Sistemas Ambientais e Sustentabilidade

Últimos dias para se inscrever no Mestrado em sistemas Ambientais e Sustentabilidade

            

Até o dia 27 de novembro a Unijuí recebe inscrições para o Mestrado em Sistemas Ambientais e Sustentabilidade. Confira na página do Programa todos os detalhes do edital e se inscreva.

O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Sistemas Ambientais e Sustentabilidade da Unijuí, que oferta o curso de Mestrado, busca analisar e compreender as relações entre sistemas naturais e produtivos, abordando as dimensões ambientais, sociais, econômicas, culturais e produtivas, visando a geração de conhecimento para solucionar ou minimizar os impactos negativos gerados pelo desenvolvimento.

A proposta foi embasada numa longa e profícua discussão interdisciplinar realizada pelos seus docentes e pesquisadores, respaldada num considerável conjunto de estudos, pesquisas, experiências e produção científica com enfoque na sustentabilidade, oportunizando uma aprendizagem construída em vários campos do conhecimento na área socioambiental. Representa a oportunidade de promover avanços científicos, fomentando pesquisas a partir de uma visão sistêmica e interdisciplinar, impulsionando a prospectar a formação de uma massa crítica para atuação convergente às necessidades dos novos cenários, com forte ênfase na proteção ambiental, garantia da segurança alimentar e qualidade de vida das comunidades.

O fazer em ciência e inovação inclui a interação de diversas áreas do conhecimento, com pesquisas e ações que envolvem: produção mais sustentável de alimentos, redução de poluição, qualidade dos produtos, segurança alimentar,  estudo e controle de zoonoses/saúde pública, saúde e bem-estar, valoração ambiental, biodiversidade/transformação/recuperação/bioindicadores, redução de agrotóxicos, legislação e adequação ambiental, lixo, saneamento rural/urbano/uso de resíduos sólidos, qualidade do ar, solo e água, planejamento/análise de praças e jardins/ambiente público/conforto ambiental, materiais sustentáveis/ergonomia/instalações, processos mais limpos e cidades sustentáveis, estudos voltados a educação ambiental, entre outras.

Permite desenvolver grandes pesquisas de interesse regional e nacional e promove a formação de um pesquisador diferenciado com visão sistêmica e multidisciplinar. No curso de mestrado o público-alvo são os profissionais graduados nas áreas de Ciências Ambientais, Agrárias, Biológicas, da Saúde, Sociais, Química, Engenharias/Tecnológicas Aplicadas e/ou áreas correlatas.

Linhas de Pesquisa

Aulas remotas

A Unijuí optou por manter em 2021 a possibilidade de realização de aulas remotas nos cursos de Mestrado e Doutorado. Assim, as atividades acadêmicas dos cursos de pós-graduação stricto sensu da Unijuí, no decorrer do ano de 2021, poderão ser realizadas de forma remota ou presencial, respeitadas as orientações dos órgãos de saúde, em virtude da situação de pandemia do coronavírus (COVID-19). Em caso de retomada das aulas presenciais, o estudante poderá optar em realizar as atividades de forma presencial ou online, utilizando tecnologias de informação e comunicação. As aulas realizadas de forma remota serão síncronas, conforme cronograma do curso. A seleção também será realizada de forma remota.


Estudantes do mestrado em Sistemas Ambientais e Sustentabilidade realizaram atividade prática para diagnóstico de impactos ambientais

              

No sábado, 17 de outubro, a segunda turma do Mestrado em Sistemas Ambientais e Sustentabilidade da UNIJUI realizou uma atividade prática de vivência e observação. A atividade faz parte disciplina “Qualidade Ambiental e Gestão de Recursos”, ministrada pelas professoras Juliana Maria Fachinetto e Leonir Terezinha Uhde. Com o objetivo de identificar os impactos ambientais visíveis presentes, a turma visitou alguns pontos do Arroio Espinho, os quais eram representativos das partes rural e urbana, área de preservação permanente e o Parque da Pedreira. Estas atividades representam as diferentes formas de geração e solidez de conhecimentos que fundamentam as ações inter e multidisciplinares do programa. Destaca-se a ação conjunta de várias atividades que são ministradas por dentro de disciplinas e ações de projetos de pesquisa com estudantes de diferentes áreas de formação, fomentando a visão sistêmica com análise da realidade.

