COMUNICA

PORTAL DE NOTÍCIAS DA UNIJUÍ

Coronavirus

Teleatendimento Covid-19 de Santa Rosa passa a ser regionalizado

                

Foto: José Carlos Santos da Silva - Assessor de Comunicação da Fumssar

O serviço de Teleatendimento Covid-19, disponível para a comunidade de Santa Rosa desde o mês de abril, agora é ampliado para a região da Fronteira Noroeste, abrangendo 22 municípios da 14ª Coordenadoria Regional de Saúde. Nesta segunda-feira, 25 de maio, ocorreu o lançamento oficial deste atendimento para a região.

O serviço é uma parceria entre a Fundação Municipal de Saúde de Santa Rosa - Fumssar e a Unijuí. A iniciativa tem o objetivo de desafogar o sistema de saúde e evitar que pessoas com sintomas do novo Coronavírus precisem se deslocar para receber informações. A estrutura, que conta com profissionais da área da saúde vinculados à Fumssar e residentes do Programa de Residência Multiprofissional e Médica da Unijuí, está montada no Campus da Universidade, onde os profissionais têm acesso a todos os equipamentos necessários para fazer o atendimento via telefone. Desde que foi lançado, no dia 16 de abril, já foram realizados mais de 200 atendimentos.

A linha telefônica 55 3511 5222 conta com dez canais de atendimento, de segunda a sexta, das 8h30 às 11h30 e das 13h30 às 17h30. O primeiro contato com esses profissionais é para esclarecer dúvidas sobre a doença, sobre sintomas e sobre o comportamento dos pacientes. Caso os multiprofissionais avaliem que o paciente necessita de uma análise aprofundada, podem agendar um atendimento por videochamada com um médico especialista. 

Sobre o lançamento

Participaram do ato, transmitido ao vivo pelo Facebook, o Pró-Reitor do Campus Santa Rosa, Marcos Paulo Scherer, o prefeito de Santa Rosa, Alcides Vicini, o presidente da AmuFron, Vilmar Horbach, o presidente da Fumssar, Délcio Stefan, o gestor de Planejamento da Fumssar, Ademir Rosa, Alcelmo Loureiro, coordenador regional de saúde (14ªCRS).

Confira na íntegra:

            


Última etapa do estudo que está mapeando o avanço da covid-19 inicia nesta sexta-feira

          

Inicia hoje, em razão das chuvas, se estendendo ao fim de semana, a quarta e última etapa da Pesquisa que está mapeando o avanço do coronavírus no Rio Grande do Sul, denominado EPICOVID-19. Em Ijuí, novamente uma equipe de pesquisa, coordenada pela Unijuí, vai realizar visitas em domicílios da cidade para a aplicação de testes rápidos e questionário de saúde.

Nesta etapa deverão ser visitadas mais 500 residências em todas as áreas de Ijuí. “Pedimos, uma vez mais, a colaboração de toda a comunidade ijuiense para atender aos nossos voluntários e participar deste importante estudo”, observa a coordenadora na cidade, professora Evelise Berlezi. Além disso, todos os voluntários passaram por treinamento e foram testados, com os mesmos testes que serão aplicados na população, antes de irem a campo, atividade que ocorreu nesta sexta-feira, na Unijuí.

Em caso de dúvida, a comunidade poder entrar em contato com os órgãos de segurança do município para verificar a abordagem dos voluntários da pesquisa, pelo número: 3332-0150, que a Brigada Militar realiza esta verificação. Outros dois telefones foram disponibilizados: (55) 9 9182 6453 e (53) 9 8409 0884.

Encomendado pelo Governo do Estado e coordenado pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel). O objetivo é estimar o percentual de gaúchos infectados pela Covid-19; avaliar a velocidade de expansão da infecção; fornecer indicadores precisos para cálculos da letalidade e determinar o percentual de infecções assintomáticas ou subclínicas. Ele ocorre em quatro etapas (este fim de semana será a última) e vai entrevistar 18 mil pessoas em todo o RS até o final.

