Unijuí presta assessoria no entendimento da nota técnica que vai estabelecer piso do frete no país

O Programa de Mestrado e Doutorado em Desenvolvimento Regional está prestando assessoria técnica ao Sindicato dos Transportadores Autônomos de Ijuí para o embasamento das discussões com o Governo Federal.

                    

O Programa de Mestrado e Doutorado em Desenvolvimento Regional, por meio do professor Dilson Trennephol e seus orientandos, está prestando assessoria técnica ao Sindicato dos Transportadores Autônomos de Ijuí, considerando a demanda do presidente do Sindicato, Carlos Alberto Dahmer, para o embasamento das discussões com o Governo Federal em relação ao reconhecimento e composição da tabela de fretes no pais. O objetivo é prestar assessoria técnica para que os representantes sindicais tenham embasamento nas discussões sobre o processo de elaboração de um piso de frete, que será efetuado no mês de julho de 2019. O assunto está sendo debatido com o Governo Federal e pela categoria. 

Segundo o professor Dilson Trennephol, após contato da diretoria Sindical, está sendo prestada esta assessoria. “Está sendo usada uma metodologia, elaborada pela Esalq, que é uma escola superior da USP, a pedido da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), propondo uma forma de cálculo. Porém, é uma metodologia bastante complexa, com muitas nuances e especificidades”, observou em entrevista para a Unijuí FM.

Serão realizadas, no decorrer das próximas semanas, uma série de audiência públicas a nível nacional. Após este processo, se chegará a uma resolução – o piso de frete - que deverá virar norma federal. “Para se ter uma ideia da complexidade que é fazer um estudo para estabelecer uma tabela assim, se leva em conta, no que diz respeito aos caminhoneiros, a organização em território nacional, com nuances em cada região, se leva em conta o tipo de carga, trajeto, condição das estradas, entre outros fatores”, complementa o professor. 

Segundo o presidente do Sindicato dos Transportadores Autônomos de Ijuí, Carlos Alberto Litti Dahmer, o trabalho da Universidade é fundamental para que a metodologia que está sendo proposta pela ANTT seja entendida. “É um estudo complexo, como é complexa toda a relação comercial do transporte. O trabalho da Unijuí vai nos embasar tecnicamente, para sabermos em que pontos atuar e buscar a melhoria sobre o preço mínimo de frete”, comenta.

Na tarde do próximo sábado, na sede do Sindicato, será realizado um encontro entre o Programa e a diretoria sindical para discutir o tema. E, para o mês de maio, estão agendadas Audiências Públicas para debater a proposta e também para a apresentação de sugestões de alteração e ajuste na metodologia, a cargo das representações Sindicais. 

                      

Professor Dilson em entrevista para a Unijuí FM


Compartilhe!