A partir da análise diagnóstica realizada, os mestrandos deverão construir um plano de manejo e conservação para o Arroio Espinho, o qual deve propor medidas capazes de reduzir os impactos antrópicos diretos. O plano deverá levar em consideração a legislação vigente e propostas pautadas na sustentabilidade.

A proposta deste programa de mestrado permite desenvolver grandes pesquisas de interesse regional e nacional e promover a formação de um pesquisador diferenciado com visão sistêmica e multidisciplinar. Segundo o coordenador do programa, José Antônio Gonzalez da Silva, “é fundamental repensarmos os novos rumos do amanhã, principalmente sobre os novos desafios que vem surgindo a partir da consciência dos problemas ambientais.”

O Mestrado em Sistemas Ambientais e Sustentabilidade tem como objetivos formar pesquisadores com visão sistêmica e multidisciplinar capaz de compreender as inter-relações entre o ambiente, a sociedade e a tecnologia; participar de forma crítica e reflexiva no desenvolvimento regional, considerando os princípios e valores da sustentabilidade, gerando tecnologias apropriadas aos sistemas produtivos locais; promover a produção de conhecimentos na área do meio ambiente em geral, bem como, no campo do diagnóstico e da solução de problemas de interesse socioambiental.


Relato: a visita a uma propriedade rural em Panambi

Por Mamadou Boye Diallo, mestrando em sistemas Ambientais e Sustentabilidade da Unijuí

           

"Olá! Meu nome é Mamadou Boye Diallo e sou mestrando em Sistemas Ambientais e Sustentabilidade na Unijuí. Recentemente realizei uma visita à cidade de Panambi, como parte das atividades do Programa de Pós-Graduação. A minha visita começou às 7h30. Meu amigo e colega Tiago Müller veio buscar-me na Casa do Estudante da Unijuí (Unicasa), para fazermos uma viagem de 40km até Panambi. Como na maioria das cidades do Brasil, encontrei uma cidade linda, limpa e muito tranquila. Começamos o programa com uma entrevista com o produtor Julir Júris, da Claque TV, para falar sobre minha experiência, minha formação e porque escolhi o Brasil. Uma discussão muito informativa com este canal local que contribui para a visibilidade do município de Panambi.

Ainda na parte da manhã, meu amigo Tiago me apresentou sua fazenda de abelhas com várias colmeias modernas com mais de 20 espécies de abelhas nativas sem ferrão. Com estas espécies de abelhas tive o privilégio de trabalhar com Tiago como parte de nosso sistema de pesquisa meio ambiente e sustentabilidade na Unijuí. O mais importante que retiro desta visita é que devemos sensibilizar a população para que conheçam bem esta espécie polinizadora, pois sem ela não terá plantas, sem plantas não terá alimento e sem alimento não terá vida, daí a importância de proteger as abelhas, porque são um verdadeiro escudo protetor para o equilíbrio do nosso ecossistema.

           

Depois de uma refeição farta com a família de Tiago, fomos à casa de seu irmão, Eturi Müller, produtor de hortaliças e aves ornamentais como pombos, pavões e patos. Ele nos mostrou os diferentes sistemas de produção aplicados para maximizar seu rendimento e algumas práticas agrícolas como irrigação por aspersão que pode bombear até 5.000 ml/dia. Mas ele também nos disse, como todos os fazendeiros, seus temores em relação ao mercado, porque o sistema capitalista é feito de tal forma que os camponeses são os mais desfavorecidos em termos de perfil. Assim, eles trabalham mais, mas encontram-se com mais fluxo de caixa devido a um mercado muito exigente.