Os resultados oficiais serão divulgados ao longo da próxima semana pelo Governo do Estado e a Universidade Federal de Pelotas. A Unijuí reforça que não comunica ou comenta casos específicos antes deste anúncio oficial.

              

Como funciona o teste?  

O teste utilizado (WONDFO SARS-CoV-2 Antibody Test) avalia anticorpos produzidos pelo organismo após a infecção e não identifica o vírus ativo logo após o contágio, ou seja, não é um diagnóstico de que a pessoa está, naquele momento, com o vírus ativo em seu corpo, mas que ele já teve contato com este vírus e desenvolveu anticorpos. O teste empregado na pesquisa apresenta a possibilidade de 15,2% de resultados falsos negativos (pessoas que foram contaminadas com o vírus não detectadas pelo exame) de 1,0% de falsos positivos (pessoas com exame positivo que não foram contaminadas) – ainda assim, foi recentemente avaliado como uns dos melhores no mercado.

Saiba mais

Tire todas as suas dúvidas sobre este estudo nesta seção de Perguntas e Respostas elaborada pela Universidade. Clique neste link e confira.

 Também preparamos um vídeo mostrando o processo de pesquisa. Confira:

              


“Sou Daqui”: as campanhas para incentivar o consumo no comércio local em tempos de pandemia

               

Entre os diversos efeitos da pandemia da Covid-19, um dos mais generalizados é o impacto na economia. Os primeiros dados de dois meses de pandemia apontam uma queda substancial na atividade econômica e o aumento do desemprego. Em reação a esta “segunda onda” da pandemia, tem surgido diversas iniciativas que procuram chamar a atenção sobre como é particularmente importante que o consumo seja orientado considerando outros critérios que não apenas a relação custo-benefício. Em especial, considerar quanto a escolha de comprar um produto num ou outro local pode ou não favorecer a economia local, particularmente, em cidades de menores.

A Assembleia Legislativa do Estado, por exemplo, já lançou a campanha Escolha de valor, compre produtos e serviços daqui. Cidades como Santa Maria e Caxias do Sul também possuem fortes movimentos com motes semelhantes. Neste contexto, cidades da nossa região como Santa Rosa e Ijuí também iniciaram movimentos similares e a própria Unijuí lançou uma campanha que está disponibilizando para os municípios da região. 

Este foi o debate do Rizoma desta semana, que foi ao ar na Unijuí FM, e está disponível em podcast nas plataformas de streaming. O episódio analisou o impacto econômico da pandemia da Covid-19 nas cidades do noroeste de nosso Estado, o papel de empreendedores e consumidores locais neste cenário e a análise e repercussão dessas campanhas no comportamento de compra da população.

Para ajudar a explicar este cenário, os convidados foram: a professora e chefe do Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação, Euselia Paveglio Vieira, a professora coordenadora dos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda, Rubia Schwanke; a também professora dos curso de Publicidade e Jornalismo, Nilse Maldaner, coordenadora da Usina de Ideias, Agência Experimental destes dois cursos; e Maiquel Kelm, gerente da Agência de Inovação e Tecnologia da Unijuí, a Agit.

Confira o Programa na íntegra:

Nesta edição também contribuíram, de Santa Rosa, o empresário Douglas Marques, representante da Acisap, falando sobre a iniciativa “Aqui Dá”; o presidente da ACI, Nilo Leal da Silva, que falou sobre a campanha “O Movimento Gira”. Além do prefeito de Chiapetta, Eder Both; Aldir Mauro Huber, de Três Passos, presidente da Cacis e Rafael Jacques de Oliveira, secretário de Desenvolvimento Econômico de Panambi.

