua sendo procurado: “eu sempre recebo mensagens dizendo eu não estou achando para comprar, eu quero. Está sempre em muitas bibliografias de concursos públicos e, mesmo após quase 30 anos, é um livro ainda que está em demanda”.

O livro está disponível nos formatos e-book e impresso para compra no site da Editora Unijuí: www.editoraunijui.com.br

 Por Leticia Breunig, acadêmica de Jornalismo e estagiária na Usina de Ideias.


Bate-papo “Juntos por uma vida sustentável” discute energia solar

           

A Unijuí colaborou com o bate-papo “Juntos por uma vida sustentável”, uma conversa sobre energia solar, promovida pelo Sicredi União RS, sediado em Santa Rosa. O professor João Manoel Lenz, dr. em Engenharia Elétrica e professor dos cursos de Engenharia da Unijuí, foi um dos convidados, que discutiu a temática com Grasiela Lunardi e Rafael Bordin, assessores de negócios do Sicredi União.

A programação teve o objetivo de levar informações para a comunidade sobre como podemos e estamos contribuindo por uma vida mais sustentável. Segundo o professor João, a proposta foi falar um pouco sobre a energia solar fotovoltaica e como as pessoas podem gerar a sua própria energia elétrica de modo mais sustentável. “Quais são os equipamentos necessários, os cuidados a serem tomados, além de tentar esclarecer alguns pontos sobre isso para o público em geral”, observa.

Confira na íntegra

     


Da tecnologia às vivências na rede de saúde: estudantes destacam diferenciais do curso de Medicina

Acadêmicos apontam destaques da graduação, como a estrutura e a tecnologia disponibilizada

           

Victória Luisa da Rosa Ribeiro não tinha a pretensão de cursar Medicina – até chegar ao Ensino Médio, começar os estudos na área de Biologia e realizar uma visita ao Laboratório de Anatomia da Unijuí. Foi neste momento que a jovem decidiu que seguiria um curso na área da saúde. “Optei pela Medicina pela chance de poder mudar vidas, fazer a diferença trabalhando com algo que gosto”, contou Victória, hoje aluna do 2º semestre de Medicina da Unijuí.

A vontade de poder fazer mais pela saúde foi o que também motivou a acadêmica do 3º semestre, Juliana Furlanetto Pinheiro, a seguir o curso – que parecia tão distante de ser realizado, em razão da condição financeira de sua família. “Quero realizar uma residência em Saúde da Família e poder suprir uma das necessidades da nossa região, que é a carência de médicos”, adiantou.

Com uma carga horária de 9 mil horas/aula, o curso de Medicina da Unijuí vem preparando os futuros profissionais para atuar nas áreas de atenção à saúde, gestão e educação, nos sistemas público e privado, atendendo às necessidades individuais e coletivas, em diferentes cenários de trabalho. “Desde o início, fomos inseridos nas unidades básicas de saúde de Ijuí e região. Nas aulas de Saúde Coletiva, atuamos em locais como a Estratégia de Saúde da Família (ESF) do bairro Thomé de Souza, Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e até na rede de saúde de Santa Rosa. Essas visitas sempre foram acompanhadas e sempre tivemos apoio dos professores para conhecermos o funcionamento dos locais e a importância deles para a saúde da população”, explicou o estudante de Medicina do 3º semestre, Artur Zucolotto Keller, ressaltando que a pandemia modificou as práticas do curso. “Nossas visitas foram momentaneamente interrompidas em decorrência da pandemia, porém, continuamos colaborando com a saúde pública, a partir de projetos diferenciados, como o de telessaúde, desenvolvido no segundo semestre.”

Victória destaca que, neste período de pandemia, a Universidade proporcionou a ida a campo na pesquisa sobre a covid-19, no município de Coronel Bicaco, onde teve a oportunidade de vivenciar o atendimento ao paciente e a própria pesquisa. A aluna Jacinta Tamiozzo Goergen, que já está no 4º semestre, comenta que as realidades vivenciadas na atenção primária permitem um rico espaço de aprendizagem, já que levam à observação do cotidiano e seus desafios. “O contato com a comunidade, a multiplicidade de casos e a observação de realidades distintas convergem para o olhar humanizado ao paciente e o enfrentamento dos problemas de saúde”, reforça.

Diferenciais da graduação

A estrutura da rede básica de saúde de Ijuí e dos hospitais conveniados – todos referências para a região, são parte dos diferenciais do curso de Medicina da Universidade, que já se destaca pela carga horária ampliada. “Nossa formação é humanística, algo que prezo muito para formar um indivíduo, seja médico ou não. Não temos a visão de que somente o tratamento medicamentoso é a chave de uma equação. Nossa formação é ótima, mesmo que estejamos enfrentando um momento complicado que é a pandemia”, destaca Juliana, que não tem sua vivência na Universidade vinculada apenas ao curso. Ela é bolsista de iniciação científica no Grupo de Pesquisa em Fisiologia (GPeF) e voluntária no Grupo Interdisciplinar em Saúde (GIS).

Para Victória, um dos diferenciais do curso está na motivação dos professores e coordenadores em fazer dos seis anos de graduação a melhor formação que os alunos poderiam ter. “Sem falar nos materiais novos e a tecnologia que foram adquiridos para a abertura do curso na Universidade. Mas o que mais me orgulha é a educação médica humanizada que recebemos, o que nos incentiva a sermos profissionais mais conscientes do nosso papel diário dentro do SUS”, frisa.

A Unijuí realiza importantes investimentos na infraestrutura do curso, a exemplo do Complexo de Ciências da Saúde, que vai agregar toda a estrutura laboratorial especializada do curso. Serão 1990,86 m² com laboratório de habilidades médicas, laboratório de simulação, salas de aula, salas de tutoria para utilização de metodologias ativas de ensino-aprendizagem, auditórios, salas de estudo e espaços para convivência, além de toda a estrutura de apoio.

Um dos grandes diferenciais será o Laboratórios de Simulação Realística e de Habilidades Médicas, onde os estudantes treinarão procedimentos médicos em manequins que simulam as reações humanas em diversas situações clínicas. “Os laboratórios modernos são realmente destaques no curso, assim como a organização, a metodologia e as vivências na área”, opina Jacinta. O curso é baseado em metodologias ativas e propõe uma formação interdisciplinar, evidenciando a importância de cada área da saúde no desenvolvimento de competências, habilidades, valores e atitudes que constituem o médico.

“Recomendo o curso porque acredito no projeto que está sendo executado e acredito nos profissionais responsáveis por torná-lo realidade. É visível o investimento que a Universidade faz para tornar a graduação especial, o que facilita o aprendizado e o estudo”, observa Artur, que vê como ponto alto do curso, até agora, o ensino de anatomia, que foi facilitado por peças orgânicas e sintéticas, além de mesas interativas. “Podemos utilizar todos esses recursos não só em aula, mas também fora de horário”, comenta o jovem, que deseja participar de projetos como o Médicos sem Fronteiras e Cruz Vermelha.

Vestibular de Medicina

Até o dia 6 de dezembro, é possível realizar a inscrição para o Vestibular de Medicina. O candidato tem a possibilidade de realizar a prova da Unijuí, no dia 13 de dezembro, de forma presencial; ou utilizar a nota do Enem de anos anteriores - considerando que, neste ano, em função da pandemia, o Enem será realizado somente no mês de janeiro. Para o candidato utilizar a nota do Enem, ele deve ter concluído o Ensino Médio.

Inscrições e edital podem ser conferidos no endereço www.unijui.edu.br/vestibularmedicina.