No final da tarde visitamos a fazenda da irmã do Tiago, Denise Müller Horz. Fazenda familiar com mais de 60 cabeças de vacas leiteiras para uma produção média de 1.440 ml/dia. Uma operação que vai muito bem, pois há um mercado bastante grande na cidade através da empresa Cotripal, além de outras empresas menores do município e também de fora da cidade. A fazenda tem um sistema de gestão bastante ecológico, pois possui um biodigestor que coleta os resíduos das vacas para fazer a biofertilização em sua plantação de milho destinada à alimentação das mesmas, e há projetos para transformar esse material em gás metano no futuro.

De uma maneira geral, é com grande satisfação que realizei esta visita muito informativa que está diretamente ligada ao meu mestrado em Sistemas Ambientais e Sustentabilidade, cuja área de investigação se centra na sustentabilidade da agricultura segundo a abordagem sistêmica agrário e produção. Na esperança de reinvestir esta grande experiência adquirida em meu país, o Senegal, onde a agricultura é duramente atingida pelas mudanças climáticas e pelas demandas do mercado nacional e internacional. Agradeço à Unijuí por me dar uma bolsa para fazer as pesquisas. Um muito obrigado aos professores da turma de Sistema Ambiental e Sustentabilidade. Por fim, agradeço ao meu amigo Tiago, por me permitir visitar sua magnífica cidade de Panambi".

             

 


A mortalidade das Abelhas na Região Noroeste do Rio grande do Sul foi tema de debate

              

Na quinta-feira, dia 10 de setembro, o professor Roberto Carbonera, do curso de Agronomia e do Mestrado em Sistemas Ambientais e Sustentabilidade da Unijuí participou de uma live com um grupo de alunos da 2ª série do Ensino Médio, do Colégio Evangélico Augusto Pestana (CEAP), Ijuí, e com a professora de Biologia, Márcia Mattos Damm.  Este grupo de alunos, sob a orientação da professora, vem pesquisando sobre A mortalidade das Abelhas na Região Noroeste do Rio Grande do Sul, tema escolhido no Componente Curricular Projetos de Pesquisa, desenvolvido pela escola. Este projeto visa estimular a busca de dados e informações para resolver problemas/questões e preparar os alunos para a pesquisa científica, exigida em nível universitário.

Na ocasião, o professor Carbonera discorreu sobre o uso de agrotóxicos ao longo dos anos, as diferentes concepções acerca do seu uso e as implicações para a saúde humana e ambiental. Destacou dados de utilização, relações com ocorrência de intoxicações agudas e crônicas, bem como dados de contaminação do ambiente.

Sobre as abelhas, discorreu sobre casos de mortalidade de colmeias ocorridos no RS. Inicialmente, surgiram suspeitas da ocorrência de novas moléstias provocadas por fungos ou vírus.  Entretanto, pesquisas apontaram que a causa principal estaria associada ao uso de agrotóxicos, com a identificação de compostas, inclusive, já proibidos em outros países. 

Ao finalizar, lembrou a importância dos jovens buscarem na pesquisa, a discussão de temas polêmicos como este, confrontando os diversos pontos de vista e soluções conjuntas que visem minimizar seus impactos.


Sistemas Ambientais e Sustentabilidade: a busca por solucionar ou minimizar impactos gerados pelo desenvolvimento

            

O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Sistemas Ambientais e Sustentabilidade da Unijuí, que oferta o curso de Mestrado, busca analisar e compreender as relações entre sistemas naturais e produtivos, abordando as dimensões ambientais, sociais, econômicas, culturais e produtivas, visando a geração de conhecimento para solucionar ou minimizar os impactos negativos gerados pelo desenvolvimento.

A proposta foi embasada numa longa e profícua discussão interdisciplinar realizada pelos seus docentes e pesquisadores, respaldada num considerável conjunto de estudos, pesquisas, experiências e produção científica com enfoque na sustentabilidade, oportunizando uma aprendizagem construída em vários campos do conhecimento na área socioambiental. Representa a oportunidade de promover avanços científicos, fomentando pesquisas a partir de uma visão sistêmica e interdisciplinar, impulsionando a prospectar a formação de uma massa crítica para atuação convergente às necessidades dos novos cenários, com forte ênfase na proteção ambiental, garantia da segurança alimentar e qualidade de vida das comunidades.