Sou Daqui

Durante o Rizoma também foi detalhada a Campanha construída pela Unijuí para estimular ações nos municípios da região, chamada “Sou Daqui”. Desenvolvida pela Usina de Ideias, Agência Experimental dos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda da Universidade, que é coordenada pela professora Nilse Maldaner, a partir de demanda da Vice-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão, coordenada pelo Vice-Reitor, Fernando Jaime González. A ação também tem a participação da Agência de Inovação e Tecnologia da Unijuí, a Agit, que tem como gerente Maiquel Silva Kelm.

Para a Campanha “Sou Daqui” foram desenvolvidos um mote de comunicação, peças publicitárias e materiais para a publicação em redes sociais e diversas mídias. Esta campanha justamente veio para mostrar às comunidades a importância do fortalecimento dos negócios locais neste momento de crise. “A proposição é mostrar a importância da união, fortalecendo enormemente a ideia de que a Unijuí e as associações estão trabalhando em conjunto para o bem de todos”, salientou a professora Nilse Maldaner.

E como vai funcionar daqui para frente? A Unijuí reforça a possibilidade de mais municípios poderem receber a campanha “Sou Daqui” de forma gratuita e “customizada” para o poder público e/ou associações, para saber detalhes basta entrar em contato com o Escritório Universidade Comunidade da Agit, no e-mail: comunidade@unijui.edu.br. “Vamos passar todas as informações sobre a distribuição de peças publicitárias, as orientações referentes a postagens de toda a comunicação e de como as prefeituras ou entidades irão poder disseminar essas campanhas nas suas plataformas de comunicação, nas suas mídias digitais e fazer com que cada cidade tenha esse engajamento”, complementa, Maiquel Kelm, gerente da Agit.


Tire dúvidas sobre a Pesquisa que está mapeando o avanço da Covid-19 no Estado

Neste fim de semana, sábado e domingo, novamente equipes de pesquisadores vão realizar visitas em Ijuí, confira as principais questões sobre o estudo e participe! A Unijuí reafirma seu compromisso ético com a comunidade local e se coloca à disposição para eventuais esclarecimentos sobre esta importante pesquisa.

               

Qual o objetivo do estudo?

O EPICOVID19, nome oficial do estudo, é encomendado pelo Governo do Estado e coordenado pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel). O objetivo é estimar o percentual de gaúchos infectados pela Covid-19; avaliar a velocidade de expansão da infecção; fornecer indicadores precisos para cálculos da letalidade e determinar o percentual de infecções assintomáticas ou subclínicas. Ele já está na oitava rodada, entrevistando 4,5 mil pessoas a cada etapa em todo o RS.

O estudo conta com financiamento do Banrisul, Instituto Serrapilheira, Unimed Porto Alegre e Instituto Cultural Floresta.

Qual a participação da Unijuí?

Ele é desenvolvido em diversas cidades gaúchas simultaneamente, entre elas, Ijuí. Nesta cidade, a Unijuí coordena o estudo, orientando e dando suporte às equipes de entrevistadores, que, no geral, são estudantes das áreas da saúde, Graduação e Mestrado, da própria Unijuí.

           

Como funciona, na prática, o estudo?

Os pesquisadores voluntários são responsáveis por circular pela cidade e, de forma aleatória, por sorteio, visitar residências, seguindo critérios de acordo com o Censo e informações do IBGE. Uma vez na residência, o pesquisador, vestido com equipamentos de segurança (jaleco, luvas, máscara e uma proteção de acrílico, conhecida como face shield, mais uma caixa térmica e uma caixa com material descartável) pede permissão para aplicar a pesquisa. Autorizado, ele entra e aplica um teste rápido e um questionário sobre os hábitos daquela residência. Apenas uma pessoa é escolhida, por forma de sorteio também, para se submeter ao teste. O resultado sai em alguns minutos e é informado diretamente para a UFPel e Governo do Estado, que serão os responsáveis por gerenciar e divulgar os dados.
Depois de concluída todas estas etapas, o pesquisador se despede e, antes de entrar no carro e ir até a próxima residência, higieniza todo o equipamento e descarta luvas e jaleco, para, na próxima casa, colocar novos equipamentos. Este ato de higienização é repetido antes e depois de cada visita, sem falta!

Além disso, todos os entrevistadores são submetidos também ao teste antes de irem a campo. Só participam se derem negativo. 

Ainda tenho dúvidas sobre minha segurança, tem algum canal para me certificar?

Em caso de dúvida, a comunidade poder entrar em contato com os órgãos de segurança do município para verificar a abordagem dos voluntários da pesquisa, pelo número: 3332-0150, que a Brigada Militar realiza esta verificação. Outros dois telefones foram disponibilizados: (55) 9 9182 6453 e (53) 9 8409 0884.

Se der positivo, qual o protocolo?

Este ponto é muito importante. Se der positivo o teste rápido, todas as demais pessoas da casa são também testadas e recebem informações sobre como proceder a partir deste ponto. Além disso, a equipe de vigilância do Estado e do Município são avisadas para acompanhamento e monitoramento dos casos, bem como a coordenação da pesquisa, para fins estatísticos. A partir daí, a informação e as ações são de competência das autoridades em saúde. A Unijuí não divulga esses casos, muito menos nomes para qualquer órgão de imprensa local. A divulgação oficial é realizada pelo Governo do Estado e pela própria UFPel, em transmissões oficiais, geralmente às quartas-feiras após o fim de semana de coleta de dados.

             

Como funciona o teste?  

O teste utilizado (WONDFO SARS-CoV-2 Antibody Test) avalia anticorpos produzidos pelo organismo após a infecção e não identifica o vírus ativo logo após o contágio, ou seja, não é um diagnóstico de que a pessoa está, naquele momento, com o vírus ativo em seu corpo, mas que ele já teve contato com este vírus e desenvolveu anticorpos. 

O teste empregado na pesquisa apresenta a possibilidade de 15,2% de resultados falsos negativos (pessoas que foram contaminadas com o vírus não detectadas pelo exame) de 1,0% de falsos positivos (pessoas com exame positivo que não foram contaminadas) – ainda assim, foi recentemente avaliado como uns dos melhores no mercado.             

                

           

Onde posso me informar mais sobre a pesquisa?

A Unijuí já publicou uma série de matérias, detalhando cada uma das quatro etapas do estudo. Confira neste link algumas das matérias.

Também realizamos Lives e vídeos no Facebook, detalhando a pesquisa e respondendo a questionamentos da comunidade.

O Rizoma podcast já fez uma edição temática especial para a pesquisa com os professores coordenadores. Confira:

Confira também esta entrevista exclusiva do Reitor da UFPEl, Pedro Hallal, esclarecendo importantes questões das DUAS pesquisas em Ijuí:

O Governo Estadual preparou um vídeo sobre a pesquisa. Confira: 

                       

 


ONU alerta sobre questões de saúde mental na pandemia da covid-19

                

“O impacto da pandemia na saúde mental das pessoas já é extremamente preocupante”, afirmou recentemente Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS). “O isolamento social, o medo de contágio e a perda de membros da família são agravados pelo sofrimento causado pela perda de renda e, muitas vezes, de emprego.”

De acordo com um documento das Nações Unidas lançado pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, a pandemia de Covid-19 está destacando a necessidade de aumentar urgentemente o investimento em serviços de saúde mental ou arriscar um aumento maciço de condições de saúde mental nos próximos meses. Destacou também que esses serviços devem ser parte essencial de todas as respostas de governos ao coronavírus. O chefe da ONU acrescentou que serviços de saúde mental devem ser expandidos e amplamente financiados.