O fazer em ciência e inovação inclui a interação de diversas áreas do conhecimento, com pesquisas e ações que envolvem: produção mais sustentável de alimentos, redução de poluição, qualidade dos produtos, segurança alimentar,  estudo e controle de zoonoses/saúde pública, saúde e bem-estar, valoração ambiental, biodiversidade/transformação/recuperação/bioindicadores, redução de agrotóxicos, legislação e adequação ambiental, lixo, saneamento rural/urbano/uso de resíduos sólidos, qualidade do ar, solo e água, planejamento/análise de praças e jardins/ambiente público/conforto ambiental, materiais sustentáveis/ergonomia/instalações, processos mais limpos e cidades sustentáveis, estudos voltados a educação ambiental, entre outras.

O Programa, oferecido pelo Departamento de Estudos Agrários da Unijuí, foi aprovado pela CAPES no segundo semestre de 2018. Dessa forma, permite desenvolver grandes pesquisas de interesse regional e nacional e promove a formação de um pesquisador diferenciado com visão sistêmica e multidisciplinar. No curso de mestrado o público-alvo são os profissionais graduados nas áreas de Ciências Ambientais, Agrárias, Biológicas, da Saúde, Sociais, Química, Engenharias/Tecnológicas Aplicadas e/ou áreas correlatas.

Linhas de Pesquisa

Inscrições

Desde o dia 08 de setembro o Programa estará com inscrições abertas para a nova turma de Mestrado. Confira todos os detalhes na página do Programa, neste link. Outras informações pelo e-mail: ppgsas@unijui.edu.br, ou pelos telefones (55) 3332 04 20 e (55) 9 96179234.

 


Relação entre algoritmos, democracia e educação foi tema de formação de professores

            

O Programa de Mestrado em Sistemas Ambientais e Sustentabilidade promoveu uma formação aos docentes nesta segunda-feira, 24 de agosto. O convidado foi o Prof. Dr. Amir Limana, que está em pós-doutoramento em Roma, na Universidade de Sapienza, Itália. Ele já atuou como docente da Unijuí, tendo, neste encontro, pautado a fala na obra de Giuliano Da Empoli, intitulada “Engenheiros do Caos”, que é jurista de formação, escritor e jornalista. Está fortemente implicado com as redes sociais, como as fake News, teorias da conspiração e os algoritmos que estão sendo utilizados para disseminar ódio, medo e influenciar nas eleições em diversos países, como no Brasil. Participaram do debate, coordenado pelo professor Roberto Carbonera, professores dos programas de pós-graduação da instituição e convidados externos.

O “Big Data’ constitui a fonte de acesso aos dados de cada cidadão, individualmente, e direciona informações de forma a cooptar adeptos. “Se o algoritmo das redes sociais é programado para oferecer ao usuário qualquer conteúdo capaz de atraí-lo com maior frequência e por mais tempo à plataforma, o algoritmo dos engenheiros do caos os força a sustentar, não importa que posição, razoável ou absurda, realista ou intergaláctica, desde que ela intercepte as aspirações e os medos, principalmente os medos, dos eleitores” (Da Empoli, p. 13). “Claramente, constata-se que o estado democrático de direito, assim como o livre arbítrio, está sob ataque dos algoritmos que vêm mudando as regras do jogo político e a face das nossas sociedades. Ou seja, um trabalho árduo de ideólogos e, cada vez mais, de cientistas e especialistas do Big Data, sem os quais os atuais líderes populistas nunca teriam chegado ao poder. É a inteligência artificial manipulando o destino humano”, destacou o professor Amir.

O palestrante reforça: “aos olhos dos seus eleitores, as deficiências dos líderes populistas se transformam em qualidades. Sua inexperiência demonstra que não pertencem ao círculo da "velha política" e sua incompetência é uma garantia da sua autenticidade. As tensões que causam, em nível internacional, são vistas como mostras de sua independência, e as fake news, marca inequívoca de sua propaganda, evidenciam sua liberdade de pensamento. Questionam-se e negam-se evidências científicas, a terra pode ser plana! A simplificação substituiu um processo de mediação construtiva da sociedade”.