Confira um vídeo da ONU sobre o tema

          

Cuidados importantes

Recentemente a OMS/OPAS também divulgou uma série de cuidados importantes. Confira:

À população geral: seja empático

1. O novo coronavírus deve afetar pessoas em muitos países e regiões. Não existe nenhuma relação da doença com uma etnia ou nacionalidade. Demonstre empatia com todos os afetados em qualquer país. As pessoas infectadas não fizeram nada errado e merecem nosso apoio, compaixão e gentileza.

2. Não se refira às pessoas com a doença como "casos de covid-19" ou "vítimas", "famílias de covid-19", "adoentados" etc. Eles são "pessoas com covid-19 ou que estão em tratamento, ou se recuperando" e depois de recuperados continuarão sua vida normal em família, no trabalho e com seus entes queridos. É importante separar a pessoa e a sua identidade do vírus em si para reduzir o estigma.

3. Reduza a leitura ou o contato com notícias que podem causar ansiedade ou estresse. Busque informação apenas de fontes fidedignas e dê passos práticos para preparar seus planos, proteger-se e a sua família.  Procure informações e atualizações uma ou duas vezes ao dia evitando o "bombardeio desnecessário" de informações. A enxurrada de notícias sobre um surto pode levar qualquer pessoa à preocupação. Informe-se com os fatos e não os boatos ou as informações erradas. E busque essas notícias em intervalos regulares do website da Organização Mundial da Saúde, das autoridades locais para que possa fazer a diferença entre boato e fato. Os fatos ajudam a minimizar o medo.

4. Projeta a si próprio e apoie os outros ajudando-os em seus momentos de necessidade. A assistência a outros em seu momento de carência pode ajudar a quem recebe o apoio como a quem dá o auxílio. Um exemplo: telefone para seus vizinhos ou pessoas em sua comunidade que precisam de assistência extra. Atuando juntos como uma comunidade pode ajudar a criar solidariedade e a enfrentar o covid-19 em união.

5. Crie oportunidades para ampliar histórias positivas e úteis e imagens positivas de pessoas na sua área que tiveram o covid-19.

Por exemplo, experiências de pessoas que se recuperaram da doença ou que apoiaram um ente querido e estão dispostas a contar como foi.

6. Homenageie e aprecie o trabalho dos cuidadores e dos agentes de saúde que estão apoiando os afetados pelo novo coronavírus em sua região. Reconheça o papel deles para salvar vidas e manter todos seguros.

                

Agentes de Saúde

7. Para os trabalhadores desse setor que sentem a pressão de lidar com a situação, este é um quadro típico para você e muitos de seus colegas. É normal se sentir assim por causa do entorno da pandemia. O estresse e as sensações associadas com esse quadro não significam que você não seja capaz de fazer o seu trabalho ou que seja uma pessoa fraca. O gerenciamento da sua saúde mental e o seu bem-estar psicossocial durante este momento é crucial para que você possa manter sua saúde física também.

8. Cuide de você. Tente utilizar métodos para lidar com a situação como fazer pausas e descansar entre os seus turnos de trabalho e até mesmo tirar um momento dentro do expediente. Tenha atenção ainda aos seus alimentos para manter uma dieta saudável, fazer exercícios físicos e ficar em contato com a família e com os amigos. 

Evite formas errôneas de lidar com o estresse como o uso de tabaco, álcool ou outras drogas. A longo prazo, eles pioram o seu bem-estar físico e mental. Este é um cenário sem precedentes para muitos trabalhadores especialmente aqueles que nunca participaram de respostas semelhantes a uma crise ou pandemia. Para os que têm alguma experiência, tente utilizar o que deu certo no passado e que pode ser útil de novo. Você pode conseguir reduzir o estresse. Não estamos numa corrida, esta é uma maratona.

9. Alguns agentes de saúde podem estar sendo evitados pela família por causa do medo de contaminação e estigmas. Isso pode fazer com que a situação que você já enfrenta se torne ainda mais difícil. Se possível, continue conectado com seus entes queridos. O contato virtual é uma forma de contato. Procure seus colegas, seus supervisores e pessoas de confiança para esse apoio social. Você poderá descobrir que seus amigos estão tendo experiências semelhantes e atravessando o mesmo que você.

10. Na comunicação com outros, seja simples. Muitas pessoas podem ter dificuldades para entender as mensagens por causa de deficiências cognitivas, visuais e físicas. As formas de comunicação que não sejam só escritas precisam ser utilizadas. Se você é líder da sua equipe, ou chefe do hospital e está em contato com o público e com os pacientes, pense nisso.

11. Descubra e se informe sobre o apoio às pessoas com o covid-19 e aos recursos dos quais elas precisam para que possa fazer a ponte e o contato com links, ou outros meios. Isso é crucial para quem precisa de apoio psicológico ou de saúde mental. O estigma associado a problemas mentais pode causar estresse. O Guia de Intervenção Humanitária inclui diretrizes clínicas para lidar com as condições prioritárias de saúde mental e pode ser usado por agentes gerais de saúde.

              

Líderes de equipe e supervisores em postos de saúde 

12. Mantenha todo o pessoal protegido de estresse crônico e de uma saúde mental precária para que possam desempenhar seu trabalho da melhor maneira. Certifique-se que a situação atual não terminará da noite para o dia e o seu papel é focar no longo prazo em vez de respostas de curto prazo para a crise.

13. Assegure uma informação de qualidade e fidedigna para todo o pessoal da equipe. Faça uma rotação no pessoal das áreas mais estressantes para as menos estressantes. Coloque funcionários com menos experiência para trabalhar com os mais experientes. O Sistema de apoio e boas relações entre colegas ajuda a melhorar o ambiente de trabalho, reduzir o estresse além de promover procedimentos seguros. Aqueles trabalhadores que têm que ir às comunidades, devem ir em dupla. Inicie, encoraje e monitore as pausas no trabalho. Implemente tabelas  flexíveis para o pessoal que está diretamente afetado ou tem um membro da família impactado pelo estresse ou algum trauma. Assegure-se que você está criando espaço para que os colegas forneçam apoio social uns aos outros.

14. Se você ocupa uma posição de liderança num estabelecimento  de saúde, viabilize o acesso e se assegure de que os funcionários possam utilizar os serviços de apoio psicossocial e mental. Os gerentes e chefes de equipe também enfrentam as mesmas pressões que os supervisionados por eles além de um maior fardo causado pelo papel de liderança. Por isso, é importante que todos os recursos estejam ao alcance de quem precisa trabalhadores e chefes e que os últimos possam ser um modelo na mitigação do estresse.

15. Oriente os agentes de saúde, incluindo enfermeiros, motoristas de ambulâncias, voluntários, professores, diagnosticadores e líderes comunitários em quarentenas como oferecer apoio emocional básico para as pessoas afetadas, com base na utilização de um kit de primeiros socorros emocionais.

16. Gerencie a saúde mental dos pacientes e as queixas neurológicas como delírio, psicose, ansiedade severa e depressão, nas áreas de emergência ou de clínica geral. Um pessoal treinado corretamente talvez tenha que ser mobilizado para essas áreas. 

17. Por fim, assegure-se que o fornecimento essencial de medicamentos em todos os níveis de cuidados. As pessoas vivendo com doenças e síndromes como ataques epiléticos precisam de medicação constante e não podem ter interrupções.

Cuidadores de crianças

18. Ajude as crianças a expressarem, de forma positiva, seus medos e ansiedades. Cada criança tem sua própria maneira de fazê-lo.  Algumas vezes, a atividade criativa, jogos e desenhos podem ajudar. As crianças se sentem melhor e mais aliviadas quando podem comunicar os sentimentos num ambiente de apoio.