                 

Diante do contexto exposto, ficou um grande questionamento aos participantes: o que nos salvará nesse contexto em que a civilidade e a democracia estão ameaçadas? “A Educação! Ela que, assim como a ciência, está sob ataque nesse projeto. Cabe resgatar o caráter humanista reflexivo da educação, da possibilidade de reestabelecermos um diálogo acerca de referenciais críticos, da complexidade do mundo”, projetou. Segundo o professor Amir, urge agirmos coletivamente resgatando a capacidade de diálogo para não sermos tragados por esse projeto de ignorância militante orquestrado em redes sociais.

 "Agradecemos aos colegas que participaram do debate e nos enriqueceram com suas contribuições, resgatando nossa esperança de um mundo melhor e mais justo”, avalia o professor Roberto Carbonera, coordenador da atividade.


Programa realiza formação para professores da Rede Municipal de Condor

               

No dia 10 de agosto, o professor Daniel Cenci, a mestranda Juliana Boniatti Libardoni Buratti e o mestrando Tiago Fernando Vargas Muller, do Programa de Pós Graduação em Sistemas Ambientais e Sustentabilidade (PPGSAS) da Unijuí, participaram de atividades de formação ao profissionais da educação da Rede Municipal de Condor. Desde 2019, o Programa vem estabelecendo relações com a  Secretaria Municipal de Educação e Cultura (SMEC), integrando as atividades de formação continuada propostas pelo município. 

Este ano letivo está sendo diferenciando, com muitos desafios para alunos, familiares e professores. A proposição de atividades não presenciais  tem demandado tempo e estudo dos Educadores, os quais procuram manter crianças e adolescentes vinculados à escola, motivados a aprender e desenvolver saberes. Para proporcionar momentos de reflexão sobre as práticas pedagógicas e planejamento das atividades, as Equipes Diretivas e a Secretaria Municipal de Educação de Condor, propuseram encontros online de formação continuada aos docentes da rede municipal de ensino. A palestra "Rompendo as barreiras disciplinares: 'sentipensar' como fundamento para novos saberes", foi realizada de forma virtual, tendo como público os professores dos anos finais. 

Ainda sem  previsão do retorno às aulas presenciais, as escolas seguem empenhadas em desenvolver suas atividades. A SMEC reitera que o envolvimento das famílias está sendo fundamental para que os alunos permaneçam engajados no processo de aprendizagem, o qual o professor atua como o principal mediador na busca de novas metodologias que se adaptem ao cenário atual.

As ações no município de Condor são construídas a partir do projeto da mestranda Juliana intitulado “Avaliação e preservação de recurso hídrico a partir do uso de indicadores e bioindicadores de qualidade ambiental”, sob orientação da professora do PPGSAS, Juliana Maria Fachinetto, e co orientação da professora Sandra Fernandes e do mestrando Tiago Fernando Vargas Muller , Abelhas nativas sem ferrão como garantia da biodiversidade, atividade econômica e ferramenta de valoração e educação ambiental sob orientação da professora do PPGSAS, Maria Margarete Brizola e co-orientação do professor José Antonio Gonzalez da Silva.   Destaca-se também a parceria construída com o  Grupo Hidropan, Sr. Eduardo Kummer e Olávio Melchiors,  e JS Florestal, através do Engenheiro Florestal Jorge Schirmer.

 

 

 


Unijuí e Ceriluz firmam convênio para o desenvolvimento de projeto Socioambiental em Ijuí

            

A Ceriluz e a Unijuí, por meio do Mestrado em Sistemas Ambientais e Sustentabilidade, juntamente com a JSFlorestal, firmaram convênio para o desenvolvimento de um projeto Socioambiental em Ijuí. Intitulado “Qualidade das águas de nascentes pertencentes à bacia hidrográfica do Rio Ijuí na área de atuação de Pequenas Centrais Hidrelétricas”, será desenvolvido com associados da Cooperativa e também com estudantes de escolas da cidade. A parceria entre os atores desta iniciativa foi potencializada pela atuação da Agência de Inovação e Tecnologia (AGIT), setor ligado à Vice-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da Universidade.

Os objetivos são identificar as nascentes e caracterizar o ambiente no entorno das fontes que abastecem o rio Ijuí, na microrregião de atuação de Pequenas Centrais Hidrelétricas. Realizar avaliação da qualidade da água e desenvolver um plano de monitoramento para fins de recuperação e preservação. Além disso, atuar junto à comunidade para atividades de educação ambiental na conscientização do uso racional da água e preservação de seus mananciais e de valorizar o caráter socioambiental da empresa geradora de energia. O projeto também tem estreita ligação com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), definidos pela Organização das Nações Unidas (ONU), um chamado universal para ação contra a pobreza, proteção do planeta e para garantir que todas as pessoas tenham paz e prosperidade.

O estudo será desenvolvido nos municípios de Ijuí e Bozano, na Bacia Hidrográfica do Rio Ijuí, na microrregião de atuação das PCH’s José Barasuol e RS 155, que exploram o potencial hidrelétrico do Rio Ijuí, na qual as nascentes de água selecionadas para o desenvolvimento do projeto de pesquisa são formadoras de arroios que contribuem para a disponibilidade hídrica do Rio Ijuí. Será executado em forma de Projeto de Mestrado do Programa, a partir da atuação da mestranda Márcia Sostmeyer Jung. Ela salienta que a água é um recurso natural e o elemento de maior importância na natureza, sendo necessária para manter a biodiversidade e as atividades econômicas da agricultura, pecuária e indústria. No entanto, a qualidade da água é ameaçada com o crescimento da população humana e expansão das atividades agrícolas e industriais. “As nascentes possuem uma posição de destaque no ciclo hidrológico, abastecendo os cursos d’água dos rios, mantendo a biodiversidade e o ecossistema como um todo. Portanto, a manutenção do fluxo e a qualidade da água de um rio depende da contribuição dos seus afluentes (rios menores, riachos, córregos e nascentes) preservados e conservados”, salienta. 

Ela também observa sobre a utilização do potencial econômico na geração de energia limpa, pois a água constitui uma fonte renovável de combustível pelas usinas hidrelétricas. “O crescimento econômico e a manutenção das atividades humanas estão interligados com a disponibilidade de energia elétrica. As Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) são empreendimentos de elevada importância para a matriz energética brasileira e gaúcha. Elas apresentam impactos ambientais menores, são ambientalmente responsáveis e economicamente viáveis, geram energia descentralizada próxima à grandes centros consumidores e contribuem com o desenvolvimento social e econômico regional. Estas características são condizentes com as exigências do desenvolvimento sustentável do século 21”, complementa.

A Ceriluz é ciente de seu papel socioambiental junto à comunidade, observa a importância da preservação e conservação das nascentes de água para a manutenção dos mananciais e da biodiversidade aquática, bem como para o desenvolvimento sustentável das presentes e futuras gerações. “Está uma grande e importante parceria e já queríamos realizar há algum tempo com a Universidade”, salienta Romeu de Jesus, diretor da Ceriluz. 

Para o coordenador do Mestrado em Sistemas Ambientais e Sustentabilidade da Unijuí, professor Dr. José Antônio Gonzales, este projeto vai desenvolver um trabalho de um dos grandes temas da humanidade, que é a qualidade da água. “As nascentes são as fontes de recursos hídricos, de manutenção de qualidade de água potável e biodiversidade, pensando no futuro das novas gerações. Tendo em vista estes importantes aspectos, a Ceriluz e a Unijuí estabeleceram esta parceria, com o objetivo de promover o desenvolvimento sustentável da nossa região”, complementa.