19. Mantenha as crianças perto de seus pais e familiares caso seja seguro para elas. Evite a separação deles. Caso uma criança tenha que ser retirada de seus pais ou tutores, assegure-se de que ela será cuidada por outra fonte como assistentes sociais ou equivalentes e cheque a situação da criança regularmente. Ainda mais, certifique-se de que durante o tempo da separação o contato com os pais ou tutores seja feito duas vezes ao dia por chamadas de vídeo ou outra forma apropriada à idade da criança (por exemplo, mídia social dependendo da idade).

20. Mantenha as rotinas familiares sempre que possível e crie novas rotinas principalmente com as crianças em casa. Pense em atividades lúdicas e pedagógicas para fazer com elas. Sempre que possível, incentive as crianças a continuarem brincando e se sociabilizando com os outros, mesmo que somente na família por causa do distanciamento social no momento.

21. Em estresses e crises é normal para a criança buscar mais os pais e exigirem mais deles. Fale com seus filhos sobre o covid-19 de forma honesta e apropriada à idade deles.  Se eles tiverem preocupações, o fato de falar sobre elas pode ajudar a baixar a ansiedade das crianças. Elas observam os pais, as emoções no ar e tiram daí seus mecanismos para lidar com as próprias emoções da melhor forma nesses momentos difíceis.

Idosos, cuidadores e pessoas com problemas de saúde  

22. Idosos, especialmente em isolamento social e aqueles com problemas cognitivos como demência podem se tornar ansiosos, estressados, com raiva, agitados e distanciados durante a quarentena. Ofereça a eles apoio emocional por meio de redes familiares ou de agentes de saúde.

23. Partilhe fatos simples sobre o que está acontecendo com informações claras a respeito da redução de riscos e infecções em palavras compreensíveis para quem tem barreiras de entendimento.   Repita a informação sempre que necessário.  As instruções precisam ser claras, concisas e respeitar o estilo do paciente. Talvez seja útil colocar a informação em escrito ou em pinturas e figuras. Envolva a família e outras redes de apoio no fornecimento das notícias e de medidas de prevenção como a lavagem de mãos.

24. Se você tem alguma doença ou síndrome, certifique-se de que seus medicamentos estão disponíveis para uso. Ative ainda seu grupo de amigos para pedir ajuda caso necessário.

25. Esteja preparado e informado, com antecedência, de como buscar ajuda, como chamar um taxi, ter comida entregue em casa ou pedir ajuda médica. E providencie medicamentos para duas semanas, caso necessário.

26. Aprenda exercícios físicos simples para fazer em casa todos os dias durante o isolamento e a quarentena para não reduzir a mobilidade.

27. Mantenha rotinas e tarefas regulares sempre que possível e crie novas num ambiente diferente. Entre elas atividades diárias, limpeza, canto, pinturas e outras. Ajude outros, vizinhos, amigos, crianças e pessoas em hospitais combatendo o covid-19, sempre que for Seguro, claro. Mantenha o contato com os entes queridos ainda que por telefone.

              

Pessoas em isolamento

28. Fique em contato e mantenha sua rede de amigos e conhecidos,  ainda que isolado tente ao máximo manter sua rotina e crie novas. Se as autoridades de saúde recomendaram distância física para conter o surto, você pode manter a proximidade digital com e-mails, redes sociais, telefone, teleconferências etc.

29. Durante esse período de estresse, esteja atento a seus sentimentos e demandas internas. Envolva-se com atividades saudáveis e aproveite para relaxar. O exercício constante, o sono regular e uma dieta balanceada ajudam. Mantenha tudo em perspectiva. Os agentes de saúde em todos os países estão atuando para que os mais afetados pela pandemia recebam assistência e cuidados.

30. Uma enxurrada constante de notícias sobre o surto pode levar qualquer um à ansiedade e ao estresse.  Siga as notícias confiáveis e evite boatos e "fake news" que vão somente causar mais desconforto e dissabor.

 Fonte: Nações Unidas.