            

A metodologia do trabalho:

- Caracterização da microrregião de estudo com a seleção de 5 nascentes de água estratégicas para a formação de Arroios;

- Identificar e caracterizar as nascentes;

- Analisar a qualidade da água;

- Desenvolver um plano de monitoramento das nascentes, definindo estratégias de recuperação e preservação a partir do diagnóstico atual das condições ambientais e da biodiversidade existente visando conformidade ao Código Florestal;

- Realizar o biomonitoramento das nascentes de água, com a utilização de bioindicadores que vão indicar a qualidade biológica das águas;

- Desenvolver ações de educação ambiental em escolas rurais incorporando estratégias junto ao corpo docente no plano pedagógico, com atividades interdisciplinares junto a apresentação e discussão de temas relevantes relacionados a preservação e conservação das nascentes, envolvendo materiais educativos. 

 


Sistemas Ambientais e Sustentabilidade abre inscrições para estudante eventual

           

O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Sistemas Ambientais e Sustentabilidade da Unijuí está com inscrições abertas, de 10 a 24 julho de 2020, para Estudante Eventual do curso de Mestrado.

Documentação para Inscrição: 

● Requerimento de Inscrição (formulário disponível no site e na secretaria do curso); 

● Cópia do diploma e histórico escolar da Graduação (autenticados); 

● Cópia do CPF; Cópia da Carteira de Identidade, Cópia da Certidão de Nascimento/Casamento;

Estes documentos devem ser enviados por e-mail para a Secretaria do Programa, no endereço: ppgsas@unijui.edu.br. Assim que recebidos, a secretaria envia e-mail de confirmação.  

A participação como estudante eventual, não garante, em qualquer hipótese, vaga nos Cursos do Programa, no próximo processo de seleção, não desobriga o aluno de submeter-se ao processo de seleção, para ingresso. Caso o aluno participe e seja aprovado no Processo Seletivo poderá requerer aproveitamento dos créditos já cursados. 

Para mais informações, consulte a página do Programa.

Sobre o Programa

O Mestrado em Sistemas Ambientais e Sustentabilidade tem como objetivos formar pesquisadores com visão sistêmica e multidisciplinar capaz de compreender as inter-relações entre o ambiente, a sociedade e a tecnologia; participar de forma crítica e reflexiva no desenvolvimento regional, considerando os princípios e valores da sustentabilidade, gerando tecnologias apropriadas aos sistemas produtivos locais; promover a produção de conhecimentos na área do meio ambiente em geral, bem como, no campo do diagnóstico e da solução de problemas de interesse socioambiental.

 


Mestrado em Sistemas Ambientais e Sustentabilidade realiza atividade com alunos do projeto de extensão “Programe seu Futuro”

          

As mestrandas Cleusa Rossini e Fernanda Gewehr de Oliveira, orientandas do professor Dr. Daniel Cenci no Programa de Pós Graduação em Sistemas Ambientais e Sustentabilidade (PPGSAS) da Unijuí, desenvolveram  as atividades de formação, que aconteceram nos dias 16 e 18 de junho, via Google Meet, com os alunos do Projeto de extensão da Unijuí “Programe seu Futuro”. A ação tem a coordenação do Grupo de Pesquisa Direitos Humanos, Justiça Social e Sustentabilidade

A inserção e a participação do PPGSAS ocorreu com as palestras das alunas sobre: “Agenda 2030: Despertando os jovens para o saber e o fazer sustentável”. Nelas se abordou o tema referente aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ODS, discutindo-se sua importância, meios de implementação, ações locais e globais para a multiplicação da Agenda 2030.

Nesta atividade participaram estudantes de escolas dos níveis fundamental e médio de Ijuí e Santa Rosa que fazem parte do projeto de extensão “Programe seu Futuro”. O projeto é coordenado pelo professor Me. Marcos Cavalheiro e tem como objetivo despertar o interesse pelo uso da tecnologia, um trabalho conjunto entre Universidade e Escolas, na perspectiva de gerar uma mudança de paradigma nos jovens estudantes a partir da modificação do seu olhar a respeito da tecnologia, no qual este passará a ser um produtor e não apenas um usuário das ferramentas de informática.

A temática da Agenda 2030 traz uma discussão global e para que a efetivação de suas metas ocorra se faz necessário o envolvimento de todos os cidadãos. Os jovens representam uma parcela importante na multiplicação da Agenda e as ferramentas tecnológicas são aliadas nesta tarefa de divulgação e implementação.